25 dezembro 2014

ONE-SHOT: Procura-se Papai Noel - ESPECIAL DE NATAL



  
  PERSONAGENS:  Reili & Taylor.

Nome da fic: 
Procura-se papai Noel – One (ESPECIAL DE NATAL!)
Beta: @ValzinhaBarreto 
Capa: @jessica_keli
 40 Minutos mais ou menos de Leitura. 

Narração: EM TERCEIRA PESSOA. 
Gênero: ROMANCE, DRAMA.
 TAYLOR NÃO É FAMOSO NESTA HISTORIA. 
 CAPITULO ÚNICO DE NATAL 
INSPIRADO NO FILME
 “Procura-se um papai Noel Desesperadamente”


        Reili trabalha no shopping “Ellares” desde seus 17 anos e pode ser promovida a gerente aos 21 anos e gerenciar o shopping inteiro caso aumente os lucros e a imagem do shopping diante da cidade.
         Com chegada do natal a publicidade do shopping deveria trazer algo inovador e que atraísse a atenção, o que fazer quando as melhores ideias já haviam sido usadas pelo outros shoppings?


- Não sei o que eu faço pra mudar este ano... Estou tão confusa. Ta tudo tão igual, eu não me conformo em estar em 5º lugar de melhor marketing este ano de novo.

Reili reclamava enquanto caminhava pelos corredores do shopping com Naila, sua amiga de trabalho que estava sendo treinada para ficar no lugar de Reili se ela conseguisse sua promoção este ano.

- Calma vai dar tudo certo Reili- Naila confortava mesmo preocupada.

- Será? O Shopping Americk vai conseguir a Pepa pig de gorro. - Falou Reili meio irritada.

Peppa Pig? - Naila soltou um riso.  

- Sim, a Peppa - Falou Reili parando em frente de uma loja enquanto esperava seus dois amigos gays Gean e Stevan se aproximarem delas.

- Uau! Você está fantástica com esta roupa! Quem escolheu? – Gean perguntou sarcástico levando Reili a meio sorriso.

- Deixe-me eu adivinhar, fomos nós. -  Disse Stevan gargalhando.

- Eu não saberia me vestir assim se não fossem vocês!

- Ai! Você esta linda! Dessa vez tomara que não ganhe somente uma promoção. E sim uma proposta de casamento daquele bonitão!

E ela riu.

- Não vou ser pedida em casamento por causa da minha aparência!     

- O Que? Como que é?! – Perguntaram em coro.  

- É! Também concordo com a Reili - Disse Naila.

- Quem disse isso pra vocês? Hoje minhas filhas... Hoje, a aparência é tudo! Tu-do! - Disse Gean.

E eles três começaram a expressar suas opiniões diferentes. E Reili se concentrou. Teve uma grande idéia.

- É Verdade gente! - Disse ela paralisada e contente com a sua idéia.

- É verdade o que? – Perguntou Naila.

- É verdade. A aparência é tudo! Tive uma grande ideia!

- Qual? – Perguntaram todos.

         Reili havia tido uma ideia única. Iria fazer um concurso dentro do shopping. Escolheriam o papai Noel mais Sexy. O ganhador ganharia 10 mil dólares e ficaria por 2 semanas se apresentando no shopping. Quem comprasse qualquer coisa no shopping poderia entrar na fila para falar com ele.

         Então naquela semana ela deveria agilizar tudo. Ela precisava mudar suas estratégias. E já estava colocando em prática.

- Oi Reili. Disseram-me que precisava falar comigo - Disse o senhor que fazia o papai Noel entrando na sala.

-Senhor Naldo, porque está vestido de papai Noel?

- Dia 1 de dezembro eu não sou mais o Naldo, eu sou Senhor Noel -   Disse ele rindo e se sentando na cadeira.

- Ah... Entendi.

- Então, o que queria?
                         
- Quero pedir desculpas antes de tudo, mas este ano não precisaremos dos seus serviços.

- O Que? Mais eu estou aqui há 17 anos, já é tradição!

- Sinto muito. Quero fazer uma mudança este ano.

- Que tipo de mudança radical é essa que não  tem papai Noel?

- São projetos meus. Desculpe - Ele olhou pra ela respirando fundo e então concordou e saiu da sala.

         Reili estava muito empenhada. Tudo já estava pronto para ser feito o concurso. Anúncios. Tudo. E escolheriam o papai Noel mais sexy em 2 dias.
         Exausta andando pela entrada do shopping, Reili foi derrubada no chão por um ciclista que rapidamente se foi levanta muito preocupado.

- Você esta maluco! - Disse Reili para ele.

         E ele rapidamente mudou a expressão desistindo de pedir desculpas.

- Que isso. Desculpe-me – Disse o rapaz tentando ajudar Reili a ajeitar a roupas, mas ela o impediu e disse incomodada:
                                                                             
- Não se anda pelo shopping de bicicleta seu mensageiro idiota!

- Credo! Pra que tanta marra?  - Disse ele.

- Eu poderia te banir deste shopping!

         Ele riu e subiu na bicicleta a ignorando. E ela bufou voltando para o seu trabalho. Naquele dia começaria o concurso.

********

         Reili estava na mesa como jurada e assim como seus 3 amigos de trabalho e até a primeira hora já havia passado muitos homens por ali.         O shopping estava lotado, pessoas ansiosas pelo resultado torcendo por todos aqueles rapazes bonitos. Os finalistas estavam sendo selecionados e Reili estava anotando quem ficaria e quem sairia. Ela estava distraída enquanto seus amigos faziam as perguntas.

- Por que você acha que deve ser o papai Noel Sexy? - Perguntou Naila para um fortão loiro.

- Porque não há ninguém que supere ou ganhe esses músculos!     Disse ele passando as mãos no corpo.

 E todas as mulheres começaram a gritar no shopping. Reili só ouvia sem olhar pra frente. Estava muito concentrada.

- Como é seu nome e por que você acha que deve ser o papai Noel Sexy?       Perguntou Naila para aquele rapaz que esbarrou em Reili mais cedo.

- Meu nome é Taylor. Mereço ser o papai Noel porque eu tenho um sonho que pode ser realizado com esse prêmio.

- Parece que você gosta mesmo do natal. – Comentou Gean com os olhos fixos no peitoral do rapaz.

- Sim, eu adoro. O natal deixa meus sonhos mais intensos, assim como minha determinação para realizá-los.

- Por que ficou triste? – Naila perguntou vendo seu semblante cair rapidamente.

- Fiquei triste porque minha mãe morreu ano passado e esse é meu primeiro natal sem ela.  Eu cresci com ela me dizendo que o natal é um tempo de sonhos.

Reili olhou pra frente pensando que havia escutado aquela voz hoje.

- O melhor natal é aquele que passamos com a família..

- Oh, que lindo – Todos disseram automaticamente.

- Ai que fofo - Naila suspirou comovida.

– Usar a família foi covardia - Reili sussurrou rindo para Neila.

- Então vamos escolher os melhores? – Perguntou Reili no microfone cortando o flerte de todos.

- Eu queria falar mais uma coisa - Disse o rapaz mais empolgado.

- Direitos iguais a todos. Então. Por favor, espere sua vez novamente – Reili disse ao rapaz mostrando todos que aguardavam, mas todos queriam ouvir o que ele tinha a dizer.

- Não, não pode!  Disse Reili pra Naila que parecia querer deixar.

*******

- Vamos, vamos escolher - Disse Gean.

- Ele já é certo de ir! - Disse Naila colocando a foto daquele rapaz na frente.

- Ele tem que ser o papai Noel! Ele é tão sexy! - Disse Gean.

- Não concordo - Disse Reili

- Olha. Vamos fazer assim. Vamos deixar o pessoal do shopping escolher o papai Noel. Melhorou? O segundo e terceiro lugar agente escolhe. Ok? - Disse Naila

- Ok – Concordaram.

         Na saída ela passava pelo estacionamento do shopping. E ele estava lá mexendo no cadeado da sua bicicleta abaixado.

- Sabia que o ônibus custa 2 dólares -  Falou Reili fazendo ele parar e olhar pra ela.
- Eu sei, mas venho de bicicleta porque eu gosto e não por necessidade.

- É claro que sim - Ela sorriu irônica.

- Quero te pedir desculpas novamente pelo o que houve mais cedo.

- Ok. Está desculpado por me atropelar.

- Espero que isso não interfira no resultado do concurso. Sabe, porque eu espero que você seja uma pessoa justa.

Ela cruzou os braços, olhou-o desacreditada e falou:

- Se fosse pessoal, você já estaria fora, mas eu sou profissional. Você estará na final amanhã, e quem escolherá será os clientes, não eu.

- Que bom. – Ele sorriu.

         Taylor se virou abaixando pra abrir o cadeado e Reile se retirou indo para casa.

********

         No dia seguinte, o concurso virou um sucesso. As Vendas do shopping subiram rapidamente. E todos estavam ansiosos para ver o novo papai Noel sexy dos 3 finalistas que foram selecionados.

         Os amigos de Reili estavam fazendo as perguntas. Pedia apresentações de dança. E estava no momento final. Todos torceriam pelo seu favorito.

           A apresentadora disse:
- Então. Grite para o seu favorito quando minha mão estiver na direção dele. Ok pessoal?

         Reili olhava esperando o resultado. Todo mundo gostava daqueles três finalistas. Um na direita outro no meio e Taylor na esquerda.

- Vamos lá pessoal!

         Ela apontou para o da direita e muita gente bateu palmas. Apontou para o do meio, muita gente gritou e aplaudiu mais forte. E o da esquerda a mesma coisa que o do meio.

- Temos um empate aqui! - Disse a apresentadora.

- Como é seu nome rapaz? Perguntou a apresentadora para o concorrente do meio.

- Rodrigo.

- E o seu?       Perguntou ela para o da esquerda.

- Taylor.

- Quem torce para o Rodrigo? - Todo mundo aplaudiu e gritou.

- Quem torce para o Taylor? - Todo mundo aplaudiu, gritou muito mais forte.

- E o vencedor é o Taylor !!  Aplausos para o novo papai Noel mais sexy!

         E todos aplaudiram, até Reili meio espantada com o resultado e finalmente admitindo que Taylor era o mais sexy e certamente, o mais simpático.

********

- Parabéns. - Falou Reili enquanto algumas pessoas abraçavam cumprimentado Taylor

- Obrigada. – Agradeceu e olhou pra Reili sem jeito.

         Nicole que era funcionária do shopping, era a garota que faria a mamãe Noel. Ela não era uma parte tão importante assim, mas era preciso tê-la ali nas apresentações.

- Ai. Eu quero conhecer meu futuro marido de perto - Disse Nicole perto de Naila se abanando enquanto via ele de longe.

         Passaram alguns dias e o novo papai Noel: “Taylor”, estava ensaiando com as dançarinas e todos poderiam ver normalmente. Até o show estar pronto na próxima semana. O shopping estava cada vez mais cheio por isso.

         Reili olhou Taylor dançando e ele sorriu ao vê-la o observando

- Olá – Taylor acenou para Reile.

- Olá. – Acenou de volta meio sem graça.

- Reili, você viu o quanto o shopping está cheio por causa dessa sua idéia? - Perguntou Naila animada.

- Percebi, e você não sabe como eu estou feliz, obrigada amiga por me ajudar. Eu sei que você será boa tanto quanto eu!  - Sorriu ela.

- Owwwwn. - Disse Naila a abraçando.
O Gerente de Reili ligou dizendo que iria lá amanhã. Porque tinha novidades e estava muito surpreso com tudo. E ela estava feliz por isso. Chegando a noite Taylor estava conversando com um garotinho de 5 anos.

- Não faz mais isso cara, olha, quando você quiser alguma coisa e sua mãe não quiser te dar, faz cara de coitadinho. Pode ter certeza que isso vai funcionar mais do que pirraça. - Disse Taylor abaixado batendo de leve no nariz do menino.

- Obrigado papai Noel.

- De nada. Qualquer coisa é só vir me visitar. Disse ele levantando e vendo Reili chegar.

         O menino saiu andando.

– Não deveria dar conselhos assim. – Reile reclamou.

- Eu me entendo bem com as crianças, eu sei o que elas podem e querem ouvir - Disse ele rindo.

- É bem fácil entender quando tem a mentalidade deles. – Zombou.

- Nossa. Disse Taylor surpreso, mas sorrindo assim mesmo.

- O que foi? - Disse ela rindo.

- Acha isso mesmo de mim? – Taylor perguntou sorrindo.

- Talvez. - Disse ela sem graça.

         Ele a olhou tão intensamente por um segundo, e ela se rendeu a isso também. Pareciam que estavam em uma bolha. Onde só vivia os dois.  Eles despertaram assustados com a voz do namorado de Reili.

- Oi amor.. iai.. Vamos?

- Ah, claro, vamos. - Disse ela tentando se recompor.

George, o namorado de Reili, olhou para Taylor intrigado e cumprimentou:

- Oi! Boa noite! Prazer! Sou o namorado da Reili gerente do Shopping HomerStron.

- Prazer. Sou o Papai Noel sexy do Shopping Ellares.

- Interessante.  Disse ele irônico deixando Reili sem graça por isso.

- Vamos Jorge? - Reili chamou-o constrangida.

- Vamos amor - Disse ele.

         Taylor olhou pra trás depois deles passarem. Permaneceu pensativo, mas continuou seu trabalho.

********

         Todo mundo já poderia entrar na fila para falar com o papai Noel, mas Taylor demorava muito, era muito atencioso. Reili chegou perto do seu ouvido impaciente e alertou-o.

- Você precisa se apressar mais. Clientes parados, não compram mais.

         Ele soltou um ar de ironia.  E voltou a dar atenção para a menininha de 6 anos do seu lado que estava com gesso no braço. Reili ouvia esperando ele terminar de falar com ela.

- Não precisa ficar com medo de novo, não deixa de andar de bicicleta. É legal! Quando você tirar o gesso poderá andar de bicicleta de novo.

- Mas eu tenho medo de cair de novo – Disse a menininha.

- Imagina que eu estou ali te segurando – Taylor a confortou.

- Está bem papai Noel! -Disse a menina animada.

         Ela se levantou e saiu e Reili disse irritada:

– Vem cá! Se ela cair de novo! Ela vai ficar irritada com você! E um dia ela vai descobrir que papai Noel não existe e como ela vai ficar?

         Ele olhou pra ela.  E ela olhou pra ele fixo.

– Anda. 30 segundos por cliente!

E saiu andando.  Naila veio perto do trono do papai Noel.

- Como alguém como ela que odeia o natal consegue um emprego como esse?  - Taylor perguntou estranhando.

– Calma. Não a julgue, acredite. Ela tem um bom motivo pra isso. Ela não tem um bom natal desde os 17 anos. – Naila explicou.

Ele olhou pra ela e continuou o seu trabalho.

         Uma velhinha se sentou do lado dele e olhou para o seu corpo e começou a se abanar.

- A senhora esta bem?

- Ai meu Deus! Ai! Ai! Meu coração! - E ela desmaiou.

         Ele tentou respiração boca boca e primeiro socorros enquanto todo mundo olhava, e a velhinha acordou suspirando vendo ele ali na frente dela. Ela estava fingindo para tirar proveito do Taylor.

*******

         Chegando o final do trabalho, o Shopping já estava fechado. Reili fazia seu percurso de sempre indo até o estacionamento do shopping. Taylor estava lá, agasalhado e tentando abrir seu cadeado que agora estava congelado.

- Droga! -  Disse ele

         Reili passou por ele, vendo-o zangado pela primeira vez desde o que o tinha conhecido.

- Congelado? - Perguntou ela esticando o pescoço.

- Sim, congelou - Ele respondeu olhando pra cima.

- Que Pena. – Reili enrugou a testa e saiu.

- Espere. - Taylor pediu se levantando.

- Não - Disse ela rindo.

- Qual é? Espera. Não pode me dar uma carona até o restaurante do meu pai?

- Não - Disse ela parando e rindo.

         Ele ficou a encarou.


 – É serio. Minha bicicleta não sai daqui hoje.   

         E ela olhou também.

- Okay. – Reili concordou, levando-o a um rápido sorriso.


****

- Achei que ia demorar pra saber onde estava. - Disse ele pra ela. Enquanto o carro parava.

- Eu vinha aqui direto quando era mais nova. Eu já morei ali com a minha mãe. Falou ela apontando pro lado ao contrario do restaurante.

- Obrigado por me trazer. Quer entrar?

- Não. Eu preciso ir, mas obrigada. – Disse Reili olhando para Taylor que abriu um sorriso mais encantador.

- Por que sorriu? Ela perguntou confusa.

- Achei que eu estava lidando com uma mulher irritante, mas você não está parecendo tão chata agora.

- Ah, eu não sou uma mulher assim, ok! -  Disse ela rindo sem graça.

- Me desculpa por pensar isso.

Ela olhou pra baixo e olhou pra ele novamente. Ela sabia que era a vez dela.

- Me desculpar por eu ter te ofendido.

- Quando?     Falou ele irônico.

- Todas as vezes desde quando te conheci - Riu ela contagiando ele.

- Mas isso não quer dizer que a meu pensamento mudou sobre você.   Disse ela sorrindo.

- Tudo bem - Falou ele rindo.

         Eles pararam de rir um olhando para o outro. Por alguns segundos. O olhar dos dois brilhava um para o outro. Bateram no vidro da janela do quarto fazendo eles se assustarem. Era o pai de Taylor todo animado. =

- Oi filho! Pensei que não ia voltar pra cá hoje.

- Desculpa pai.. Hoje uma senhora passou mal. E ai...

- Olha, esquece. Oiii... - Disse ele olhando para Reili.

- Oi – Reili respondeu

- Pai, essa é a minha chefe - Disse ele sem graça.

- Muito prazer! Sou Antony.

- Oi, eu sou Reili - Sorriu ela apertando a mão dele.

- Vem, entra com agente. Vem experimentar a pizza do nosso restaurante!  - Disse o pai do Taylor.

         Ela ficou com medo de recusar mais disse sem graça.

  – Eu vou precisar ir pra casa.

- Não, quê isso! Vamos vem.    

- É melhor não recusar a pizza do senhor Antony - Falou Taylor pra ela enquanto seu pai abria a porta do carro para Reile sair.

- Está bem, vou experimentar.

****

         Eles estavam dentro do restaurante e o senhor Antony inventou de mostrar como se esticava uma massa. Ela olhou atenta esquecendo seu horário.

- Eu posso tentar? - Pediu Reili animada.

         Taylor olhou e riu deles dois.

- Claro! Pega o avental pra ela Taylor. - Disse o pai dele.

         Enquanto seu pai dizia pra ela como deveria ser feito. Taylor colocou o aventou nela e amarrou em sua cintura. E ela não deixou de perceber tanta aproximação do seu corpo e reparar a forma de como ele reagia perto do seu corpo.

- Olha, roda com as mãos assim - Disse o pai dele.

- Ta - Disse Reili pegando a massa nas mãos, tentando rodar enquanto eles dois olhavam atentos.

- Olha! Eu consigo! - Disse ela animada.

         E eles riram. Ela se empolgou demais.

- Precisa usar mais os pulsos - Disse Taylor pegando a massa e mostrando.

- Certo. Vou tentar! –


         Reili colocou suas mãos novamente e jogando a massa para cima muito forte, esta caiu em seu rosto, levando Taylor a cair na gargalhada.

         Ela estava no balcão do restaurante tirando as massas do seu cabelo e seu nariz ainda estava sujo de farinha. Taylor trousse um pano pra ela.

- Para ta, não foi tão engraçado assim - Disse ela sem graça, mas rindo.

- Foi - disse ele rindo.

- Eu queria te perguntar uma coisa - Disse ela limpando o rosto.

- Fala.

- Por que queria ganhar o concurso? Pelo dinheiro?

- Sim.

- Para que? Sua família vive bem aqui.

- Por isso mesmo. É pela minha família. Esse restaurante tem 30 anos e  e querem fechar ele por causa de uma construção de um shopping idiota. Todos os comércios foram fechados por eles. Menos o nosso, mas recebemos uma notificação de que teríamos que fechar até o dia 25 de dezembro.

- O que? No natal?

- É. E por isso eu quero esse dinheiro. Entramos com uma ação contra o shopping Desort pra isso ser cancelado.

- Entendi.. Foi. Bonito da sua parte - Disse ela sorrindo sem graça.

- Meu pai é muito orgulhoso pra pedir ajuda. Então eu estou fazendo sem ele saber pra que serve o dinheiro. Pra ele, é pra minha faculdade.

- Nossa, isso é lamentável. - Disse ela olhando entristecida.

- Estou impressionada com a sua sensibilidade – Disse Taylor.

- Mudou meu pensamento sobre mim? – Reili perguntou.

- Sim.

- Eu também mudei meu pensamento sobre você, Taylor.

- Obrigada pela noite. Sua família é ótima - Disse ela olhando para o seu irmão, a esposa do irmão e o pai de Taylor conversando.

- De nada, quando quiser vir outras vezes. - Disse ele sorrindo.

– Eu queria te falar que - Ela olhou no relógio, o interrompendo.

- Ai meu Deus! Já ta muito tarde! Tenho que ir embora. - Disse ela apressada pegando a bolsa do seu lado.

- Tchau Taylor, obrigada.

- Tchau. De nada.

- Tchau. Até amanhã.

- Até amanhã - Disse ele com um meio sorriso apoiando seu braço no balcão, olhando ela sair pela porta.

- Filho...  Disse o pai dele do outro lado do balcão.

- Ela é fantástica. Você nunca trouxe ninguém pra gente conhecer. gosta muito dela né?

- Não é isso. Ela tem namorado - Falou ele olhando para o seu pai.

- Quando eu conheci sua mãe, ela também tinha namorado, mas ela era demais. Eu não perderia o que eu encontrei. Não se perde um diamante raro quando gente encontra. – Disse o pai do Taylor  saindo e deixando-o pensativo.

******

         No outro dia, teria uma apresentação do Show do papai Noel mais sexy, então havia vários repórteres querendo entrevistar a mamãe e o papai Noel. Reili estava atenta a tudo do shopping, mas não deixou de prestar atenção na entrevista mesmo de longe.

         A repórter disse.

- Nossa! Nós olhamos para vocês e vemos tanta química! Tanta beleza juntos! – Disse a repórter para Taylor e Nicole.

         Eles sorriram. Nicole era uma garota muito legal, mas ainda imatura. Era engraçada com seu jeito espontâneo e doidinho totalmente desesperada com Taylor do seu lado.

- E vocês.. São papai e mamãe Noel mesmo?
                               
         Eles riram.

Ele ficou em silencio. E ela vendo ele quieto disse colocando a mão em cima da sua.

– Ah, eu não digo quem eu beijo. - Disse ela rindo.

E todos que estavam assistindo fez um som “uh....”  e ele riu disso.

         Reili olhou mais atenta parando tudo que tava fazendo ao mesmo tempo em que prestava atenção. Nicole era sua colega, mas isso não impediu dela sentir uma pontada de ciúmes do Taylor. Quando acabou a entrevista, os jornalistas saíram dali e Reili se aproximou.

- Oi -     Disse ele sorrindo.

- Oi – Ela cumprimentou tentando sorrir.

- O que? - Falou ele parando de rir.

- Nada – Disse Reili tentando sorrir novamente.

- O que achou da entrevista? Perguntou ele a Reili.

- Não prestei atenção.

- Sem problema, queria te perguntar: você quer ir ao restaurante hoje?   

- Não vai dar.

- Tudo bem - Disse ele sorrindo.

- Talvez sua parceira vá. Ouvi dizer que vocês têm muita química juntos

- O Que? - Disse ele rindo tentando entender.

 E ele riu parando aos poucos. 

 – O que ta rindo?

- Nicole é uma menina. Eu quero pra mim, uma mulher.  - Olhou fixo pra ela.

- Porque está me dizendo isso?

- Nada. – Disfarçou Taylor. E Reili ficou em silencio aparentemente nervosa.

- Vamos pessoal! Vamos nos preparar para o show daqui a pouco!    Disse Naila.
- Vamos. Vamos!  - Disse Reili cortando seu flerte.

- O que foi Reili? Parece nervosa - Naila perguntou.

         Seus dois amigos gays estavam vendo os figurinos das dançarinas. Gean gostava do Stevan, mas morria de medo de contar. Ele as vezes se pegava olhando pra ele, mas tentava despertar. E era o que Gean estava fazendo enquanto Stevan ajeitava as roupas no cabide.

- Ow! Acorda! Vamos! - Disse Naila entrando no vestiário e dando um tapinha de leve na cabeça dele.

         Daqui há algumas horas começaria o show tão esperado.

         O Chefe de Reili entrou em sua sala.

- Nossa! Que ótimo o que está fazendo! Idéia perfeita!

- Obrigado senhor Lucio.

- Eu tenho uma ótima noticia!

- Pode contar pra mim? - Disse ela brincando

- Claro! Você será promovida. Dia 24 teremos uma comemoração da inauguração de um shopping. E você e mais outros serão anunciados neste dia. não falte. Passaremos a véspera lá.

- Ai que ótimo!

- Mas eu tenho que te dizer que. Infelizmente o shopping “Ellares talvez terá que ser fechado”

- O Que? Mais por quê? Você disse que as pontuações estavam boas!

- E estão, mas pra isso não acontecer terá que subir para 1º lugar em vendas e vocês estão em 4º lugar ainda.

- Calma! A gente consegue. Eu sei que conseguimos. Tem muita gente neste shopping ele não pode ser fechado!

- Então Reili, comece logo, chegue em primeiro que será certo a sua promoção -  Disse ele sorrindo.

         Reili ficou perturbada todo aquele dia por isso. Tanta gente que ajudou ela a subir e ajudou para que aquela promoção fosse possível. Iria ser todos mandados embora? Aquele shopping era a família que ela não tinha.

         Chegando a hora da apresentação. Muita gente gritava. Não tinha espaço de passagem no shopping e com isso mais gente vinha e mais gente comprava e mais gente queria se aproximar do papai Noel mais sexy.

         Quando a apresentação acabou todos gritavam muito. Reili estava super feliz agora. Todos estavam. Taylor riu pra Reili vindo em sua direção.

– Caramba! Ficou demais! - Ela retribuiu o abraçando.

- A gente arrasou não foi?! - Disse ele abraçando-a de volta fechando os olhos.

- Ai!! Foi demais! - Disse Gean abraçando os dois de uma vez.   E eles riram.

         Eles se afastaram bem sem graça prestando atenção em Gean pular e gritar.

- Ooown adorei! Quero dançar de novo!  - Disse Nicole abraçando Taylor e Reili olhou meio de lado sem graça. E tentou prestar atenção em outra coisa. Naila vinha em sua direção.

- Amiga! Impossível qualquer shopping competir com isso!! - Riu Naila a abraçando.

- Ai. Agora eu sei! - Disse ela rindo.

         Gean, Naila e Stevan foram os últimos a sair do shopping, tirando os seguranças. Taylor foi buscar uma coisa que planejava mais cedo com o seu pai.

         Reili estava guardando suas coisas na sala, e Taylor chegou conseguindo realizar o que planejava. Estava entrando com duas taças nas mãos e uma garrafa de vinho e na outra mão trazia a pizza do restaurante do seu pai. Ela sorriu olhando.

– Ainda ta aqui.. Pra que isso?

- Achei que alguém poderia dividir uma pizza comigo - Disse ele colocando em cima da mesa.

- E esse alguém sou eu? – Reili perguntou.

Sim - Taylor balançou a cabeça.  

– Olha, a pizza está fria. Tive que deixar com o Fred, o cozinheiro do shopping. Não tenho onde esquentar essa hora.

- Ta brincando! Eu amo pizza assim - Disse ela abrindo a caixa.

- Que bom.

- Isso me lembra quando a minha mãe trabalhava em uma lanchonete. Ela trazia pizza a noite e eu tomava café com pizza. Eu morro de saudades disso. - Disse ela colocando a pizza na boca.

- Hum. A garota que vive contando as calorias já tomou café com pizza?!      Disse ele rindo.

- Eu já fui má. Ok. Uma vez, eu apostei com o Gean que conseguiria comer um pote inteiro de sorvete. E uma vez foi de chantili. Nossa! Eu acabei com aquele pote de chantili! - Disse ela rindo e se sentando na cadeira.

- Nossa! Estou vendo o quanto você é má! - Disse ele irônico rindo dela.

Ela tomou um pouco do vinho e olhou pra ele.

- Ta ouvindo isso? - Disse ele estranhando.

Ela parou. Olhando para os lados.

 – O que? - Ele se levantou indo para fora da loja.

E olhando pra baixo. O carrossel do meio do shopping tinha ligado.

- Como desliga isso? - Disse ela chegando perto dele.

- Não sei. Vem. - Falou ele Taylor  puxando-a.

Ele olhou em volta do carrossel.

- Eu não faço a mínima idéia.  - Disse ele serio rodando o carrossel em busca de um Butão qualquer.

Ele parou na frente dela. E sorriu.

- Não - Disse ela rindo.

- Não, o que?

- Não vai fazer agente subir nisso - Falou ela rindo.

- Você leu meus pensamentos – Taylor disse subindo no carrossel e puxando Reili.

         Eles começaram a rir do carrossel rodando.

         De repente eles pararam tão próximo. Um hipnotizado com o outro. E ficaram totalmente sérios, um admirando o outro. Até que Taylor se aproximou mais do seu rosto e a beijou.

         Em alguns segundos ele se mostrou arrependido. E afastou o rosto com a desculpa na ponta da língua. – Reili, me desculpa! Eu...    

         Ela interrompeu puxando novamente Taylor para um beijo mais intenso e ele continuou esquecendo que ela tinha namorado, que ela era a chefe e que eles tinham se desentendido algumas vezes. Depois de alguns segundos, Reili começou a pensar no que estava fazendo e se afastou dele.

- Ai meu Deus. Desculpe-me, eu, eu não posso. - Disse ela se virando e saindo dali com os olhos cheios de lagrimas.
- Reili - Disse ele, mas ela ignorou saindo.

         Ela foi até a sua sala pegar suas coisas para ir embora totalmente apressada. Secando suas lagrimas. Ela estava começando a ficar confusa. Seus sentimentos estavam sendo afetados pelo Taylor. Ela começava a refletir sobre George

George entrou na sala – Reili?

Reili olhou assustada

 – George, oi.

- Ainda não tinha chegado à sua casa. Liguei pra lá. Então eu vim te buscar.

- É... Eu vou... Buscar minha bolsa. – Reili gaguejou e saiu deixando George sozinho.

- Tá - Disse ele enquanto ela saia dali.

George olhou para o lado e havia uma pizza com a caixa do restaurante do pai do Taylor e duas taças de vinho sobre a mesa.

         Taylor entrou pela porta e George se virou entendendo o que tinha acontecido ali mas se manteve calmo com olhar totalmente superior de sempre.

- Olá, Taylor.

- Oi. – Taylor respondeu normalmente.

- E então como vai o trabalho como garoto objeto?

- Vai bem... Obrigado.

- Isso é bom, Reili teve uma idéia fantástica. Ela sempre é assim. Foi por isso que escolhi casar com ela. Você sabe né?

- O que? – Taylor perguntou aflito.

- Reile e eu estamos em breve ganhando a nossa promoção e iremos gerenciar um novo shopping em outro estado. Iremos morar lá e ela tem isso em mente há tanto tempo.

- Só quero a felicidade dela, então tudo bem. - Taylor entendeu o recado e se preparou para sair.

- Ótimo. Eu sei que quer.

         Reili interrompeu voltando para sua sala.

- Taylor? - Disse ela um pouco surpresa por ele esta ali ainda. Os olhos de Reili não mentiam. Ela estava muito mal agora pela situação. Ela estava preocupada como se quisesse ir com ele em vez de George.

– Então.. eu, vou ir embora - Taylor olhou pra ela meio sem graça.

         Ela balançou a cabeça que sim segurando as lagrimas.
         Ele apertou os lábios.

– Então, até amanhã Reili -  Disse ele se virando aos poucos e saindo.

         Ela indagava de minuto a minuto tentando não deixar as lagrimas caírem.

*****

         Reili e George estavam em um restaurante, mas Reili não conseguia pensar em nada direito enquanto George falava.

- Eu queria te fazer um convite. - Disse ele prendendo a atenção dela agora.

- Pode fazer.

- Eu queria que você fosse comigo pra Phoenix conhecer meus pais.

- Conhecer seus pais? Estamos namorando há 1 ano. Pensei que eu não ia mais conhecê-los - Disse ela rindo.

- É que eles são muito rigorosos com isso..

- Imagino. 1 ano pra conhecer eles - Disse ela rindo.

- E eu queria que fôssemos no dia 25. Depois do evento.

Ela se lembrou do que aconteceria com o restaurante da família do Taylor.

- O que foi?

- Não podemos ir na próxima semana? - Disse ela sem graça.

- Hey, vamos dar prioridade.. Se não eu terei que ir sozinho.

- Vamos fazer algo romântico? Eu estou precisando. Vamos sair - Disse ela cortando. Ela não queria sentir as confusões que estava sentido.

- Pra que isso? Essa semana? Podemos ir pra lá - Disse ele estranhando.

         Ela olhou para a TV atrás dele e passava a reportagem do Taylor que havia sido gravada mais cedo. Ele parou pensativo eolhou para trás pra direção que ela estava olhando.

- Esse.. Taylor.. Ele é daquela família que fechará o restaurante, não é mesmo? Muita gente gosta de lá.

- O restaurante não vai fechar - Disse ela como se quisesse defender.

         George percebeu, mas ficou quieto.

         No dia seguinte, Reili recebeu a mensagem do seu chefe, dizendo que estava confirmado. O shopping “Ellares” estava em 1º lugar, ele dava a má noticia que mesmo assim teria que fechar e então ela foi até lá.

- O que ta fazendo aqui Reili? - Perguntou George enquanto ela  entrava na empresa responsável pelo shopping onde seu chefe trabalhava.

- Eu vim falar com meu chefe. Ele me deixou uma mensagem dizendo que ia fechar meu shopping em janeiro!

- Calma... Você... - Disse ele sorrindo.

- Calma Nada! Lá tem muita gente boa! Muita gente que não merece isso!

- Hey.. calma.. Eles são bons vão encontrar outro lugar - Disse ele sorrindo.

         Reilei respirou fundo e ignorou ele procurando seu chefe pelos corredores e finalmente ela encontrou.

- Oi.. Parabéns senhorita Reili - Disse ele sorrindo.

         Ela impaciente se controlava.

- Por que vai fechar o shopping? Você disse que se ele chegasse a 1º lugar ele não fecharia!

- Impossível deixar ele aberto. Se manteve esse mês, e quando o natal for embora?

- Mas, tem muita gente boa ali, não pode demitir todo mundo. - Disse ela quase chorando.

- Sinto muito por eles. Se eles não forem embora. Eu vou. E você também.

         Ela respirou fundo.

- Não posso apunhalar eles pelas costas, se eu ganhei essa promoção, foi por causa deles! Eles me ajudaram!

- Você tem sua promoção. Seus amigos.. Bom, família, sei lá, terá de ir. Vejo-te ano que vem no próximo shopping em outro estado.  -  Disse ele sorrindo e se retirando.

         Ela indagou. Segurando as lagrimas e olhou para o lado. E ali estava uma maquete de um shopping. E ela leu a placa ao lado.

         “Shopping Desort.”

         Ela não acreditou no que estava descobrindo. A mesma empresa que ela trabalhava, a que ela contribuía com toda a ideia fazendo o shopping render mais verbas, era aquela mesma empresa que estava fechando o restaurante da família do Taylor. O que ela falaria para ele agora? Que ele trabalhava também para a empresa que fecharia o seu restaurante?

         Ela deixou as lágrimas caírem saindo de lá furiosa.

*******

- Ai.. amiga. Ele me disse que se o shopping chegasse em 1º lugar não iria fechar, a gente chegou, mas ele vai fechar mesmo assim! Que raiva.          Falou Reili se apoiando no armário e chorando de raiva.

- Amiga.. Não fica assim... Você tentou. Foi justa. Você está se importando. É isso que importa. - Disse Naila alisando as costas dela.

- É! Mas e dai?! Todo mundo vai ficar sem emprego enquanto eu ganho minha promoção?!

- Calma amiga... Eu te entendo. Eu sei como você pensa, mas o que você vai fazer a respeito disso? Vai contar a todos?

- Não sei - Reili ficou pensativa.

- Sabe... Eu pensei que você iria deixar isso subir a cabeça, pensei que você estava se tornando alguém que não curto - Disse Naila sorrindo.

Reili continuou pensativa olhando para o nada.

- Reili? O que foi? Tem mais?
 - Tem - disse ela olhando para Naila cheia de lagrimas nos olhos.

- O Que?

- O Taylor.. Eu descobri que a mesma empresa que nós trabalhamos e a que ele também trabalha, é a que vai fechar o restaurante dele pra construir aquele shopping.

         Ela ficou assustada.

- Você sabia disso? – Naila perguntou com tom reprovativo.

- Não! Eu juro... Isso eu fiquei sabendo hoje, ninguém me contou. Eu vi! Quando fui ao escritório do Lucio.

         Ela olhou pelo vidro e podia ver o meio do shopping.  Taylor estava fazendo seu trabalho.

- Reili por que ta tão balançada com isso? Você é sensível, mas não com qualquer pessoa.

         Reili ficou em silencio ainda olhando Taylor trabalhar.

- Reili!! Você ta gostando do Taylor!!! - Disse ela surpresa.

         E Reili se assustou com que ouviu.

– Não! Não. Que isso. Ficou doida?

- Está sim. Você não ficaria assim atoa.. Reili!   - Disse ela rindo.

- Eu aqui preocupada com as coisas e você vem me falar de amor, oras!    

         Disse Reili se afastando de Naila.

- Espere. O que você vai falar pra ele?

Reili respirou fundo.

– Eu sei que tenho que falar, mas estou morrendo de medo.

- Não acredito que vai fazer ele trabalhar sem saber disto!

- Eu sei! Eu sei que é errado, mas ele vai parar o trabalho quando souber.

         Naila olhou totalmente decepcionada com Reili.

- Não acredito que você vai fazer isso. Reili. Sinceramente. Eu estava enganada. Seu foco esta te deixando cega.

         Reili ficou quieta e muito pensativa.

- Pode deixar, eu não vou contar. Isso é problema seu. A consciência é sua. Eu estarei na véspera de natal no restaurante do Taylor. Ele convidou todos os amigos próximos do shopping. E eu acho que você não será mais a nossa. Então, se divirta no seu evento enquanto isso.   

         Disse Naila batendo a porta. Reili se mostrou pensativa demais.

         Reili foi continuar fazendo o seu trabalho, foi analisar tudo. Era hora de descanso. Reili foi conversar com Stevan.

         Taylor observava em uma brecha Reili de longe enquanto estava sentado na cadeira do camarim. Ele olhava meio triste e pensativo.

         Gean sentou do lado dele.

-huuuum. Que carinha triste.. Me diga. Quem é, e o que ela fez pra te deixar assim?

         Taylor sorriu sem graça e olhou novamente para Reili.

- Ai meu Deus!! Não me diga que é a Reili...

         Taylor ficou mais sem graça ainda.

- Taylor.. Quer um conselho?! Olha! Se gosta dela. Vai lá e fala.

- Não é tão fácil assim.

- Não, mas quer uma motivação? Vai lá. Conta pra ela. Melhor contar logo.. Antes que você fique no fundo do poço.

- Fundo do poço? - Perguntou Taylor confuso.                           

- É.. a zona do amigo. - Falou Gean entristecido olhando para Stevan.

         Taylor sorriu pra ele.  

– Deveria seguir o seu conselho também.
                       
- Eu sei. Eu prometo tentar se você tentar antes - Disse ele sorrindo.

- Obrigado Gean, eu prometo que vou tentar. Taylor deu um sorriso totalmente sem graça e ficou pensativo.

         Quando terminou todas as apresentações, Taylor foi vestido de papai Noel Sexy, assim mesmo para a sala de Reili.

- Reili. Preciso de contar uma coisa! - Disse Taylor sem graça, mas animado.

         Reili olhou pra ele triste. Segurando as lagrimas.

- Eu preciso muito falar com você também e eu não posso mais esperar! - Disse ela quase chorando.

- O que houve? - Perguntou ele preocupado.

- Taylor, olha.. Eu preciso de contar uma coisa. Que... Eu não sei nem por onde começar.

         Ele se sentou.

- Taylor.. A empresa que vai quer fechar o seu restaurante é a mesma que daqui do shopping.

- O que? - Disse ele sussurrando totalmente surpreso.

- Me desculpa! Eu não sabia! Eu juro. Eu fui confirmar se o shopping ia ser fechado por que eu fiquei sabendo disso há uma semana, então quando fui lá e descobri, eu lamento.

- Espere aí. Você ta me dizendo que sabe que o shopping vai fechar há uma semana. E não sabia que você trabalhava pra mesma empresa que está contra o restaurante.

- Taylor... Acredita em mim.

- Não. Eu não acredito. Você poderia ter me dito! - Disse ele levantando.

- Eu não sabia!

- Eu não acredito! Você se preocupa somente com a sua promoção idiota! Só me contou agora por que está perto do natal e eu poderia desistir do seu projeto!

- Não é isso, Taylor, eu juro.

- É claro que é.  Você perderia sua promoção! Eu achei você fria quando te conheci, mas agora, tenho certeza que é uma pedra de gelo por dentro.

         Taylor saiu andando.

- Taylor! Por favor. Acredita em mim.

         Ele olhou pra ela e saiu.

– Eu me demito.

         Ela se sentou chorando, sua vida profissional estava se ajeitando, mas ela se sentia péssima. Daqui há 3 dias seriam a véspera de natal e o restaurante de Taylor seria fechado, mas Reili não estava se conformando com isso.

         No restaurante Taylor estava trabalhando normalmente. Seu pai recebeu um telefonema que o restaurante seria fechado dia 25 de dezembro mesmo. E eles não teriam direito algum de recorrer. Pois nem o prefeito da cidade que era o único que estava dando apoio judicial para continuar mantendo o restaurante desistiu e foi para outro pais de férias.

         Taylor pegou o cheque do seu bolso e iria entregar seu pai. Mais seu pai recusou.

- Coloca na sua poupança filho. Pra ajudar a pagar sua faculdade.

Taylor ficou pensativo e colocou no bolso.

- Vamos guardar algumas coisas?

         Taylor olhou para o restaurante e seus olhos encheram de lagrimas.

– Desculpa pai. Perder isso é demais. Eu não vou ter forças pra tirar nada do lugar.

Disse ele saindo dali querendo ficar sozinho e foi direto para a cozinha e se sentou na mesa. Passando as mãos no rosto. Seu pai seguiu até lá.

- Ei... fica calmo.. Esta assim impaciente somente por isso? Acredito que não.. Eu conheço você..

         Ele ficou sem graça e olhou pro chão.

- Eu sei que você está assim por causa daquela moça Pense bem filho, vai valer a pena lutar por ela.

- Não dá.

- Ela não tem tanta culpa disso. Você sabe. Ela só trabalha na empresa. E você também trabalhou.

- Eu deveria ficar com raiva de você também? - Completou o seu pai.

- Não pai.

- Então.. a desculpe..

Ele Balançou a cabeça.

- Vamos anda.. Eu preciso da sua ajuda. Vamos guardar as coisas enquanto comemoramos o natal. Vem - Disse o pai dele.

         Naila, Gean, Stevan e alguns mais próximos do Taylor estavam lá. Dançavam, cantavam e ao mesmo tempo ajudava a colocar os objetos pequenos dentro das caixas.

         Do outro lado da cidade. Reili estava super mal naquele evento.

- Reili, o que foi? Parece incomodada com alguma coisa.  - Disse George.

- Eu estou. Acha pouco? O pessoal do shopping vão ser demitidos. Daqui há um mês, enquanto eu recebo uma promoção.

– Que isso... Isso não é o fim do mundo... O Lucio já estava certo de fazer isso.

- Como é que é? Você já sabia que ele faria isso, e não me falou nada?

         George ficou sem graça.

– Por quê? Pra você se sentir assim?

         Ela ficou pensativa. George era como Lucio e todos os outros construtores.
- Esse dinheiro foi ótimo. Ele acelerou as coisas da próxima construção do shopping Desort.

- O que? Como assim? - Perguntou ela o olhando nos olhos.

- Graças a essas verbas, o prefeito daquela cidade esta muito bem com seus familiares.. De férias... Viajando... Entendi? - Disse ele rindo sarcástico.

         Ela olhou pra ele enojada.

- Foi a empresa que subordinou o prefeito.. E quem é responsável desta área é você! - Disse ela irritada.

– Reili... Não se importe com isso.. Hoje é seu dia! Você conseguiu o que queria..

         Disse ele enquanto ela se afastava.

– Me esquece.

         Quando ela estava perto da saída o Chefe de Reili anunciou:

- Hoje todos sabem que a nossa querida Reili, será mais uma vez promovida. Ela está conosco desde seus 17 anos.

         Ela parou e olhou com os olhos cheios de lagrimas.

- Venha dividir conosco a sua experiência. - Disse ele esticando as mãos pra entregar o microfone pra ela.

          Ela o olhou furiosa. E respirou fundo e pegou o microfone.

- Eu aprendi muito esse ano.. Coisas que eu não pensava que iria pensar... Coisas que...

         Reili limpou a lágrima que caiu.

 – E eu não consigo ficar bem com essa situação, muita gente vai perder o emprego.. Pessoas que me ajudaram a estar aqui. Uma vez.. um homem me disse.. que o natal é da família.. E aquela gente é a minha família.. E eu não posso decepcionar a minha família. Eu não posso continuar nisso.

         Todo mundo ficou em silencio.

- Desculpa. - Falou ela entregando o microfone na mão dele.

- O Que? Reili! Ficou doida?! Era o que você tanto queria!    Disse seu Chefe.

- Eu não quero mais. - Disse ela.

- Você esta assim por causa daquelas pessoas?

- Não só por isso! Eu descobri tudo que você fez. Esquece aquele restaurante! Você não vai fechar ele mais!

- O que você sabe? - Perguntou cínico e irônico.

- Agora eu posso conseguir provas de que você subordinou o prefeito com George; quer mesmo me desafiar?

          O chefe ficou assustado e indagou.

- Esquece o restaurante, senão amanhã a notícia se espalha.  - Disse ela saindo.

Ela tentou pegar um Taxi, mas os taxis estavam passando direto. E ela começou a gritar, por favor, para eles pararem e o senhor Naldo estava chegando perto dela.

- Hey.. quer ajuda?

- Você ainda vem me ajudar? Depois do que eu fiz com você? - Disse ela triste.

- Hey.. é fácil conseguir outro emprego nessa época de natal. E eu estou aqui no evento, não estou? Eu ouvi o que você disse.. Foi em bonito da sua parte.

         Ela sorriu segurando as lágrimas.

- Espere ai - Disse ele sorrindo e acenou para o taxi e ele parou.

- Obrigado senhor Naldo.

- De nada minha filha. Feliz natal! - Sorriu ele.

         Reili entrou no carro indo direto até o restaurante. Ela entrou desesperada. Estava contente. Ela havia conseguido que a empresa não fechasse no restaurante. Ela tinha que dar essa noticia pessoalmente. E já estava dando a noticia na TV, mas ninguém no restaurante olhou pra televisão.

         Gean finalmente conseguiu neste tempo se declarar para o seu amigo Stevan e ele confirmou com as mãos para o Taylor.
         Reili entrou pela porta e viu o pai de Taylor colocando as fotos do casamento dele dentro de uma caixa. Tirando todos os quadros da parede.

         Naila e outros amigos próximos estavam dançando.

– Cadê o Taylor? - Reili foi correndo até a cunhada do Taylor.

         O irmão do Taylor fechou a cara passando.

- Ele não está. Provavelmente esta com uma garota agora.

         Ela ficou sem graça, e a cunhada do Taylor riu.

- Ignora ele. Vem. Vou te levar até ele. Ele ta aqui atrás.

         Ela levou ela até a porta de trás.  Taylor estava na varanda sentado num banco com uma pizza e uma taça de vinha. Ele olhou pro lado totalmente serio.

         E Reili sorriu. Mas cortou o sorriso aos poucos.

- Oi...

- Por que esta aqui? - Disse ele.

- Não me convidaria? - Perguntou ela.

- Não. - disse ele colocando a taça no banco.

- Taylor.. Eu.. Eu tenho que te contar uma coisa muito importante.

- Não importa agora.

- por quê? Calma. Deixe-me dizer. Ok?

- Fala - Disse ele respirando fundo.

- Eu não fiquei com a promoção, eu descobri que subordinaram o prefeito. Por isso ele não ajudaria mais. E... Eu chantageei meu chefe. Bom, Ex chefe. Pra ele não fechar o restaurante. Ele vai desistiu de tudo. Provavelmente agora já estão anunciando. - Ela sorriu.

         Ele sorriu como se ainda estivesse querendo mostrar durão.

- Por que fez isso?

- Por que eu desisti de tudo desde quando te conheci de verdade. Não quero fazer mais nada além de ficar perto de você..

Ele sorriu – O que? Ta falando serio? 

- Taylor.. Eu.. Eu te amo.

         Ele se aproximou serio dela. E ela se preocupou. Parecia que ele não havia gostado.

         E ele sorriu.

 – Eu também te amo. Eu queria te dizer isso tem um tempo.  - Disse ele rindo sem graça.

Ela riu. – seriooo?!

         Ele a beijou a abraçando e a rodando nos braços.

         Taylor contou a todos que estavam lá no restaurante. E eles dois foram juntos tirar a placa da frente do restaurante que dizia que eles fechariam.

          Reili agora tinha uma família para comemorar todos os natais. E sua família cresceria mais muito em breve.

Fim.

Comente o que achou :D

FELIZ NATAL!


3 comentários:

  1. Já tem um tempo que não leio fics, porem quando vi a capa me chamou muito atenção e toda a historia, nem se fala. Ficou perfeita, meus parabéns e pena que é uma One, por que adoraria mais capítulos rsrs <3

    ResponderExcluir
  2. Obr gente! :)
    Saber que vcs gostaram..

    E é sempre bom saber que agradei pelas duas formas :D
    Pelo design e pela escrita e é claro que com a beta Val, tudo fica melhortbm ;D

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário! A sua opinião sobre as fanfics é muito importante para que os autores continuem escrevendo. Fale sobre o mais gostou, sobre o que espera ler nos capítulos seguintes. Comente sobre seus personagens favoritos e os que mais detesta. Não deixe de comentar, seja mais ativo e evite que as fanfics entrem em hiatos por desmotivação da autora em escrever. Não seja um leitores fantasma. Comente agora mesmo!

DEIXE SEU RECADO!

SITE DE NOTICIAS - TAYLOR LAUTNER MANIA