15 março 2014

Fanfiction: Um amor maior que eu - Capítulo 34: Roses


Capa: Érica Rocha
Texto/Fic: @Rafaela_Vargaas
Beta: Letícia Monteiro
Música Tema: Miles - Christina Perri 


De acordo com que meus olhos iam abrindo, uma claridade intensa me fez finalmente acordar.  Já era dia. Quando meus olhos já estavam acostumados com a claridade, eu consegui enxergar o braço de Liam fazendo a volta em minha cintura. Levantei meu olhar e pude ter a maravilhosa visão de Liam dormindo feito uma criança. Sua respiração estava suave e eu podia sentir o martelar de seu coração batendo em minhas costas. Reparei que nossas mãos ainda estavam
juntas, permanecemos exatamente do mesmo jeito quando deitamos para dormir na noite passada. A lembrança da noite passada veio em forma de flashbacks e me fez lembrar que meus familiares ainda estavam no apartamento e que eu havia prometido para meu pai que eu e Liam iriamos dormir em sofás separados. Sentei-me com cuidado no sofá para não acorda-lo. Desentrelacei nossas mãos e pus a mão de Liam em cima de sua barriga, deixando-o de forma confortável.
Vê-lo dormindo tão inocentemente fez-me ter vontade de repetir o beijo da noite passada, mas me contive assim que percebi que meu corpo estava se movendo involuntariamente em sua direção. Balancei minha cabeça e fiquei de pé. Contei até três antes de me dirigir até o meu quarto, onde meus pais estavam dormindo.  Caminhei desatentamente pela casa, passando pelo corredor e finalmente chegando ao meu quarto, abri a porta e vi a minha cama já arrumada.
O palpitar de meu coração começou a ficar acelerado enquanto eu entrava no quarto e via tudo arrumado, da mesma maneira como encontraram. Mas me acalmei assim que vi as malas de meus pais em cima de minha escrivaninha e um bilhete escrito: “Fomos fazer nossa corrida matinal na praça da outra quadra, voltaremos antes do meio dia.”.
Alivie-me e fiquei feliz em saber que meus pais voltaram a fazer suas corridas matinais. Um pouco antes de eu vir para Nova York eles haviam cessado as corridas, pois o trabalho e as horas extras ocupavam muito o dia deles. Sorri comigo mesma ao saber que meus pais voltaram a fazer suas atividades antigas, as quais eles adoravam praticar.
Coloquei o bilhete em cima da escrivaninha e fui até meu guarda-roupa. Hoje era dia 25 de dezembro, era natal. Optei por colocar um vestido florido, já que o dia estava ensolarado e provavelmente eu sairia com meus familiares no decorrer do dia. Fui até o banheiro e entrei em baixo do chuveiro na água fria. Apenas esfriei minha cabeça, e não fiz nada a mais do que apenas cantarolar em baixo do chuveiro. Fiquei fazendo sons instrumentais durante o meu banho inteiro, e nem se quer percebi isso. Depois de mais ou menos 30 min em baixo do chuveiro frio, desliguei-o, me vesti e fiz minha higiene matinal. Aproveitei que Emile estava no mesmo Hotel que eu e resolvi esperar ela chegar ao apartamento para me maquiar.
Era difícil pensar que aquele apartamento que eu estava agora, era meu. Eu ainda não aceitava o fato de Miguel querer me dar o apartamento e não querer vende-lo para alguém. Parecia ainda mais difícil aceitar o fato de que Miguel e Val se casariam em breve. Eu sabia que Miguel estaria em boas mãos, assim como Val estaria, mas eles eram novos demais para resolver se casarem tão precipitadamente e ainda saírem do apartamento na semana que vem. Mas infelizmente minha opinião não faria os dois mudarem de ideia, então resolvi ficar calada e apenas apoiar o casamento dos dois, mesmo sabendo que não seria uma boa ideia.
Escutei o ranger da porta de entrada, o que fez cessar meus devaneios. Abri a porta do banheiro com cuidado, para não acordar Liam, mas parecia que ele já fora acordado por alguém, já que o ouvi resmungando algo ainda deitado no sofá. Quando fiquei num angulo que eu conseguia enxergar a sala e a cozinha, avistei uma figura pequena, de cabelos escuros andando pela casa. Mesmo ela estando de costas, era perceptível que se tratava de Érica Evans. Ela estava caminhando lentamente no meio da cozinha, analisando todos os objetos que continham nela.
- Bom dia. – Sorri.
- Bom dia. – Disse Érica sorrindo e virando-se para mim assim que escutou minha voz.
- Acorda Liam, deixa de ser preguiçoso seu alemão azedo. – Gritou Érica, agora sua gargalhada era quase tão alta quanto a sua voz.
Gargalhei junto com ela e revirei meus olhos em ato de zoação.
- Você não presta. – Falei entre a gargalhada.
Érica não se conteve e curvou seu corpo perto da pia, apoiando sua cabeça em seus braços e trazendo a tona sua gargalhada alta e engraçada, parecendo acordar a vizinhança inteira.
Sorri junto com ela e me direcionei até Liam, que por sua vez estava com a coberta toda por cima de sua cabeça, impossibilitando-me de enxergar alguma parte de seu rosto. Sentei-me ao lado dele e fiquei parada, sorrindo enquanto via-o baixando a coberta lentamente, deixando-me ver seu rosto.
- Bom dia bela adormecida. – Provoquei-o.
- Da ultima vez que você disse isso você viu o que te aconteceu, né? – Falou ele sorrindo, fazendo-me lembrar das cocegas que ele fez em mim pela manhã de alguns dias atrás.
- Hum, o que você fez com ela Senhor Liam? – O tom de sarcasmo na voz de Érica agora era mais agudo do que nunca.
- Ele fez cocegas em mim. – Dei de ombros, gargalhando logo em seguida.
- Aham “cocegas”. – Disse ela, fazendo aspas enquanto dizia a palavra cocegas.
- Vai se catar sua anã. – Gargalhou Liam.
- Eu não tenho culpa se você fez cocegas nela, seu pervertido. – Provocou ela.
- Cala a boca Érica. – Gargalhei.
- Vocês são chatos! – Ela disse revirando os olhos – Vocês podem me emprestar o banheiro para eu tomar uma ducha, ou vocês vão usa-lo para farem cocegas um no outro?
Gargalhei e abanei minhas mãos no ar, gesticulando para ela ir. Era bom acordar com o sarcasmo de Érica logo pela manhã. Ela sempre foi assim, desde o ventre de sua mãe.
Dois minutos depois que Érica entrou no banheiro, senti a mão de Liam em meu braço, fazendo-me arrepiar. Eu estava sentada ao seu lado e com o rosto virado para onde Érica tinha ido, então eu não conseguia enxergar a face de Liam, mas eu podia imagina-la perfeitamente.
- Dormiu bem? – Perguntou-me ele.
- Melhor do que nunca. – Respondi, ainda sem olhar para ele – E você?
- Dormi com o meu Mundo em meus braços, e com certeza isso foi maravilhoso. – Respondeu-me ele.
Assim que sua voz melancólica chegou a meus ouvidos, com aquelas doces palavras, meu coração não fez nada mais do que acelerar-se e meu corpo não fez nada mais do que movimentar-se involuntariamente, fazendo-me enxerga-lo.
Seus olhos azuis penetravam minha alma e sua boca carnuda e rosada parecia ter criado vida própria e começado a me chamar sem parar. Em questão de segundos, meus lábios já estavam sendo dominados pelos lábios de Liam.
Eu não conseguia achar outra palavra para descrevê-lo, sem ser a palavra “surreal”. A mão de Liam correu de minhas costas até minha cintura, puxando-me para ele, fazendo-me deitar sobre seu peito. Entreguei-me completamente a ele, e deixei seus lábios me dominarem por completo. Levei uma de minhas mãos até seus cabelos e acariciei-os suavemente, sentindo a maciez de seus cabelos dourados.
- Depois eu que sou a pervertida. – Escutei a voz de Érica ecoar pelo apartamento, me fazendo separar nossos lábios e ficar sentada novamente.
- E depois nós é que somos os chatos. – Ironizou Liam.
- Vou... Vou preparar o almoço. – Gaguejei indo em direção à cozinha.
- Você não ia tomar banho Érica? – Pude escutar Liam perguntando para Érica.
- Eu ia, mas minhas roupas estão no apartamento do lado. – Disse.
- Então vaza! – Falou Liam gargalhando.
- Eu voltarei. – Disse Érica.
Escutei o barulho da porta sendo fechada. Eu me sentia envergonhada por beijar o irmão de Érica na frente dela, parece que eu tinha ficado com trauma de beija-lo na frente de alguém. Tentei manter a calma enquanto eu abria a geladeira e tirava a massa que Val deixara lá dentro para preparar o almoço.
- Parece que teremos macarronada. – Disse Liam.
- Teremos. – Respondi.
Eu estava de costas para Liam, então eu não havia o visto levantar. Apenas senti seus braços fazerem a volta ao redor de mim, abraçando-me por trás. Soltei tudo o que eu estava fazendo e virei-me para Liam, coloquei minhas mãos em seu pescoço e beijei-o novamente, continuando da parte em que paramos.
As mãos dele massageavam minhas costas, levando seus dedos para cima e para baixo, fazendo-me relaxar. Eu não queria mais separar nossos lábios, mas me obriguei ao ver a água transbordar pela panela que estava no fogo.
Corri até o fogão e baixei o fogo, logo em seguida coloquei a massa no fogo e virei-me para Liam. Até então, eu não tinha visto o que ele vestia, mas perdi o ar assim que vi. Ele estava com uma regata cinza que definia muito bem seus músculos, e ele estava apenas de cueca boxer! Percebi que estava mordendo os lábios enquanto varria meu olhar por todo ele, mas parei assim que vi que ele estava sorrindo.
- Vá se vestir! – Ordenei-o balançando a cabeça e virando-me novamente para a pia, ficando de costas para ele. – Daqui a pouco todos já estão de volta.
- O.k madame, estou indo. – Disse ele – Não que eu não me sinta desejado com esse traje. – Provocou ele gargalhando.
Gargalhei junto com ele. Era bom conhecer esse lado divertido de Liam e o lado romântico também. Eu estava feliz em achar alguém que estava me fazendo bem apenas ficando ao meu lado. O beijo que dei em Liam não era planejado, apenas aconteceu, e isso foi bom, pois eu pude ouvir meu coração pelo menos uma vez na vida!
- Não vai atender a porta? – Gritou Liam do banheiro, fazendo-me dar um pulo.
A campainha estava tocando freneticamente, e só quando Liam gritou eu pude ouvir. Lavei minhas mãos rapidamente e peguei o pano de louça, corri até a porta ainda com o pano em minhas mãos.
Abri a porta num rompante e do lado de fora havia um moço alto, de terno preto que estava segurando rosas vermelhas. O rosto desenhado e o corpo magrelo do homem eram pálidos, parecendo que ele não havia tomado sol por um bom tempo. Encarei-o por alguns instantes até o rapaz quebrar o silencio:
- Alice Araújo? – Perguntou ele.
- Sou eu. – Falei confusa.
- Essas rosas são para você. – Disse ele estendendo as rosas para mim.
Não disse nada, apenas estendi minhas mãos para pega-las. Franzi o cenho e continuei encarando-o.
- Ah, e esse cartãozinho. – Falou ele atrapalhado, puxando o cartão do seu bolso do terno e entregando-me.
- Hã... Obrigada. – Agradeci-o.
Fechei a porta assim que o homem virou-se para ir embora. Tentei manter minha respiração normalmente e continuei encarando as rosas. Colei o buque de rosas em uma das mãos e com a outra, abri o cartãozinho, que mais era um papel mal recortado de alguma página de livro.
“Uma rosa branca no meio de várias vermelhas...”.
E a bendita frase que eu mais temia, estava lá! As lembranças voltaram até minha mente, fazendo os moveis do apartamento ao meu redor serem substituídos pelo corredor do hotel Fasano do Rio De Janeiro, onde Taylor havia me dito aquela frase, que ele a usou por um bom tempo antes de me deixar. Parecia que eu havia tomado uma facada em meu peito.
Como Taylor podia ser tão sem coração até esse ponto? Afinal, o que ele queria mais de mim? Tudo que ele queria ele já havia retirado!
Com as pernas tremulas, fui até o sofá e sentei-me, colocando as rosas ao meu lado. Eu as analisei e não vi rosa branca nenhuma ali no meio. Peguei o cartãozinho e o segurei em minhas mãos. O papel parecia ter sido recortado com as próprias mãos, deixando-o aleatoriamente torto nas beiradas. Virei-o e pude ler nitidamente o nome “UM AMOR PARA RECORDAR”, o qual ficava escrito em cima de todas as paginas do livro. No canto inferior do papel, estava escrito: “03:00 PM”. Por que diabos Taylor colocaria um horário no canto do papel?
Fiquei refletindo por alguns segundos e a resposta veio de imediato. Eu havia reencontrado Taylor na livraria onde eu comprara o livro “Um amor para recordar”; e o horário que Taylor havia escrito, era o qual eu deveria ir até lá.
E o ódio e o nojo haviam sumido de dentro de mim, assim como tudo o que eu havia dado como certeza. Eu nunca pensei que Taylor fosse novamente capaz de me fazer ir até ele, mas infelizmente o bendito homem iria conseguir o que queria!

Para ler todos os capítulos - Clique aqui

2 comentários:

  1. Respostas
    1. Aaawn, fico feliz que tenha gostado! Teremos mais e mais no sábado que vem hahahah, obrigado pelo carinho!

      Excluir

Deixe seu comentário! A sua opinião sobre as fanfics é muito importante para que os autores continuem escrevendo. Fale sobre o mais gostou, sobre o que espera ler nos capítulos seguintes. Comente sobre seus personagens favoritos e os que mais detesta. Não deixe de comentar, seja mais ativo e evite que as fanfics entrem em hiatos por desmotivação da autora em escrever. Não seja um leitores fantasma. Comente agora mesmo!

DEIXE SEU RECADO!

SITE DE NOTICIAS - TAYLOR LAUTNER MANIA