14 fevereiro 2014

Fanfiction: Bizarre love triangle – BLT – Capítulo 11



Fiquei ali olhando para o parque por um bom tempo. Minha cabeça estava confusa. Bem que minha mãe sempre me disse que era para eu aproveitar tudo que podia, antes de me prender a uma pessoa. Ela sabia o quanto pode ser difícil ficar dividida, já havia passado por isso quando era jovem. Eu sabia que ela não havia sido infeliz, mas sei que sentia um certo pesar quando falava de sua juventude. Principalmente depois que meu pai morreu.


Meu sentimento de agora não era tão forte, mas era estranho. Até o dia de hoje, há um ano, eu tinha certeza de que minha vida seria com Gill. Ele me completava, me satisfazia inteiramente. E de repente, em uma tarde, um sorriso colocou tudo isso em dúvida. Eu estava atraída por Robert, só não entendia como.

Fiquei ali em meus pensamentos quando senti o abraço forte de Gill por trás de meu corpo. - Em que você está pensando, linda? - ele me perguntou enquanto beijava e lambia meu pescoço. Gill sabia como me tirar do sério.

- Em nada de especial. - menti, tentando me concentrar somente nele e em seus carinhos.

- Se você soubesse o quanto eu te amo, Flavia. - e suas mãos percorreram meu corpo, como se estivessem decorando cada parte dele. Seu toque me fez parar de pensar em qualquer outra coisa que não fosse nele naquele momento. Ele sabia como me tocar e como me excitar.

Uma música começou a tocar na sala. Seu ritmo fazia com que nossos corpos se movimentassem sensualmente. Gill me apertava contra seu corpo de forma intensa e eu me esfregava nele mostrando todo meu desejo.

Gill me virou pra sua frente e me beijou calorosamente, devorando minha língua, apertando meu corpo contra o dele e mostrando toda sua excitação em me ter nos braços. - Seu perfume me embriaga, sua pele me enlouquece... hummm. - ele sussurrava em meu ouvido enquanto me lambia o pescoço e mordia o lóbulo de minha orelha. Eu não conseguia falar nada, apenas retribuía suas carícias.

O vento frio da noite batia na varanda e ao fundo podia se ouvir o barulho da noite em Nova Iorque. Nós estávamos ali, encostados na grade, sentindo toda a excitação do momento. O perigo de que alguém pudesse nos ver só nos excitava ainda mais.

Enquanto nos beijávamos, desci minha mão até seu membro duro, tirei-o de dentro da calça e apertei-o com vontade. Percebi que ele já estava usando camisinha e entendi que não sairíamos da varanda tão cedo. - Você já veio com segundas intenções. - falei sorrindo em seus lábios, puxando-o para mais um beijo ardente.

Nossas línguas dançavam em ritmo acelerado. Gill estava completamente excitado e isso me deixava ainda mais louca. Senti sua mão livre subindo meu vestido e seus dedos me penetrando. Arfei em sua boca. Gill separou do beijo, me olhou com loucura e disse:

- Goza pra mim, linda. - eu estava totalmente entregue a ele. Completamente molhada, seu dedo se movimentava dentro de mim com precisão e eu, instintivamente, mexia os quadris como se o estivesse guiando, gemendo em seu ouvido. Senti nessa hora minhas pernas falharem e deixei o prazer me invadir.




Joguei meu corpo para trás e Gill veio descendo até meus seios, tirando-os de dentro do vestido, beijando e mordendo cada parte deles. Sua mão tornou-se mais rápida quando ele sentiu meu corpo se arrepiar no momento em que seus dedos ainda me penetravam fundo. Ele aproveitou que eu estava sem fala e colocou outro dedo circulando meu clitóris. Nessa hora eu gemi.

Estava quase entregue a ele de novo quando me olhou sorrindo e do nada eu estava de costas pra ele, nem deu tempo de pensar em nada, ele já me penetrou por trás, me fazendo gemer alto. O mais alto até agora. Ele estava com seu corpo colado no meu e senti sua mão se enroscando por baixo de mim. Ele começou a me massagear no clitóris novamente. Ele me deixava louca e querendo cada vez mais.

- Ai Gill, eu vou ... eu... - disse gemendo enquanto me segurava com uma mão em seu pescoço e a outra me apoiava na grade da varanda. Nessa hora, nem eu nem Gill nos importávamos com nada. Pertencíamos um ao outro. Com uma mão ele me segurava pela cintura e com a outra me enlouquecia. Estávamos em um só movimento, éramos um só corpo.

- Vem comigo, linda. Junto comigo. - Gill gemeu em meu ouvido, mordendo minha orelha e eu não resisti. - Ahhhh. - soltei enquanto explodia em novas ondas de prazer. Pude ouvir Gill gemendo forte quando ele também chegou ao clímax e me apertou forte contra ele.

- Você é demais. Eu enlouqueço quando estou com você. - ele disse abraçando-se em mim, enquanto nossas respirações acalmavam-se.

Ainda ficamos abraçados por um momento, sentindo o vento que batia na varanda. Foi então que nos demos conta de onde estávamos e começamos a rir.
- Nossa, Gill! Ainda bem que é madrugada. Já pensou se alguém nos pega aqui na varanda desse jeito? - eu disse a ele, rindo, enquanto ajeitava meu vestido e o ajudava a se ajeitar. Entramos na sala novamente e nos sentamos no sofá, nos acalmando sem pressa.

- Sou louco por você, Flavinha. Eu sabia que você era perfeita desde a primeira vez que te vi. - Gill me disse enquanto me abraçava e beijava carinhosamente minha testa. - Nem sei o que seria de mim sem você em minha vida.

Senti aquele arrepio na espinha novamente. Gill estava depositando em mim uma responsabilidade que eu não sabia mais se poderia retribuir. Preferi apenas dizer a ele que também o amava, pois era verdade, e o peguei pela mão o levando até o quarto. Ali eu seria só dele e não pensaria em mais nada além disso...

oOo

Era mais um dia de entrevistas. Gill e eu fomos na frente do pessoal da companhia de teatro pois seríamos entrevistados antes. Como sempre, tive que me concentrar pra não avançar no pescoço de Amanda. Essa louca ainda iria me tirar do sério com essas provocações. Mais um pouco e ela se ofereceria para ir conosco no carro.

- Nem pense em convidar essa garota, Gill. Já chega ter que aturar as loucuras dela no teatro. - eu disse a ele muito irritada entrando no carro e tirando Gill de perto dela.

- Flavia, você às vezes exagera, sabe. - ele me disse rindo.

-Você presta muita atenção nela. - falei pra Gill no carro antes de chegar ao estúdio.


Sempre que Amanda falava alguma coisa Gill respondia e fazia-se de educado, mas isso já estava me deixando incomodada. Amanda resolvia falar com ele toda vez que estávamos perto e a cara dela dizia que era mais que uma simples conversa.

Fomos conversando durante o percurso e infelizmente o assunto era Amanda. Até nessas horas essa doida me atormentava.

- Para de ser paranoica Flavia. Só estou sendo educado. E ela sempre foi muito educada comigo também - Gill me respondeu enquanto me ajudava a sair do carro quando chegamos no estúdio.

Educada, sei... Eu bem sabia do que Amanda era capaz. Não ia deixar que ela me incomodasse, mas também não ia ficar bancando a trouxa. Sabia que mais cedo ou mais tarde ela iria aprontar.

Pra minha falta de sorte Amanda chegou junto conosco e já se colocou perto de Gill para entrarmos juntos.


Com o sucesso na Broadway, muitos programas de entrevistas nos chamavam sempre para falar sobre o espetáculo e aproveitavam para especular um pouco mais sobre minha vida com Gill. Todos queriam saber como estava minha carreira, novos possíveis projetos, meu sucesso repentino e como eu e Gill conseguíamos lidar com tudo isso sem nos abalar.



-Não é fácil, sabe. - eu disse ao entrevistador. - Até porque ele é um gato. - disse sorrindo e todos no estúdio riram. Olhei para Amanda e ela estava séria, me fuzilando com os olhos. Fiz que nem era comigo.


- Sabe Jonas - Gill disse em meio as risadas de todos - Devo dizer que namorar uma estrela da Broadway não é fácil realmente, mas namorar uma mulher como a Flavinha é mais difícil ainda. Ela é maravilhosa! Eu passo o tempo todo pensando: “Uau, como eu sou sortudo!”, e só agradeço por ela me querer a seu lado. - e ele me puxou para perto dele, envolvendo seu braço em minha cintura, e encostou a testa dele na minha, sorrindo junto comigo. - Eu te amo! - ainda deu tempo de sussurrar em meu ouvido.

- Ownnnnnnnnnn- foi o que se ouviu em todo o estúdio. Gill e eu éramos o casal preferido do momento. Gill me deu um selinho e me abraçou. Os aplausos vieram em seguida e nós nos viramos para todos ali, com sorrisos nos lábios.

- Pois é Gill - ouvimos Amanda dizer e eu fiquei séria olhando para ela - Sem dúvida você é muito sortudo. - todos aplaudiram de novo, mas ela não havia terminado com o veneno - Aproveite o momento. Nunca se sabe quando ele pode acabar. - todos riram achando que era uma piada, mas eu sabia que era um recado.

Amanda não se conformava com meu sucesso nem com meu namoro com Gill. Ela queria todas as glórias do teatro só para ela e estava decidida a tirá-lo de mim também. Durante as entrevista, tentou chamar o máximo de atenção para ela. Até se colocou na minha frente e tirou algumas fotos com Gill, só para me provocar.

Eu tentava me controlar ao máximo para não aceitar as provocações dela, mas tinha vezes que eu não me segurava.

- Será que dava pra você parar de falar com ela? - eu disse a Gill em um determinado momento me irritando pelo fato de ele e Amanda estarem de risinhos perto de mim.

- Ai Flavia, essa sua cisma já está ficando chata. - Gill disse parecendo meio aborrecido.

- Chato é você não perceber o veneno dessa garota. Já estou ficando incomodada com isso. - e me afastei dele indo para o outro lado do estúdio. Gill ficou me olhando com cara de quem tinha feito besteira e eu fiquei séria. Ele precisava ver que já estava demais essa coisa de Amanda grudada nele o tempo todo. E eu já estava perdendo meu sangue de barata.

A entrevista durou algumas horas e logo fomos liberados do estúdio. Parece que ainda gravariam alguns blocos sobre outros sucessos do cinema.

Ainda fiquei tirando algumas fotos depois do programa e Gill foi na frente buscar o carro. - Me espere aqui, ok? - ele disse e eu nem me virei para olhá-lo, apenas fiz que sim com a cabeça. Ainda estava chateada com ele.

Continuei no corredor, esperando, junto com Paolo e Richard que fotografavam juntos e foi ai que percebi a aproximação de alguém. Quando me virei, senti meu coração perder uma batida.

-Não é uma coincidência encontrá-la aqui? Estou me convencendo de que sou um homem de sorte mesmo. Que prazer revê-la Flavia!


- O-O-Oi, como vai Robert? - eu parecia uma doida gaguejando de novo daquele jeito. Por que esse homem me perturbava tanto? - Pensei que demoraria em te reencontrar. Você não estava no Canadá, filmando? - disse a ele tentando parecer o mais despreocupada possível. Sucessos do cinema, mas é claro! Eu e ele encenávamos em lugares diferentes a mesma história.




Robert continuou a conversa de modo despreocupado. Contou que estavam em Vancouver, mas que vieram para uma série de entrevistas e divulgações dos filmes. Disse que não estava sozinho, alguns outros atores vieram com ele pra essa divulgação. Ele me olhava dos pés a cabeça como se estivesse me filmando. Eu só conseguia sorrir e sentir meu coração bater descompassado.

-Cada vez que te vejo você está mais bonita. - ele disse me fazendo corar. Era oficial! Robert Pattinson mexia comigo, só não entendia como isso poderia acontecer assim, de forma tão inusitada. Eu tinha certeza que amava Gill. Tentei desconversar e fugir de seu olhar penetrante, mas Robert insistia em me prender com ele.

Eu estava procurando em minha mente uma desculpa para sair dali e ir ao encontro de Gill quando ele falou: -Você gostaria de conhecer uma amiga minha? - perguntou pegando em minha mão. Meu coração acelerou tanto nessa hora que não tive como disfarçar. Dava para ouvir as batidas a quilômetros. Robert olhou bem dentro dos meus olhos e deu seu sorriso de canto, baixando o olhar e me deixando completamente perturbada.

- Flavia? - ouvi a voz de Gill me chamando no mesmo momento em que Robert me segurava a mão. Puxei-a rapidamente de maneira infantil, como se estivesse fazendo algo errado e olhei para Robert que entendeu tudo.

Prontamente ele se colocou diferente a meu lado e eu sorri a ele agradecendo. Tudo aconteceu em uma fração de segundos que eu nem sei se Gill havia percebido.

Olhei para Gill e ele vinha caminhando pelo corredor com uma sorridente Amanda Beins ao lado dele. Seu sorriso era sarcástico, ela havia feito de propósito.


- Eu disse que a havia visto conversar com alguém no corredor. - ela disse com olhar mais inocente do mundo, mas não me enganava. Nojenta! Só para causar intriga. Olhei muito séria para ela e a vi sair de perto ainda sorrindo. Ela jogava sujo.

Um silêncio perturbador ficou no momento em que Gill e Robert se olharam de maneira séria. Eu estava ali no meio dos dois, muda, querendo sair correndo atrás de Amanda e arrancar os cabelos dela. Foi Robert quem acabou com o climão...

-Acho que ainda não nos conhecemos. Sou Robert Pattinson. - ele disse estendendo a mão para Gill, educadamente. Agradeci em meus pensamentos por ele ser tão discreto, só não saberia como concertar tudo isso depois. Eu não havia dito a ele que era comprometida. Mas será que ele não sabia?


-Prazer. - disse Gill firme, apertando a mão dele. - Gill Davis. Você já se conheciam? - Gill perguntou nos olhando de forma suspeita. Eu congelei por um momento, parecia uma criança acuada. Por que será que eu estava tão perturbada? Não consegui dizer nada, apenas olhei para Gill e esperei para ver o que aconteceria.

-Tive o prazer de conhecê-la agora, não pude deixar de ver o bloco que vocês gravaram antes. É uma mulher talentosa sua namorada. Parabéns! - olhei assustada para Robert. Então ele já sabia! Tudo estava ficando muito estranho naquele momento. Não via a hora de sair dali e desaparecer. Gill, ainda com uma cara muito suspeita me abraçou pela cintura.

-A melhor de todas! - ele disse me dando um beijo no rosto. - Mas nos desculpe, já estávamos de saída. Foi um prazer conhecê-lo.

Gill estendeu novamente a mão para Robert, apertou e saiu pelo corredor comigo abraçada. Ele nem deu tempo para que eu pudesse me despedir de Robert, apenas sorri para ele e sai sendo levada por Gill que me abraçava de forma possessiva.

Eu ainda estava meio tonta com tudo aquilo quando ouvi Gill falar: - Esses caras são piores do que eu pensei. Foi só te deixar um segundo sozinha que ele já se aproveitou. Foi sorte Amanda me avisar que você estava ali. - ele me disse na volta para casa dentro do carro.

- Amanda de novo? - eu disse a ele e fiquei séria. Então foi ela! Cachorra! Sabia que tinha dedo dela nessa história. Ela deve ter feito de propósito, para que eu e Gill brigássemos.

Mas eu não ia dar esse prazer a ela. Continuei na minha até chegar em casa. Sorte minha Robert ser um gentleman, senão ela teria conseguido. Argh!

Gill e eu entramos em casa e não tocamos mais no assunto. Deixei essa passar sem discussão, pois não queria chamar atenção para a situação. Mas eu daria o troco. Amanda não sairia impune dessa, nem que eu tivesse que acionar minha arma secreta, Luana.



Fique por dentro das novidades e atualizações sobre suas fanfics favoritas, siga-nos nas redes sociais do Lautner Fanfics. 

Acesse nossa página no Facebook - clique aqui

Siga nosso Twitter - clique aqui

Em caso de dúvidas, pergunte em nossa Ask - clique aqui

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário! A sua opinião sobre as fanfics é muito importante para que os autores continuem escrevendo. Fale sobre o mais gostou, sobre o que espera ler nos capítulos seguintes. Comente sobre seus personagens favoritos e os que mais detesta. Não deixe de comentar, seja mais ativo e evite que as fanfics entrem em hiatos por desmotivação da autora em escrever. Não seja um leitores fantasma. Comente agora mesmo!

DEIXE SEU RECADO!

SITE DE NOTICIAS - TAYLOR LAUTNER MANIA