04 agosto 2014

Fanfiction: A viagem - 4 Cap. Amor a primeira vista

Capa/Designer: @jessica_keli TLM
Fic/TextoLela Matuskellah.

~ Pov de Henrique ~


Desde que meu pai se casou novamente eu ouço falar da filha da Nanda. E quando eu vi uma foto foi amor a 1ª vista. As outras garotas não existiam pra mim, e sempre que dava eu perguntava a Nanda se sua filha é legal, do que ela gosta, com certeza Nanda notou o meu interesse, mas não comentou nada.

Quando eu soube que ela viria morar com a gente quase pirei. Só de pensar que finalmente eu iria conhecê-la, isso me deixava louco. Eu sabia que teria que tirar Hellen do meu pé, pois ela não daria sossego a Daniely e eu não iria aceitar se esse encosto maltratasse minha pequena.


Quando a vi no carro em frente a casa quase tive um treco, minhas pernas amoleceram, eu estava soando frio, meu coração parecia que iria saltar pela boca. Eu sei que pode parecer meio gay... Mas e daí? Eu estava amando sim e não tinha vergonha desse sentimento.

Ao pegar em sua mão para cumprimenta-la uma corrente elétrica percorreu meu corpo, e acho que ela sentiu alguma coisa, pois ela ficou me olhando de um jeito estranho.

Eu percebia que cada gesto meu, ela ficava sem graça, e isso significava que eu estava mexendo com ela. Minha vontade era de abraça-la forte em meus braços, sentir seu perfume, e eu só teria que bolar um plano pra isso.

Enquanto ela estava no quarto, me lembrei do meu melhor amigo... Porque não leva-la para conhecê-lo? Assim eu poderia senti-la, nem que fosse um pouco... Então resolvi leva-la pra casa de Léo de moto. Enquanto ela se arrumava, Nanda acabou nos contando a aventura de Daniely no aeroporto e confesso que odiei ouvir. Taylor Lautner dando em cima dela descaradamente... Será que ela ficou interessada?

Eu tinha que perguntar, pois disputar o amor de uma garota tendo um adversário como ele seria praticamente impossível! O cara estava bombando atualmente, só se ela não fosse fã, coisa que duvido. Na hora do lanche ela não se mostrou animada com relação a ele, mas talvez por que ela estivesse envergonhada. Assim que terminamos o lanche fomos pra garagem e a deixei escolher a moto que quisesse e fomos pra casa do Leo.

Sentir ela me abraçando foi a melhor e maior sensação que já tive, mas que durou pouco, pois Leo não morava muito longe da minha casa. Assim que chegamos logo apresentei Dany para Leo e não demorou muito para JB se juntar a nós, mas eu não contava que Karyn estivesse na casa deles, pois era raro ela passar o final de semana com eles.

Eu sabia que não demoraria muito pra louca da Hellen se juntar a nós e em questão de minutos a doida já estava lá. JB acabou me ajudando ao dizer que Dany era minha namorada e eu aproveitei a mentira dele só pra curtir com a cara de Hellen e quem sabe assim ela largava do meu pé.

Assim que ela soube que supostamente eu estava namorando ela deu a desculpa de ir pro banheiro... Eu tenho certeza que ela foi chorar, mas eu não estava nem aí. Eu não sou um crápula sem coração que faz as garotas de idiotas, o problema é que Hellen é muito chata.

Ela é arrogante, esnobe... Tudo o que odeio em um ser humano e pra piorar minha vida, ela ficava no meu pé como se fossemos namorados. Eu só era popular na faculdade, porque ela andava comigo e dava a entender que eu era namorado dela e isso realmente estava me irritando.

Eu não tinha privacidade de nada, pois essa garota sempre estava no meu pé. Se eu estava ficando com alguma garota, Hellen fazia de tudo pra estragar meu lance, ela era um verdadeiro encosto e eu não estava aguentando mais.

Na primeira oportunidade que tive tratei logo de abraçar Dany e aproveitar aquele momento, eu não sei quando terei outra oportunidade dessas. Depois que combinamos de nos encontrar mais tarde fomos embora, eu ainda queria fazer algumas coisas na companhia dela. Sem perder tempo a levei até a praia pra tomarmos uma água de coco.

Ao estacionar a moto fomos juntos de mãos dadas para um quiosque que eu gostava de frequentar, assim que nos sentamos o garçom veio nos atender. Não demorou muito para que o garçom trouxesse nossa água de coco.

_ Nossa... Como esse lugar é lindo. –Dany disse olhando em direção ao mar.

_ Morar em Miami é mágico, esse lugar tem uma magia fora do comum. Belas paisagens, sol a maior parte do tempo, pessoas bonitas...

_ O Brasil também é assim, eu morava de frente pro mar. Vou sentir falta de muita coisa por lá. –Ela disse bebendo um gole de sua água de coco.
 
_ Falta de que, por exemplo?
 
_ Meus amigos, de curtir a praia à noite com eles, de nossas saídas a noite pra dançar, das festas que íamos todo o final de semana...
 
_ Bom... Amigos você pode encontrar por aqui, já o que você fazia com eles não será difícil, pois o pessoal daqui também adoram uma boa farra. –Eu disse fazendo uma pequena pausa. –E o namorado? Deixou você vir pra cá de boa?
 
_ Eu não tenho namorado. – Ela disse desviando o olhar e bebendo mais um gole de sua água de coco.
 
_ Uma garota tão linda sem pretendentes? Duvido! –Eu disse rindo.
 
_ Eu sou nerds demais como eles mesmos falavam. –Ela disse ficando triste de repente. – Nenhum garoto olha pra garotas como eu.
 
_ Mas ser nerds não é nenhuma doença contagiosa! Mostra que você é uma garota inteligente, culta, que é bem informada. Que homem não gostaria de ter uma garota assim ao seu lado?
 
_ Lá eles preferem o tipo gostosona e estou longe de ter um padrão de beleza desses.
 
_ Quem te disse isso? Você é linda! Sinceramente eu não sei o que esses brasileiros têm na cabeça pra não quererem te olhar. –Eu disse deixando-a vermelha.
 
_ Mas e você? Não está com sua namorada por quê?
 
_ Não tenho namorada. Mesmo que eu quisesse a Hellen faz o favor de espantar elas.
 
_ Porque você não namora com ela? Ela é bonita.
 
_ Mas não tem nada na cabeça. Não suporto aquela garota. Sem contar que já estou interessado em alguém.
 
_ Ah... Ela é uma garota de sorte. –Ela disse parecendo triste.
 
_ Ela nem sonha com isso. Faz 3 anos que sou apaixonado por ela, mas só agora que estou conhecendo direito.
 
_ Espero que você fale logo com ela. Só assim você será mais feliz ao lado dela.
 
_ Mas e você o Taylor? –Eu disse querendo mudar de assunto notei que ela estava estranha.
 
_ Que Taylor? –Ela fez uma cara de desentendida.
 
_ O atorzinho mais amado do momento.
 
_ Ah... Esse Taylor. –Ela diz olhando em meus olhos. – O que tem ele?
 
_ Rolou mesmo algo entre vocês dois como a Nanda disse?
 
_ E você ainda embarca nos devaneios da minha mãe? –Ela disse fingindo estar incrédula. – Sou realista Henrique... Até parece que Taylor Lautner iria olhar pra mim?
 
_ E por que não? Você é linda.
 
_ Para de dizer que sou linda porque eu sei que não sou! –Ela disse se levantando irritada. – Com certeza se ele quer algo é pra zoar comigo! Até parece que Taylor Lautner iria me notar e ficar a fim de mim! Há! Daniely... A piada do ano!
 

Nisso ela sai pisando duro. Logo paguei a conta e fui atrás dela e a encontrei sentada em um banco. Sem perder tempo sentei-me ao seu lado.
 

_ Me desculpe. Eu não queria te ofender.
 
_ Tudo bem. –Ela disse olhando fixamente pro mar com um semblante confuso.
 
_ Você não gosta de ser elogiada?
 
_ Sinceramente não. Eu tinha problemas com isso no Brasil. E eu não quero falar sobre isso.
 
_ Mas você me desculpa? Eu não queria te magoar.
 
_ Tudo bem, mas pare de ficar me elogiando.
 
_ Vai ser difícil, o que posso fazer se te acho linda? –Eu disse pegando em sua mão.
 
_ Mas tente se controlar com os elogios eu me sinto mal em ouvir.
 
_ Você tem algum trauma?
 
_ Olha... Eu não quero falar nesse assunto.
 
_ Ok, quando você estiver pronta pra falar sobre isso eu estarei aqui pra te ouvir.
 
Para minha surpresa, ela se virou e me abraçou e começou a chorar. Daniely chorava feito criança, e eu sabia que era por minha culpa.

O que será que havia acontecido pra ela estar assim? Eu iria descobrir e tentar ajuda-la. Ficamos por ali uns 15 minutos até que de repente ouvi sua voz.
 
_ Henrique, por favor, não conte pra minha mãe que você me viu chorando.
 
_ Não se preocupe, eu não vou falar nada. –Eu disse afagando seus cabelos. –Você está melhor?
 
_ Um pouco.
 
_ O que você acha de amanhã a gente sair pra dançar?
 
_ Sério? –Ela disse um pouco mais animada.
 
_ Sim.
 
_ Poderíamos convidar a minha mãe e o seu pai também.
 
_ Você que sabe.
 
_ Você não tem vergonha de sair pra balada com seu pai, né?
 
_ Porque eu teria vergonha? –Estranhei sua pergunta.
 
_ Porque no Brasil meus amigos morriam de vergonha de sair com os pais.
 
_ Nossa, tem certeza que essas pessoas eram seus amigos?
 
_ Eu também nunca entendi isso. Eu adorava sair com o meu pai pra balada.
 
_ O que você acha de irmos pra casa? Assim você descansa um pouco antes de irmos ao parque.
 
_ Tudo bem e desculpa se estraguei o seu passeio. –Ela disse com um lindo sorriso nos lábios.
 
Ao ver aquele sorriso me derreti, minha vontade era de beijá-la, mas se eu fizesse isso o que ela não iria pensar de mim? Eu morreria se perdesse a amizade dela. Então me contive em dar um beijo em sua bochecha.
 
Logo fomos aonde eu havia estacionado a moto e fomos para casa. Ainda era umas três horas da tarde, o que nos daria bastante tempo pra descansar. Assim que chagamos fomos falar com Nanda e meu pai e depois de uma rápida conversa subimos juntos para o andar dos quartos. Já parados em sua porta...
 
_ Obrigada Henrique. –Ela disse amável.
 
_ Pelo que?
 
_ Por me levar pra passear, me apresentar sues amigos e ter paciência comigo.
 
_ Pra mim não foi nada. Eu adoro bater roda por aí... E fica melhor quando eu tenho companhia. –Eu disse dando o meu melhor sorriso.
 
_ Acho que vou tomar um banho e dormir um pouco.
 
_ Eu também farei o mesmo... Se por um acaso eu não acordar no horário me chame.
 
_ Pode deixar.
 
_ Qualquer coisa é só entrar.
 
_ Tudo bem.
 
Sem perder tempo eu a peguei de surpresa com um beijo que acabou pegando no cantinho direito de sua boca. Com minha atitude a sentir arfar em meus braços. Quando nossos olhos finalmente se encontraram era como se uma onda me puxasse em sua direção e quando percebi nossas bocas estava tão próximas que pude sentir seu hálito quente sob minha face. “Morango... Ela cheira morango”. Foi à única coisa que pensei no momento. Quando finalmente nossas bocas iam se unir, fomos interrompidos pelo meu pai. Logo nos afastamos.
 
_ Então até mais tarde! –Ela disse sem graça. –E-eu vou descansar agora!
 
Logo ela entrou e fechou a porta.
 
_ Atrapalhei alguma coisa? –Disse meu pai se aproximando de mim.
 
_ Não! Eu também vou descansar. –Eu disse indo pro meu quarto, mas meu pai veio atrás.
 
Assim que entrei em meu quarto fui direto pro closet pegar uma roupa, pois eu precisava de um banho pra relaxar.
 
_ Henrique.
 
_ Fala pai. –Eu disse sem parar o que estava fazendo.
 
_ Eu notei um clima ali no corredor agora entre vocês dois?
 
_ Que clima? Não viaja pai!
 
_ Eu te conheço Henrique! Faz tempo que venho te notando. A garota por quem você está apaixonado é a Daniely, não é?
 
_ De onde você tirou essa ideia?
 
_ Só toma cuidado pra não ferir os sentimentos dela.
 
_ Pode deixar pai.
 
_ Vocês vão sair hoje?
 
_ Sim, combinei de sair com o Leo e o JB. Vamos pra um parque de diversões.
 
_ Certo, mas presta a atenção no que você vai fazer com a Daniely. Ela parece ser uma garota muito sentimental.
 
_ Relaxa pai!
 
_ Bom qualquer coisa eu tô no escritório.
 
_ Ta.
 
Logo ele saiu e me deixou sozinho. Legal, agora terei que ser mais discreto se não é capaz deles fazerem algo pra me manter longe da Daniely e isso eu não suportaria. Já fiquei exatamente 3 anos longe dela e agora que estávamos próximos eu faria de tudo para manter isso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário! A sua opinião sobre as fanfics é muito importante para que os autores continuem escrevendo. Fale sobre o mais gostou, sobre o que espera ler nos capítulos seguintes. Comente sobre seus personagens favoritos e os que mais detesta. Não deixe de comentar, seja mais ativo e evite que as fanfics entrem em hiatos por desmotivação da autora em escrever. Não seja um leitores fantasma. Comente agora mesmo!

DEIXE SEU RECADO!

SITE DE NOTICIAS - TAYLOR LAUTNER MANIA