13 dezembro 2013

FANFICTION COM LAUTNER E PATTINSON: BIZARRE LOVE TRIANGLE – BLT – CAPÍTULO 3


Ele tomou-a nos braços, puxando-a pela cintura em um abraço quente e envolvente. Levou sua mão até sua nuca e entrelaçou seus dedos em seus cabelos, puxando levemente sua cabeça para trás, o suficiente para que ela lhe olhasse nos olhos.

- Você me deixa louco. Precisa ser minha, agora! - e mantendo o olhar em sua boca, desceu lentamente e a beijou com desejo e paixão. Ele a invadiu com sua língua quente como se fosse seu dono e a instigou à sugá-la de maneira devoradora. Seus corpos estavam tão próximos que ela podia sentir sua urgência em   possui-la.


Suas mãos lhe acariciavam com desejo, lhe fazendo perder o equilíbrio. Ele a deitou no chão da floresta e posicionou-se entre suas pernas. Ela senti seu pênis rijo roçando em seu sexo, que nessa hora já estava pulsando de tanto prazer.

- Jake, me faça sua...- sussurrou em seus lábios, entre beijos, apertando-o mais ainda contra seus quadris, tirando-lhe a bermuda e ... Triiim, Triiim!!

- Ahhhhhhhhhh.......

Acordei toda suada e nervosa com o despertador. Meu deus! Que sonho era aquele? O mais curioso era que a figura de Gill, de uma hora para outra, passou a povoar meu sonho no papel de Jacob Black. Era a primeira vez que isso acontecia. Nas outras vezes em que sonhei, criava um outro homem em meu imaginário para encarná-lo. Rostos conhecidos, homens com quem me relacionei...

- OK! Chega de sonhar e vamos para a realidade... - me levantei e comecei meus preparativos de concentração para este dia tão importante. Hoje seria minha estreia na Broadway!

Comecei com um bom café da manhã e a leitura das falas da personagem repassadas em frente ao espelho. A ansiedade me pegava a cada hora próxima do espetáculo. Estranhei o fato de que nem Luana, nem Tomaz haviam aparecido ainda. Deve ter sido uma reunião daquelas, ainda bem que não fui..., pensei comigo mesma enquanto me arrumava para caminhar pelo Central Park.


A caminhada me ajudava muito a relaxar e me concentrar. Observava as pessoas correndo ou caminhando pelo parque, algumas que se sentavam nos bancos para ler um bom livro, os andarilhos que catavam coisas do lixo... Estava um dia quente e agradável, nada típico para o outono nova-iorquino. Me vi pensando novamente no quanto minha vida havia se transformado da noite para o dia.

Hoje eu morava em Nova Iorque e estava para me tornar uma jovem atriz da Broadway. E eu que pensei que seria jornalista no Brasil e, no máximo, chegaria a trabalhar na Rede Globo. Sem dúvida, muito eu tinha que processar. Minha mãe continuava mandando notícias do Brasil, lugar que para mim se tornava cada vez mais distante. Depois de tantas coisas acontecendo por aqui, dificilmente voltaria para lá.

Estava voltando pra casa quando encontrei Gill no hall do edifício. Quase cai pra trás quando o vi! Me lembrei imediatamente do meu sonho e não pude deixar de ficar com o rosto todo vermelho. Ai meu deus, e agora???
Me controlei para poder manter uma conversa normalizada, apesar de conseguir ouvir as batidas do meu coração de maneira descompassada. Calma, Flavia. Ele não é Jacob Black, foi só um sonho... -eu dizia em pensamentos, tentando me tranquilizar.

- Oi Flavinha! Que surpresa te encontrar aqui há essa hora. Pensei que estaria se preparando, ou algo assim, para hoje à noite. – disse Gill com um sorriso encantador nos lábios.

- Pois é Gill, fiquei muito ansiosa e resolvi dar uma volta para arejar. Acabei vindo sozinha. Luana está na casa de Tomaz e eles pelo jeito irão dormir até a hora do espetáculo. – disse a ele entrando no elevador e procurando parecer bem relaxada, coisa que estava longe de ser verdade.

- Puxa! Se eu soubesse teria te convidado para caminhar comigo, talvez almoçar....

- Tudo bem, Gill. Eu precisava mesmo ficar um pouco sozinha. – disse a ele ainda tentando esconder meu nervosismo. Que coisa louca? Será que era ele ou a imagem dele como Jake que estariam me deixando assim? Só sei que comecei a reparar em Gill e, realmente, ele era muito gato.

- Bom – ele disse – Para almoçar está um pouco tarde, mas posso te convidar para jantar depois do espetáculo? Isso é claro, se você não tiver que sair com o pessoal da companhia... – Gill falou me olhando nos olhos e me deixando com as pernas totalmente bambas. Ai Ai Ai, e agora?, eu pensei em desespero múltiplo.

- Olha Gill, tenho que ver – falei apressadamente, com um suspiro – Mas como estaremos juntos na chegada do teatro, poderemos resolver isso mais tarde. Pode ser? – falei sem querer descartar a possibilidade de jantar com ele e deixá-lo decepcionado.

– Claro! A que horas passo para te pegar? – ele perguntou enquanto segurava a porta do elevador para eu descer em meu andar.

– Humm, às 17h. Preciso estar no teatro duas horas antes do início do espetáculo. – eu disse.

- Combinado! Devo usar algo formal? – ele perguntou.

– Acho que um terno talvez, é uma estreia e eu terei que usar algo mais formal também. Assim faremos um par bem bonito, não acha? – disse e logo fiquei vermelha. Gill deu um sorriso encantador, mordendo o lábio inferior, e fez que sim com cabeça. Acenei com a mão e disse um até mais tarde tímido para ele. Precisava contar tudo pra Luana, urgente, antes que começasse a enlouquecer.

Entrei em casa e a encontrei sentada no sofá com uma cara pra lá de amassada. Ela segurava uma bolsa de gelo na cabeça.

– Eita que a festa foi booooa! – eu disse a ela já me sentando a seu lado – Conta tudo! Mas antes, preciso te contar uma coisa. Convidei Gill para hoje à noite e ele aceitou. Inclusive ele irá me levar ao teatro mais tarde. E ai? O que acha?

- Ai amiga, finalmente! Acho o máximo, você precisa mesmo fazer outra coisa que seja ler livros. Se bem que, AMIGA, você deveria ter assistido pelo menos ao segundo filme, o tal de “Lua Nova”. Menina, o que era aquele lobo na tela de LED!?!? (N/A: Aiiiiiiii) Fiquei enlouquecida quando ele apareceu sem camisa e todo molhado da chuva, ai que loucura! Tomaz brigou comigo a noite toda. Demorou para que fizéssemos as pazes... – ela disse fazendo uma cara mais que sapeca. Já tinha entendido. Pazes? Mudou de nome agora?

- Sério? É que o menino que faz o papel dele na peça é tão.... sei lá. – fiquei tentada a assistir ao filme. Se bem que a confusão em minha cabeça já era tão grande que nem sei se seria uma boa. Eu estava apaixonada por um personagem fictício, que projetei em um homem com quem poderia me relacionar realmente e agora queria saber como era a imagem desse personagem/homem em um filme? É.... eu estava ficando louca mesmo.

- Ai Luh, minha cabeça tá uma loucura. – disse a ela me levantando e andando em círculos pela sala – Depois que você falou comigo ontem, percebi que estava muito obcecada pelo personagem do livro e resolvi me dar uma injeção de realidade ligando para Gill e convidando-o para hoje à noite. Ele foi pra lá de receptivo, tanto que se convidou para me levar até o teatro – ela me olhava com a sobrancelha levantada com cara de “Eu te disse”.

– Tah, que seja... Mas o negócio é que durante a noite eu sonhei com Jake, mas ele não era ele, entende? Era Gill! – Luana fez cara de confusa, o que era normal, até eu não entendia.

- Amiga, você está me assustando... - ela disse indo em direção a cozinha tomar uma água – Ainda bem que você não viu o filme, então. Caso contrário não teria convidado Gill para ir hoje.

- Pois é..., mas eu encontrei com Gill na volta do Central Park e quase nem pude olhar pra ele de vergonha, por causa do sonho – contei a ela de meu encontro perturbador com Gill.

- O que você sonhou com ele?? Ai, tah, nem me conta.... E aí? – ela disse voltando pra sala com cara de assustada.

– Aí, que ele me convidou para jantar depois do espetáculo, é isso. Meu coração quase saiu pela boca. – respondi.

– Ahh, e o que você disse? – ela quis saber, agoniada.

– Eu disse que não sabia, que poderia ter que sair com o pessoal, sei lá.... O que você acha???

- O que eu acho? Amiga, VOCÊ VAI! – ela disse enfática – Ai credo! Era só o que tava me faltando... E eu estou te proibindo de ler mais uma vez esses livros, hein? Ver o filme, então, nem pensar! Flavinha, você precisa namorar, beijar na boca e parar de fantasiar com esses personagens. Você será uma atriz de respeito agora, amiga, não pode surtar. – ela disse e nós começamos a rir. Luana tinha razão, eu precisava procurar outras coisas para fazer.

Depois disso, ela me contou como Tomaz ficou enciumado por ela ter falado tanto nos atores do filme. Contou que tanto o vampiro, quanto o lobo eram uns gatos e que a minha personagem era muito sem graça.

– Da próxima vez vamos conhecer bem a história, para você poder aceitar o papel – disse ela com porte de empresária. Rimos juntas.

Luana contou que a história é realmente muito boa e que ela mesma não saberia dizer se a tal Bella deveria ficar com um ou com outro.

– Os dois são maravilhosos, e disputam esse amor cena a cena, ai ai... – ela disse piscando os olhinhos – Você deveria fazer a tal Bella...

- Ta certo senhora empresária. Não está na hora de chamar Tomaz e se arrumar? Já são 16:00, temos que estar no teatro às 17:30. – disse à ela para que começássemos a nos arrumar – Sem contar que daqui a pouco Gill vai passar pra me pegar. Preciso estar linda, não é? – perguntei a ela piscando um olho

– Linda, não! DI VI NA. Vem que eu te ajudo. – eu e Luana fomos para o quarto nos arrumar para a estreia.

Era 17h em ponto quando Gill tocou a campainha. Luana atendeu a porta e pediu que ele entrasse e esperasse na sala. – Olá Gill. Você quer beber alguma coisa? Um vinho, água, Uísque? – disse ela recebendo Gill.

– Não, obrigado. – ele respondeu, sentando-se no sofá para me esperar.

- Flavinha já vem, ela está terminando de se arrumar. Você está um gato, hein? Fique à vontade, vou até o Tomaz dar uma apressada nele. – disse e saiu deixando aporta aberta já que morávamos um em frente ao outro.

Eu estava no quarto, em bicas, nervosa com tudo que acontecia. Já estava pronta, com tudo impecável. Adorei minha escolha para hoje. Optei por um modelo justo, pink, que delineava bem o corpo. Estava me sentindo muito elegante, mas estava insegura com tudo que viria a acontecer àquela noite.


Luana também estava muito linda. Escolheu um modelo decotado, furta-cor. Fiz um penteado prendendo uma parte do cabelo atrás e Luana optou por deixar os cabelos soltos, o que combinou perfeitamente com ela. Olhei-me no espelho mais uma vez e sai do quarto indo em direção da sala, nervosa com meu reencontro com Gill. O que eu sentiria??

- Uau! Nossa! Você está deslumbrante, Flavinha. – Gill disse, me olhando dos pés à cabeça e ficando de boca aberta. – Nem sei se estou à sua altura. – falou e pegou minha mão me fazendo girar. Deu um beijo suave em meu rosto – Você será a mais linda de todas, tenho certeza.

Gill era muito gentil e estava me deixando toda derretida. – Você está muito elegante também. Adoro homens perfumados. – falei para ele encarando-o nos olhos. Mais uma vez senti meu rosto aquecer. A imagem de Gill como Jacob não sai da minha memória. Lembrei de seus beijos, seu abraço forte, ... Meu deus! Seria tudo isso real?

- Então, podemos ir? – disse Luana ao lado de Tomaz formando mais um casal deslumbrante. Era incrível como ele e ela combinavam tão bem.  

Gill me deu o braço me conduzindo até o elevador. Fomos seguidos por Luana e Tomaz. Chegando ao hall, John nos olhou com um sorriso nos lábios e com uma cara mais que satisfeita – Vocês serão os casais mais bonitos da festa, tenho certeza. – ele disse abrindo a porta para que pudéssemos ir em direção aos carros.

 – Oh, John, você é um amor. Que pena que não poderá ir esta noite. – eu disse abraçando-o. Ele só poderia ir na outra sessão, pois trabalhava hoje.

– Tudo bem, D. Flavia. Já estou feliz de poder assisti-los no teatro. Boa sorte lá.

Saímos os quatro juntos do edifício. Tomas Luana e iam dar carona para mais outro pessoal da companhia e eu fui de carro com Gill.

– Por favor, senhorita! – ele me disse abrindo a porta do carro para mim. Percebi que Gill estava muito feliz hoje.

– Obrigada, jovem cavalheiro. – respondi e entrei no carro me ajeitando no banco do carona.

- Flavinha, você está realmente muito linda. Me sinto honrado de estar levando você ao teatro para sua estreia. – Gill disse enquanto dirigia até o teatro.

– Imagina Gill. Você é que é muito gentil. – eu disse a ele tentando não demonstrar meu nervosismo.

– Sério, Flavinha. Já faz um tempo que venho tentando tomar coragem pra conversar com você e.... – ai meu deus, ia ser agora. Será que eu estaria preparada para o que ele ia me dizer? O carro se aproximou do teatro e os fotógrafos já estavam ocupando toda a rua. Uma multidão se aglomerava na frente do teatro e a cada pessoa que descia dos carros acontecia um festival de flash.
– Nossa! – eu disse interrompendo propositalmente Gill. Não era hora de conversar sobre o que ele estaria pensando. Minha cabeça estava a mil – Eu não imaginei que seria assim. – disse me assustando ainda mais com todo aquele movimento.

- Acho que a gente conversa depois.... – Gill disse parando o carro e me dando um sorriso sem graça. Ele saiu do carro e foi até a minha porta, abri-la. Quando eu sai do carro, foi um alvoroço de flashs e todos queriam tirar fotos minhas junto com Gill.

-Aqui, senhorita Flávia!

-Que casal mais lindo!

- Aqui desse lado!

Gill me puxou para perto dele, apertando minha cintura e aproximando-se de meu ouvido, sussurrando – Você tinha razão, somo um casal muito bonito – minha respiração parou e meu coração bateu mais que acelerado. Gill estava se revelando e eu nem sabia ainda o que eu queria fazer da minha vida. Virei para ele e nos olhamos nos olhos por um breve momento. Os flashs se intensificaram no exato momento em que nosso olhar estava preso um no outro e tínhamos um leve sorriso nos lábios. 

– Acho melhor eu entrar – eu disse me afastando dele e me ajeitando para entrar no teatro – Tenho que me concentrar – Gill pegou em minha mão e nós dois olhamos para esse gesto. Caminhamos pelo tapete vermelho até a entrada do teatro de mãos dadas.

- Estarei te esperando no final do espetáculo. Boa sorte, linda. – Gill sussurrou em meu ouvido me dando um beijo no rosto.

– Obrigada, lindo. Te encontro no final – nem eu acreditei que estava dizendo isso. Lindo e Linda? Eu e Gill seríamos um casal?

Entrei no corredor que dava nos camarins para me preparar para a peça. Minha cabeça estava borbulhando com tanta informação. Entrei no camarim e comecei a me concentrar. Agora eu seria Jéssica Stanley...

 Nota da autora:
N/A: Queeeeeente o início do capítulo! (Gezuis me abana!) Pena que era um sonho.... E quem nunca teve um sonho desse com Jake/Taylor???? Eu tive vááááááááááá rios..... Pois é, agora nossa heroína está confusa. Gill parece gostar dela. O que acham? Não se preocupem, ela logo, logo vai chegar em Taylor. Mas até lá, aproveitem cada partezinha. Beijos apertados e Abraços sufocantes. Flavinha





Fique por dentro das novidades e atualizações sobre suas fanfics favoritas, siga-nos nas redes sociais do Lautner Fanfics. 

Acesse nossa página no Facebook - clique aqui

Siga nosso Twitter - clique aqui

Em caso de dúvidas, pergunte em nossa Ask - clique aqui




Para voltar a página de sinopse e lista de capítulos - CLIQUE AQUI 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário! A sua opinião sobre as fanfics é muito importante para que os autores continuem escrevendo. Fale sobre o mais gostou, sobre o que espera ler nos capítulos seguintes. Comente sobre seus personagens favoritos e os que mais detesta. Não deixe de comentar, seja mais ativo e evite que as fanfics entrem em hiatos por desmotivação da autora em escrever. Não seja um leitores fantasma. Comente agora mesmo!

DEIXE SEU RECADO!

SITE DE NOTICIAS - TAYLOR LAUTNER MANIA