05 dezembro 2013

Fanfic com Lautner e Swift: Você pertence a mim – Capítulo: 18 - If we loved again, I swear I'd love you right.


Eu sei, se eu estou chorando, não dormindo direito, isso é tudo culpa minha, não deveria ter ido embora daquela forma, mas não havia outra forma de ir embora, eu estava vivendo uma mentira.

[...]

- Filha, é só uma jantar deixe ele tentar novamente, por favor. - Mamãe falava implorando para que eu jantasse com ele, pela última vez.

- Mãe, eu não posso, dói você sabia? Já não basta tudo que eu fiz, eu não vou jantar com ele, por mais que eu esteja mal com isso, não vou ama-lo. Faço isso por ele. 

- A última vez. - Falou segurando minha mão. - Por mim.

- É errado. - Falei balançado a cabeça negativamente.

- Não é errado, entenda isso com um jantar de amigos.

- Tá bom. - Suspirei.

 Ela saiu com um sorriso enorme nos lábios e pegou o celular certamente iria ligar pra ele.

 Jantar de amigos pra mim, pra ele talvez isso significasse muito mais. 

[...]

Eu  já estava arrumada, e ele viria me buscar. Ninguém estava em casa, minha mãe certamente achava que iria rolar mais que um jantar.


Ouvi a campainha tocando e com certeza era ele, abri a porta com um sorriso fraco, ele estava completamente lindo.

- Boa noite. - Falou sorrindo.

- Boa... - Tentei dar um sorriso. 

- Vamos? 

Assenti fracamente.

Chegando no carro, ele abriu a porta pra mim e eu entrei. Antes de dar partida no carro, ele esticou os braços para o banco traseiro e pegou um buquê de rosas.

- Pra você. - Abaixou a cabeça e deu um sorriso de leve.

Eu olhei para as rosas e não consegui sorrir, aquilo É ERRADO.

- Desculpa. - Sai do carro correndo e joguei as rosas no meio da rua, as lágrimas já saiam pelo meu rosto, eu queria ter uma amizade com ele, mas ele nunca entenderia isso, pra ele sempre seria mais do que amizade.

 Entrei dentro de casa e corri para meu quarto, adormeci ali... banhada em lágrimas.

[...]

 Acordei com o rosto inchado, chorei tempo suficiente para que eles ficassem assim.

 Tomei um banho quente, na tentativa da água levar todo aquele sentimento horroroso de culpa de dentro de mim.

Coloquei um vestido simples e um casaco. Foi quando lembrei das rosas de ontem... Corri disparada para fora de casa e lá estavam elas, as pétalas espalhadas e mortas, eu havia as matado. Assim como havia matado o sentimento de uma pessoa. Vagarosamente recolho cada pétala de rosa, com lágrimas molhando minha face. Começou a nevar e eu me deitei no chão, no meio da rua, cheirando as pétalas de rosas que por incrível que pareça ainda tinha seu cheiro, seu cheiro forte e doce ao mesmo tempo. Não me importava se alguém me visse ali, se os vizinhos me achassem louca, eu era apenas uma garota com sentimentos confusos e com o coração despedaçado.

[...]



P.O.V - Narrador...


 Existiam dois lados naquele momento...

 Em um lado uma pessoa chorava compulsivamente e arrependidamente, porém achava que não era arrependimento. Ela estava abraçada ao casaco exalando o cheiro de seu amado, e ela não sabia o tanto que sentiria falta daquele cheiro, daquele carinho, daquela pessoa. E o que mais é estranho em tudo isso, é que depois de tudo ela descobriu que o amava...

 Do outro lado uma pessoa quebrava tudo que estava a sua frente, gritava, chorava e não entendia o por que de tudo ter acabado assim, pela primeira vez sentiu a dor de um "adeus" vindo de uma pessoa que amava tanto. 

OoOoOoOoo

 Dias se passaram...

 Uma pessoa já estava conformada com tudo, ninguém é obrigado a amar ninguém, vivia triste pelos cantos, porém conformado. 

 Já a outra, se perguntava "por que eu fui tão orgulhosa?". Não dormia bem a dias, ficava pensando a todo momento o jeito que ela foi embora sem ligar para os sentimentos de outra pessoa, ela se sentia suja, burra, idiota. Por tanto tempo procurou um "príncipe encantado" e quanto finalmente achou, a única coisa que deu a ele, foi um adeus...

[...]

 Fevereiro chegou e as coisas continuavam da mesma maneira, nenhuma ligação, nenhum encontro, apenas lágrimas, sofrimento e lembranças... dois de fevereiro, e hoje alguém ficaria um ano mais velho.

Taylor (Lautner) estava se trocando, mas um dia cansativo de gravação, olhou para a bancada e viu um cordão, um cordão que tinha uma chave como pingente... e então se lembrou das juras de amor daquela noite.

 Algumas lágrimas caíram de seu rosto, "é a vida que segue" pensou e passou as costas das mãos nos olhos e saiu em direção ao carro.

 Quando chegou ao set estava tudo tão quieto.

 - PARABÉNS PRA VOCÊ NESSA DATA QUERIDA MUITAS FELICIDADES MUITOS ANOS DE VIDA...

 Ouviu várias pessoas cantando e virou-se para trás encontrando seus amigos, seu pai, sua mãe e sua irmã também.

- Eu não acredito. - Sorriu. - Eu tinha esquecido do meu aniversário. - Falou e todos riram.

- Seus presentes estão lá atrás. - Falou Robert apontando para uma sala fechada.

- Eu mereço tudo isso mesmo? - Perguntou Taylor sorrindo.

- Claro que sim bobão. - Falou Kristen abraçando ele. - Feliz aniversário. 

 Depois todos felicitaram ele, seus amigos, pais e irmã. Na verdade não foi um dia de gravação e sim um dia cheio de alegria.


 Enquanto isso no apartamento de Taylor (Swift)

- Não irá ligar? - Perguntou Liz.

- Eu não sei o que eu faço. 

- É, acho que sou capaz de entender. 

- Não quero acabar com o aniversário dele, ele nem deve se lembrar de mim mais. - Deu uma risada fraca.

- Duvido muito. - Liz ia saindo, mas parou antes de fechar a porta. - Faça o que achar melhor pra ambos, garota destemida. - Deu um sorriso e saiu.

Taylor pegou o celular e discou o número, mas parou quanto iria ligar...

"Não vou mais fazer da vida dele um inferno" Pensou.

Set - Taylor (Lautner)

Já estava tarde, mas sua pequena e improvisada festa ainda acontecia. Taylor sentou-se em um banco afastado de todos com o celular na mão, ele ainda esperava a ligação dela. 

- Ela não vai ligar. - Kristen apareceu e sentou-se ao lado dele.

- Ela quem? - Perguntou desentendido.

- Não seja bobo, Taylor. - Falou passando a mão pelos cabelos dele. - Fizemos uma festa pra você e você tá ai esperando uma ligação dela, e você sabe quem é "dela".

- Só esperava que ela fosse ligar. - Falou abaixando a cabeça.

- Eu sei, mas vai curtir sua festa, se ela fosse ligar já teria ligado. - Kristen levantou-se e puxou seu amigo. - Siga a sua vida, assim como ela está seguindo a dela.

____________________________ x _________________________ 



P.O.V  - Taylor Swift

Mais dias se passaram e estava a cada dia mais difícil suportar a saudade, e eu queria explicar isso pra ele de alguma forma.

É mais um dia com muita neve aqui, a neve caia lá fora assim como minhas lágrimas caiam aqui em cima dessa cama.

Olhei para o lado e vi sua jaqueta, e ainda tinha seu cheiro, era o máximo que eu conseguia dele agora, o cheiro dele em uma jaqueta.

Eu tive uma ideia, e dessa vez eu precisaria ser corajosa, peguei meu celular e disquei seu número.

- Oi... - Falou com uma voz fria do outro lado, como senti falta do "oi amor" de antes.

- Oi, como você está?

- Bem. A que devo a honra de sua ligação? - Ele estava sendo irônico e frio.

- Sua jaqueta está aqui em casa.

- Sem problemas, jogue fora. 

- Você poderia vim busca-la?

- Tá, eu mando alguém ir busca-la.

- Não, você tem que vim busca-la, por favor.

- Vou ver se tenho tempo, tudo está corrido pra mim, principalmente agora.

- Ok, até logo.

Não deu tempo de nada, apenas ouvi o pipipipi do outro lado da linha. 

Eu já sei o que eu faria, ele a essa altura não queria mais me ouvir, se viesse seria rápido, eu escreveria uma carta. Peguei um papel e uma caneta. Fui para dentro da benheira fria e comecei a escrever.

"Sinceramente eu não sei por onde começar. Só sei que estou feliz por você ter arrumado tempo para me ver. Faz tempo que não vejo a sua família, como eles estão? 

 Não quero tomar muito do seu tempo, vou ser direta ou pelo menos tentar. Eu estou arrependida de tudo que eu fiz, eu queria ter percebido o que eu tinha quando você era meu. Eu não tenho dormido bem esses dias fico acordada lembrando de como eu fui embora. Quando o seu aniversário chegou e eu não te liguei. Me sinto um monstro por isso, você me deu todo o seu amor e tudo que eu te dei foi um adeus. Eu sinto muito por aquela noite, se eu pudesse voltaria a dezembro e mudaria tudo.  

Eu sinto falta da sua pele morena, do seu doce sorriso tão bom para mim, tão certo. Você se lembra no dia do VMA? Como você me segurou em seus braços naquela noite? Eu nunca te contei isso tão claramente, mas não existe refúgio melhor do que estar em seus braços, e ser amparada por você.

Eu voltaria no tempo e mudaria tudo, mas não posso fazer isso então se a sua porta está trancada, eu entendo. Acontece que a liberdade não é nada além de saudades suas. 

Lembra no dia em que você me deu o colar com o pingente da chave? Ainda guardo suas palavras...

"Bom, são dois pelo motivo de ser um seu e um meu, mandei fazer esses cordões e ninguém tem igual, seremos apenas eu e você com ele. E o significado dele é bem simples você é a única que tem a chave pro meu coração, a única pessoa que me faz sentir coisas que eu nunca senti na minha vida, a pessoa que me faz sorrir com apenas um sorriso bobo nos lábios, que me diverte e me faz ser quem eu sou, me faz esquecer dessa vida conturbada e cheia que eu levo. A mulher que me faz feliz de diferentes formas, a melhor coisa que já aconteceu em toda minha vida, a mulher mais boa, simpática, extrovertida e sensacional que eu já conheci. E com certeza a única mulher que mora aqui. (foi quando você colocou sua mão no coração) Te amo muito!"

 E eu tenho certeza de apenas uma coisa: Se nos amássemos de novo, eu juro que te amaria direito.

                                                                                                                    - Taylor S. "

Eu já estava chorando com isso tudo, sai da banheira, dobrei o papel e coloquei dentro do bolso do casaco.

Me encolhi na cama e chorei, chorei até que meu corpo pedisse ajuda, chorei até que não houvesse mais lágrimas dentro de mim.

[...]

Poucos dias se passaram, era manhã e eu estava em minha cama tentando ter um bom sono, já que não sei o que é isso a meses. Me olhei no espelho próximo a cama, eu estava com olheiras horríveis, olhos fundos e vermelhos. Nem minha própria família me via mais, já que eu nem saia do quarto.

- Estão esperando você lá em baixo. - Mamãe entrou no meu quarto. - Oh minha filha, que olhos são esses? - Correu para perto de mim e segurou meu rosto. 

- Quem tá lá em baixo? - Falei ignorando a pergunta dos olhos.

- Ele. 

- A senhora está falando sério? - Levantei-me rapidamente.

- Sim, disse que veio buscar uma coisa.

- Ah. - Lembrei da jaqueta, ele estava ali pela jaqueta. 

- Vou fazer companhia a ele, seu pai e seu irmão não estão em casa, quando você descer irei sair pra que vocês fiquem a sós. 

 Assenti e fui para o banheiro. Passei maquiagem pra cobrir aquelas olheiras, mas sem muito sucesso, elas ainda apareciam, pouco mas apareciam.

Coloquei uma roupa mais "vou ver o taylor", peguei sua jaqueta e desci, ele estava vendo alguns porta retratos na sala. 


- Olá. - Falei dando um sorriso, ele tomou um susto e olhou para trás, mas não sorriu.

- Oi. - Falou desviando os olhos do meu.

- Pode sentar se qui...

- Apenas vim pegar minha jaqueta, Taylor. - Falou friamente estendendo o braço para pega-la. E eu engoli o seco. É ele estava na defensiva, e eu sei o porque.

- Claro. - Estendi o braço entregando a jaqueta.

- Bom, passe bem o seu dia. - Falou indo em direção a porta.

- Taylor, espera. - Falei e ele parou próximo a porta.

- O que foi? - Virou o rosto com cara de poucos amigos.

Corri e o abracei. 

- Desculpa, mas eu precisava disso. - Sussurrei em seu ouvido. - Quando chegar em casa, olhe no bolso da sua jaqueta. - Ele ficou parado, não falou nada e nem retribuiu o abraço.

 Quando o soltei ele me olhou e saiu, sem dizer nada.

 [...]


E nesse momento eu tinha certeza de três coisas.

Primeira: perceba o que você tem quando essa "coisa" for sua, caso perceba tarde de mais só vai lhe restar sofrimento.

Segunda, eu achava que não o amava, mas hoje meu coração grita feito louco para estar perto dele.

Terceira, mesmo depois disso tudo... Taylor Lautner pertence a mim, de todas as formas possíveis que um homem pode pertencer a uma mulher e visse versa.



THE END...


Aviso: Então gente não ficou um final perfeito e nem feliz, mas... 
Então como prometi a algumas leitoras, irei fazer um final feliz também \ô/ Enfim quando eu começar a postar será a partir do capítulo 16, depois do aniversário da Taylor. Aí o final feliz virá assim...  Capítulo 17.2, Capítulo 18.2  e por aí vai... Eu espero que tenham gostado da história, e se eu conseguir escrever tudo que estou pensando para o final feliz, as team taytay vão pirar kkkkkkkk. Beijão e até logo. ♥

3 comentários:

  1. continua...muito perfeita sua
    história

    ResponderExcluir
  2. Amei!! Me apaixonei por essa historia. O que me diz de 2° Temporada? 😀

    ResponderExcluir
  3. Amei!! Me apaixonei por essa historia. O que me diz de 2° Temporada? 😀

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário! A sua opinião sobre as fanfics é muito importante para que os autores continuem escrevendo. Fale sobre o mais gostou, sobre o que espera ler nos capítulos seguintes. Comente sobre seus personagens favoritos e os que mais detesta. Não deixe de comentar, seja mais ativo e evite que as fanfics entrem em hiatos por desmotivação da autora em escrever. Não seja um leitores fantasma. Comente agora mesmo!

DEIXE SEU RECADO!

SITE DE NOTICIAS - TAYLOR LAUTNER MANIA