01 fevereiro 2014

Fanfiction: "Um amor maior que eu" - Capítulo 29: U Smile


Texto/Fic: @Rafaela_Vargaas
Beta: Letícia Monteiro
Ilustrações/Gifs: @Rafaela_Vargaas
Música Tema: U Smile - Justin Bieber





Eu não sabia ao certo se eu estava tendo apenas mais um de meus devaneios ou se era tudo real. Tudo em minha volta se silenciou, parecia não ter mais ninguém no local.
O rosto jovem da mulher a minha frente era simpático, mas ao mesmo tempo confuso, porém eu a conhecia e nunca imaginei que aquilo pudesse acontecer algum dia.  Balancei minha cabeça para tentar desfazer aquela imagem e enxergar o verdadeiro rosto da pessoa que estava em minha frente, mas nada mudou. O rosto dela continuou ali, exatamente da mesma maneira.

Eu conseguia sentir meu coração bater descontroladamente em meu peito. Podia sentir minhas pernas gelarem e adormecerem, meus dedos das minhas mãos estavam gélidos, mas soadas. Senti um nó forte em minha garganta, impossibilitando-me de falar algo e até mesmo de respirar.
Aquela não podia ser a pessoa que eu estava imaginando, não podia. O que ela faria ali? Ela nem sabia da minha existência e certamente nunca tinha ido ali.
Encarei-a por mais alguns segundos, focando em seus familiares olhos castanhos iguais aos do homem que eu amo, e aqueles olhos não me enganavam, era ela.
- O que esta fazendo aqui mãe? –Perguntou Makena se aproximando, eu pude sentir o nervosismo em sua voz, mesmo sem enxerga-la.
- Quando te deixei aqui, eu lhe disse que iria te ligar e você esqueceu o celular no banco do carro, então não pude te esperar na frente do Hotel. – Disse ela, com a voz mais suave possível. – Olá, meu nome é Deborah! –Disse ela, por fim olhando-me e sorrindo.
- M...Me...Meu nome é...- Gaguejei estendendo a mão para cumprimenta-la, mas Makena nos interrompeu.
- Vamos mamãe, já esta tarde. – Disse Makena passando a mão nos cabelos – Obrigada pela tarde. –Disse ela dando um beijo em meu rosto – Foi um prazer te conhecer, Liam! – Finalizou acenando para ele, que ainda estava sentado no chão da sala.
Vi que Deborah estreitou os olhos ao ver o nervosismo da filha, mas ela não a questionou, apenas sorriu e disse um “prazer em conhecê-la” ao  apertar  minha mão e logo sumindo de minha visão, juntamente com Makena, que agora tinha os passos pesados.
Continuei parada no mesmo lugar, usando a porta que ainda estava aberta como apoio. Eu simplesmente não conseguia sentir as minhas pernas e não consegui me mover nem se quer um centímetro. Eu estava com um de meus braços apoiados na porta e meu rosto estava sobre ele. Eu estava sentindo uma umidade em meu rosto, mas ignorei. Eu estava sonhando? É isso?
- Você esta bem? –Cochichou Liam, tirando meus cabelos da frente do meu rosto para me ver.
Eu tentei responder, mas o nó forte em minha garganta ainda me impedia. Eu nunca senti meu corpo tão incontrolável como agora.  Eu só conseguia sentir meu corpo soando frio, e isso me assustava.
- Lice? –Chamou-me Liam.
Fechei meus olhos, apertei minhas mãos o máximo que pude e inclinei minha cabeça para trás, sentindo tudo em minha volta girar, mesmo sem abrir os olhos.
- E... Eu preciso de...a...ajuda... –Gaguejei quase sem voz.
- Acalme-se e respire! –Apavorou-se Liam.
Senti suas mãos passarem por minha cintura e em questão de segundos, eu já estava com os pés fora do chão e em seus braços, eles estavam quentes perto de minha pele gelada. Apertei meus braços em seu pescoço e enterrei meu rosto em seu peito, puxei lentamente o ar, sentindo seu doce cheiro.
Momentos depois senti o meu corpo pousar em cima de algo macio e logo deduzi que era minha cama.
- Volto já, não se mova! –Disse Liam em meu ouvido.
Tentei concordar balançando a cabeça, mas não sei se foi o suficiente pra ele ver.
Minha respiração foi voltando ao normal aos poucos. Minha pele estava voltando à temperatura normal e meu corpo quase não tremia. Isso me acalmou um pouco.
Minha visão ainda estava fraca, mas foi o suficiente pra enxergar os cabelos loiros de Liam em minha frente.
Senti sua mão mais uma vez em minha cintura, segurando-me e sentando-me na cama. Fechei meus olhos e tentei respirar calmamente. As mãos de Liam foram para baixo de meu queixo e ele colocou algo em minha boca, o que depois eu distingui como um copo com algum líquido doce dentro.
- O que é isso? –Falei abrindo meus olhos assim que terminei de tomar todo o líquido doce e o vi sentando-se ao meu lado.
Água com açúcar. –Disse ele.
- Não precisava disso. Estou melhor. –Falei sorrindo.
- O que aconteceu? Quem era ela? –Questionou-me.
- Era a Deborah... –Falei tomando ar – Ela é a mãe de Taylor... –Continuei.
- Esse foi o motivo de você quase ter desmaiado? – Revirou os olhos.
Levantei uma sobrancelha e fiquei encarando-o. Sua face outrora doce, agora estava franzida e apesar de seus olhos estarem em mim, eu sabia que ele estava distante.
- O que houve? –Perguntei confusa.
- Nada... –Disse ele com certa amargura, virando-se e indo em direção à porta.
- Liam... Não vá! Fique aqui! –Pedi.
- Espero que não desmaie de novo – Disse ele sarcástico.
- O que esta acontecendo, Liam? –Perguntei apoiando-me na cama e ficando de pé.
- Esta acontecendo que... –Disse ele virando-se, mas por algum motivo seus olhos arregalaram-se e ele veio correndo em minha direção – Não fique em pé! Repouse! –Disse ele segurando-me e me colocando na cama.
- Então fique aqui comigo! –Pedi mais uma vez, segurando sua mão – O que esta acontecendo? –Perguntei assim que ele se sentou ao meu lado na cama.
- Eu sou um idiota, não liga...
- Não, você não é um idiota. –Discordei.
Vi seu olhar abaixar e sua boca retorcer para o lado.
Eu nunca tinha visto Liam daquela maneira e eu daria tudo para saber o que estava acontecendo. Ele ficou estranho de repente, e ele não é assim.
Eu não disse mais nada, apenas entrelacei meus dedos aos dele e repousei meu rosto em seu peito macio. Eu me senti desconfortável ao pensar que ele não queria que eu fizesse aquilo, mas aliviei-me quando senti seu queixo em minha cabeça e sua outra mão massageando meus cabelos.
Liam era o melhor amigo de todos os melhores amigos do Mundo. Ele era simplesmente o meu refúgio naquele lugar cheio de arranha-céus e era ele quem estava me ajudando a recuperar tudo o que perdi. Ele era perfeito. Mas algo estava fazendo-me ficar estranha perto dele, eu não sei. É estranho pensar que algo poderia dar errado.
Ele é lindo e isso eu não posso negar, mas parece que tem algum imã que me puxa até ele, me faz olhar automaticamente para seus lábios e querer beija-los, mas quando eu imagino a cena eu me sinto estranha, apesar de querer. Mas isso seria errado, isso não é o tipo de coisa que se faz com um melhor amigo.
Eu senti o peito de Liam parar de se mexer de acordo com sua respiração e meus devaneios sumiram. Abri meus olhos e olhei direto para seu rosto. Ele estava com os olhos fixos na porta, sua boca estava aberta e sua sobrancelha estava levantada.
Movi minha cabeça lentamente temendo pela figura que podia estar ali, e sim, era ele.
- O que tá acontecendo aqui? –Disse Miguel adentrando o quarto – Essa casa esta uma zona! –Continuou
- Estamos cansados, já vou começar a limpeza. –Falei levantando-me e indo em direção à porta.
- Por que a pressa? –Disse ele fazendo-me parar.
- Que? –Perguntei, já com medo do que ele falaria.
- A Val vai passar a véspera de Natal conosco, e ela mandou lhe avisar que ela quer que você vá com ela à loja amanhã pra comprar os presentes... –Disse ele.
- Tudo bem. Era só? – Perguntei ainda confusa.
- Sim... –Respondeu-me.
- Liam, vem comigo. –Falei, evitando deixa-lo sozinho com Miguel.
- Eu levei um susto dele, achei que ele iria avançar em nós. – Cochichou Liam.
- Miguel tomou alguma poção que o deixou calmo, isso foi bom. –Sorri.
Eu e Liam dividimos as tarefas para terminar tudo mais rápido. Ele insistiu em que eu fizesse a parte mais fácil – eu insisti pra fazer o mais difícil, mas ele me impediu, parecendo meu pai – em menos de meia minha parte já estava quase pronta, faltando apenas levar o saco de lixo na lixeira da rua.
Peguei o saco – que estava meio pesado – e optei por descer pelas escadas do Hotel, para ninguém me ver com aquele saco de lixo. Quando cheguei lá, larguei o saco na lixeira e assim que me virei senti a mão de alguém em meu ombro, fazendo-me parar.
Fechei meus olhos e mordi meus lábios, com medo de ser a pessoa que eu mais temia no momento. Puxei lentamente meu ar e senti o cheiro do perfume doce. Não era o cheiro do meu amor, mas sim, de Val.
- Que susto mulher! –Falei abrindo meus olhos e sorrindo.
- Como foi à tarde? –Perguntou-me ela, gesticulando para que eu a acompanhasse.
- Foi boa, mas... –Falei, mas travei quando me lembrei de quem eu vi.
- Mas...? –Insistiu Val.
- Mas a De... Deborah esteve a... aqui –Gaguejei.
- O que? –Gritou ela.
- Shiu!
- Mas como assim? O que ela queria? Como você se sentiu? –Questionou-me.
- Makena tinha esquecido o celular dela no banco do carro e ela foi busca-la, eu fiquei mal, muito mal. - Falei.
-Ela sabe quem é você?
- Eu não sei. Quando fui me apresentar para ela a Makes nos interrompeu e saiu de lá o mais rápido possível... Será que ela não sabe que eu saia com o Taylor? –Falei, parando na frente da porta do elevador.
- Posso ser bem sincera? – Disse-me ela, e eu sabia que quando ela iria falar com sinceridade eu podia me preparar.
- Pode...
- Eu sempre torci por você e o Taylor e gostei de saber da novidade, mas ele te deixou, não corra mais atrás, espere ele vir... –Disse ela pegando na minha mão e me levando para dentro do elevador – E eu acho o Liam um gatinho e ele parece gostar de você, ele esta solteiro...
- Val, ele é meu melhor amigo, e ele não esta apaixonado por mim! –Falei interrompendo-a.
- Eu sei disso, mas quem disse que melhores amigos não se apaixonam por melhores amigos?
- Val... Não me deixe ainda mais confusa... Liam é meu melhor amigo, não quero estragar nada entre nós... –Falei abaixando o olhar.
- Só o ame e não o machuque, de forma alguma. –Disse-me ela olhando em meus olhos.
- Por que você esta dizendo isso? –Perguntei, retribuindo o olhar.
- Por que ele é um bom menino, e meu terceiro olho não falha quando se trata de amor no ar. Ontem mesmo eu o vi te olhando enquanto você estava arrumando sua cama, o olhar dele era protetor, de quem ama de verdade. –Disse-me ela.
- Acho que você esta viajando de mais... Liam não se apaixonaria por mim, olha pra mim! –Falei quase gritando.
- Siga o seu coração! –Finalizou ela, entregando-me um beijo no rosto.
Eu não disse nada, apenas refleti sobre o que ela me disse do caminho do elevador até a porta de entrada do apartamento.
Entrei no apartamento e vi Liam de costas lavando a louça. Eu não sabia o que sentia quando olhava para ele, eu só sabia que não era a mesma coisa de quando eu era pequena e brincava com ele.
O seu jeito era tão meigo e tão protetor que eu podia me sentir segura com ele mesmo em uma guerra e sem nenhuma proteção, apenas olhando em seus olhos. Eu seria capaz de qualquer coisa quando estava com ele, ele era meu porto seguro, meu melhor e inseparável amigo.
Mas uma melhor amiga sente vontade de beijar o melhor amigo? Eu acho que não, isso estava errado, completamente errado.
Eu não sabia por quando tempo eu estava olhando para ele, e só percebi quando olhei para o olhar desconfiado de Val. Pisquei algumas vezes e tomei coragem para ir até ele.
Quando cheguei perto o suficiente, eu o abracei por trás, sentindo seu doce e viciante perfume. Ele tinha uma graciosidade até ao lavar a louça, ele era completamente delicado e frágil, apesar de seus músculos ele parecia que podia quebrar a qualquer momento.
- Esta cansado? –Perguntei ainda abraçada a ele.
- Não, você esta? –Perguntou-me ele, enxaguando o ultimo prato da louca que ele estava lavando.
- Não, não estou. –Falei saindo do abraço e dando espaço para ele se mover – Hã... Eu estava pensando aqui... Nós podíamos ver um filme hoje, o que acha? – Gaguejei.
- Claro! –Disse ele virando-se para mim e sorrindo.
Quando ele moveu aqueles lábios grossos e rosados, formando um sorriso eu senti o meu corpo inteiro queimar. Os olhos azuis dele penetraram minha alma, e sua pele branca feita à neve me chamava para tocá-la. Ele era completamente lindo, sem nenhum defeito.
- Você é... –Falei deslumbrada, mas travei quando percebi que ia falar de mais.
- Sou? – Perguntou-me ele.
- O melhor amigo que eu poderia imaginar... –Improvisei, tentando sair de meus devaneios – Vem, vamos escolher um filme – Continuei, pegando a mão dele e correndo até o meu quarto.
Quando entramos, eu o vi cair em cima da minha cama, fazendo seus cabelos dourados voarem. Fui até a minha escrivaninha e peguei a caixa de filmes e pude jurar que eu sentia o olhar de Liam sobre mim.
Sorri comigo mesma por minha viajem ao mundo de fantasias. Onde já se viu se apaixonar pelo melhor amigo? Sorri ainda mais com minha pergunta tola que surgiu em minha cabeça.
- O que foi? – Perguntou-me Liam, com sua voz doce e aconchegante.
- Nada não –Sorri – Vamos escolher o filme para hoje à noite – Finalizei sentando-me ao seu lado na cama, abrindo a caixa de filmes.
- Gosto desse –Disse Liam pegando o filme “Um amor para recordar” nas mãos.
Aquele título fez-me ter flashbacks nada legais. Imediatamente lembrei-me como eu e Taylor nos encontramos na livraria. Eu estava com o livro “Um amor para recordar” em minhas mãos e a primeira coisa que Taylor fez foi elogiar o livro. Por mais tolo que poderia ser, eu senti saudades de vê-lo em minha frente.
- Se não quiser assistir esse não tem problema, podemos assistir outro, talvez um de terror... –Disse Liam, percebendo minha tensão.
- Não... –Falei encostando-se a sua mão numa tentativa de não deixa-lo colocar dentro da caixa.
Apesar de eu e Liam estarmos abraçados há alguns minutos atrás, aquele toque foi diferente.
Parecia que um choque nos percorreu assim que eu encostei-o. Sua mão macia e quente fez-me querer nunca mais solta-lo.
Quando eu ergui meu olhar, nossos rostos estavam próximos de mais. Eu podia sentir a sua respiração ofegante em meu rosto e podia sentir o aroma de seu perfume agora mais forte. Seus lábios estavam completamente tensos e ele me olhava com aqueles olhos azuis penetrantes. Eu não sei o porquê e nem como, mas mais uma vez aquela onda de calor percorreu minha espinha fazendo-me ter mais um daqueles meus impulsos – que sempre faziam me dar mal no final das contas – eu levei minha cabeça para frente quando vi que ele também estava movendo seu rosto em minha direção.
Seus lábios já estavam perto de mais dos meus. Meu coração dava pulos que parecia que a qualquer momento iria sair pela minha boca. Meus dedos apertavam o lençol de minha cama. Minhas pernas estavam paralisadas. No meu estômago pareciam ter mais de um milhão de borboletas. Eu não sabia se aquilo seria certo, apenas fechei meus olhos e respirei fundo, querendo poder pensar duas vezes antes de fazer o que eu estava prestes a acontecer. 


Para ler todos os capítulos - Clique aqui

3 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Gostei..
    A historia dela e de liam lembra muito a letra dessa musica. Muito mesmo.
    http://m.vagalume.com.br/evan-taubenfeld/best-years-of-our-lives-feat-avril-lavigne-traducao.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Chorei com essa música :'( Nossa, realmente lembra muito dos dois, amei ela, vou colocar ela num capítulo da Fic hahaha Obrigado pela dica!

      Excluir

Deixe seu comentário! A sua opinião sobre as fanfics é muito importante para que os autores continuem escrevendo. Fale sobre o mais gostou, sobre o que espera ler nos capítulos seguintes. Comente sobre seus personagens favoritos e os que mais detesta. Não deixe de comentar, seja mais ativo e evite que as fanfics entrem em hiatos por desmotivação da autora em escrever. Não seja um leitores fantasma. Comente agora mesmo!

DEIXE SEU RECADO!

SITE DE NOTICIAS - TAYLOR LAUTNER MANIA