12 janeiro 2015

Fanfiction: Your Love Is My Drug - CAP 6

Your Love Is My Drug
Escrita por: Kelly Tatto
Reescrita por: Jessica Keli.


* P.O.V Lisa *

Ir para casa no mesmo carro que o Taylor foi um pouco constrangedor, até pensei em ir no outro carro, mas ia ficar um clima chato entre nós e eu não queria que "aquilo" atrapalhasse nossa amizade.

Bom, de começo foi um pouco irritante aquele silêncio, mas depois, me ajudou a pensar no que eu deveria fazer. Talvez eu devesse ligar o rádio e deixar em qualquer estação, ou então, poderia puxar assunto com o Taylor, mas digamos que essa opção não me deixa lá tão animada.


É, optei pela 1ª opção...


Cameron logo reclamou da música "lenta e entediante", segundo ele, e fez questão de se colocar entre mim e o Taylor, tentando mudar a estação.

– Ér... Gente... Vamos conversar? - Sugeriu Lary.

– Sobre? - Taylor, no momento em que eu desliguei o rádio.

– Hum, vamos comentar as melhores partes do passeio! - Lary.

– Por onde começamos? - perguntei.

Todos começaram a pensar e Cameron foi o primeiro a falar:

– Taylor, lembra do teu avô queimando seu filme? - Começou a rir - Ele falando que a Lisa era tua namorada.

Na mesma hora, corei, fiquei sem reação.

Em seguida, olhei para Taylor, ele estava olhando para mim, mas desviou o olhar e continuou prestando atenção na estrada.

Ouvi um "Aii" vindo do Cameron, certamente a Lary deve ter lhe dado um beliscão ou algo do tipo.

– Bom, agora é a minha vez - começou ela - Para mim, a melhor parte, foi a gente riscando o Taylor!

Acho que ela estava no caminho certo, já que o Taylor riu, estava começando a se descontrair.

– Sabe por que foi boa? - Taylor - Por que vocês piram no meu corpo!

No mesmo instante, Cameron deu um tapa de leve na cabeça do Taylor, dizendo.

– Se tá maluco mermão? Olha o respeito. O único corpo que a minha mina pira, é no meu.

– Mals aê, mas eu não estava me direcionando somente a ela! - Foi então que ele olhou para mim e levantou a sobrancelha. - Vai dizer que tu não curte, Lisa?

Que mal teria em dizer a verdade?

– Sim, eu curto, teu corpo é muito bonito!

Melhor falar "bonito" do que "gostoso".

– Sou gostoso pra você?

Cara, ele estava lendo meus pensamentos?

Não sabia que ele era tão solto assim. Mordi o lábio e respondi:

– Sim, você é.

Percebi que ele gostou da resposta ao abrir um sorriso meio torto, que confessando, me seduziu.

– Se você não estivesse com o Ryan, você ficaria comigo?

Okay...

– Quer mesmo falar sobre isso?

– Quero!

Olho pra trás e vejo que os dois estão desconfortáveis, acho que até eu estou com o rumo que aquela conversa está tomando.

– Então, Lisa, você ficaria comigo, se não estivesse com o Ryan?

– Taylor, entenda... - Mas ele não deixou eu terminar.

– Lisa, eu disse "você ficaria comigo, SE não estivesse com o Ryan?" - Ele deu uma ênfase no "Se".

– Acho melhor mudarmos de assunto! - Foi a melhor solução. - Então, como vocês se conheceram? - Perguntei olhando para Larissa e para o Cameron.

[...]

Conversamos o caminho inteiro, mas não voltamos aquele assunto.

Bom, quando chegamos, Taylor fez questão de me deixar em casa, disse que era meio perigoso eu pegar taxi essas horas e tal.

– Acho que ja vou! - Disse, abrindo a porta do carro.

– Ei, espera! - Ele segurou meu braço.

– O que foi?

– Você ta chateada comigo?

– Não Taylor, que isso, foi só um beijo. - Realmente eu não estava chateada.

– Pra você, mas pra mim, foi algo... - Ele suspirou e continuou - ... algo que eu não sei...

Coloquei meu dedo indicador sobre seus lábios, mostrando que ele não precisava falar nada.

Dei um selinho demorado nele, enquanto segurava sua nuca e disse:

– Boa Noite!

Enquanto saía do carro, vi ele abrindo um sorriso, buzinou e saiu com o carro.

Foi então que eu caí na real:

O QUE FOI QUE EU FIZ?

Não poderia ter feito isso!

"Lisa, sua idiota, você esqueceu que está com o Ryan?" Pensei.


[...]

Já no meu quarto, comecei a pensar sobre o assunto enquanto tomava um banho quente.

Por que eu fiquei tão mexida quando soube que Taylor gostava de mim? E o que foi aquele beijo na praia? Por que eu continuei? Por que que no carro eu simplesmente não disse "Não Taylor, eu não ficaria com você se eu não estivesse com o Ryan" ? Será que eu ficaria? E o que foi esse selinho de boa noite?

Talvez eu sinta alguma coisa por Taylor, não uma coisa forte, mas pelo menos alguma atração. Será seu corpo? Ou o seu jeito fofo? Ou será que é seu jeito tímido, mas as vezes atrevido? É, aquele beijo conseguiu despertar tudo isso de dentro de mim.

Mesmo sentindo aquilo, ele tinha que entender, talvez, EU precisasse entender, que nada é mais forte pelo o que eu sinto por Ryan, é ele que eu amo, e isso, o Taylor não pode mudar.

Quer saber? Acho que vou dormir, esquecer um pouco tudo isso!


Mesmo estando extremamente cansada, não consigo pegar no sono tão rápido, começo a me lembrar da viagem, dos momentos de risadas, da gente no quarto dos meninos riscando o corpo do Taylor, e que corpo hein? Da nossa caminhada na praia, do beijo....

O Beijo.
– Filha, acorda!

Foi tudo que eu consegui ouvir, quando minha mãe me sacudia na cama.

Sei que eu tinha que levantar, mas poxa, é segunda-feira de manhã, estava um dia ótimo para ficar o tempo inteiro no lugar mais confortável do mundo: minha cama.

Minha mãe abriu a cortina do meu quarto, o que fez um grande clarão entrar pela janela e pegar diretamente no meu rosto.


Levantei com aquela coragem, fui no banheiro, fiz minha higiene bucal e ainda de pijama, desci para tomar café.

Comi algumas panquecas enquanto assistia Tv, sempre as mesmas bobeiras de sempre.

Logo depois que eu lavei a louça, subi para tomar um banho e me trocar.

Não, não fui totalmente arrumada, simplesmente coloquei uma calça jeans, uma regata caída, um casaco por cima e algumas pulseiras, fui com o cabelo solto mesmo, a preguiça me impedia de me arrumar.

Fui andando mesmo, não queria encontrar com o Ryan depois do que eu tinha feito.

Quando chego na escola, percebo que ele ainda não chegou e vou direto para o meu armário, olho para o estacionamento e também não vejo o carro do Taylor, nem o do pai dele.

Como eu iria falar com eles?

– Oi Lisa!

Vejo Gabi parada ao meu lado, sorrindo e linda como sempre!

– Oi amiga!

– E aí, como foi o passeio?

– Ah foi legal.

– Legal? Só isso?

– Não né, a gente zuou muito!

– Hum, o que aconteceu Lisa?

– Nada ué!

Ta, a Gabi era a minha melhor amiga, mas não tenho coragem de contar pra ela que fiquei com o Taylor, afinal ela também é amiga do Ryan.

– Hum, me diga, como foi que vocês zuaram?

Contei tudo, quer dizer, quase tudo, contei da gente riscando o Taylor, das danças, dos figurinos, da tarde na piscina...

Foi quando o Taylor chegou e começou aquela adrenalina dentro de mim:

– Oi Lisa! - Ele me deu um beijo na bochecha e falou com a Gabi também.

– Ér, Oi - falei sem jeito.

– Fiquei sabendo que o final de semana valeu a pena, hein? - Gabi olhava de um jeito para o Taylor, admirando-o, que me deixava enciumada.

– Depende né, do que você ficou sabendo?

– De tudo, obviamente! - Gabi.

– Ou seja, a gente te riscando, piscina, danças.... - Falei

– Atah... Foi disso que você ficou sabendo!

– Por que? Teve algo mais?

– Claro que não né, Gabi? Se não eu ja teria te contado!

– Hum..Sei Sei. - ela nos olhou um pouco desconfiada - Bom, eu vou deixar vocês dois conversarem um pouco, vou procurar o resto do povo.

– Okay. - Taylor.

– Gabi, você sabe por quê que o Ryan não veio? - perguntei.

Pude perceber que Taylor foi ficando chateado.

– Vish, ele ta de ressaca... Ficou sabendo, não? - Gabi.

– Hum, entendi. - Fiquei triste com a notícia, ele disse que iria mudar. - Bom, depois eu falo com ele.

– Tá bom, vou indo.

– Precisava fazer isso? - Taylor.

– O que?

– Perguntar daquele idiota na minha frente.

– Olha, sei que você não gosta dele, mas ele ainda é meu namorado.

– Mas ele não te trata como a namorada dele.

– Por que diz isso?

– É só ver o comportamento de vocês.

– Nada a ver, Taylor.

– Cara, fica logo comigo, você sabe que eu te faço muito mais feliz que ele.

– Não, não faz.

– Sério?

– Sim.

– Então por que você me deu um selinho, mesmo estando com ele e ainda sorriu?

– Olha, aquilo foi um acidente, okay?

– Acidente? Prefiro acreditar que você está tendo uma quedinha por mim.

– Para de falar besteira, Taylor.

Nisso, o sinal tocou...

– Não é besteria, e você sabe disso, te procuro mais tarde!

Ele entrou na sala de artes enquanto eu ía em direção ao laboratório.

Cara, eu sorri? Sério mesmo?

Ta, chega de pensar nisso, se preocupe em prestar atenção na aula.

[...]

Quando deu a hora de ir pra casa, vi Taylor guardando seus materiais, eu estava pensando muito nele, ainda mais sem o Ryan aqui....

Ryan... Lembrei que eu tinha que ligar pra ele.

– Alô?

– Oi amor!

– Ah, oi Lisa.

– Você ta melhor?

– Ahan.

– Vamos sair hoje?

– Não dá.

– Por quê?

– Tenho um compromisso.

– Qual?

– Coisa de homem.

– Não tem como marcar pra outro dia?

– Não.. Beijos, tenho que desligar.

E desligou na minha cara... Bom, não queria ir pra casa, então resolvi caminhar pela cidade, fazia um bom tempo que não "andava".

Passei em frente à biblioteca que tinha um cartaz pendurado que dizia: Precisa-se de atendente".

Resolvi entrar paara dar uma olhada.

– Ér, vi que vocês estão precisando de uma atendente, gostaria de saber como faço para conseguir o emprego.

– Olha, não precisa de muito esforço. Só necessitamos de alguém que possa ficar a tarde inteira aqui, e muitos desistem porque querem ficar com seus amigos, namorado e etc. - Falou uma mulher baixinha, que aparentava ter uns 50 anos e que usava óculos.

– Bom, eu posso ficar aqui e to necessitando de uma grana mesmo.

– Qual seu nome?

– Lisa.

– Quer mesmo trabalhar aqui?

– Sim. Eu ainda fico lendo os livros.... Quer dizer, eu posso ler né?

– Claro - ela deu uma risadinha. - Afinal, você está em uma biblioteca.

– Verdade- ri junto - Sou meio lezada. Quando começo?

– Amanhã. Poderia vir um pouco mais cedo para eu te ensinar como fazer os registros no computador?

– Claro....Sem problema.

Saí da biblioteca e cara, eu tinha arrumado meu primeiro emprego, isso é sério?

Queria contar para alguém, mas todos estavam tão ocupados que não aceitariam sair comigo.

Bom, já que não tinha ninguém...Fui para casa, iria contar a novidade para a minha mãe e tentar falar com o meu pai.

No caminho de casa, passei na minha tia, meu pai esta "hospedado" lá, até arranjar um lugar melhor, pensei em conversar um pouco com ele, é muito estranho não ter ele com a gente.

Toquei a campainha e esperei um pouco.

Minha tia abriu a porta e já foi me convidando para entrar!

– Oi tia, tudo bem?


– Tudo sim, querida! E você?

– To bem! Cadê meu pai?

– Ah ele ta lá no jardim com seu tio.

– Bom, então eu vou ir lá.

– Ta bom.

Passei pela cozinha e saí pelas portas do fundo, meu pai estava la sentado conversando sobe carros junto com o meu tio.

Ele se levantou, parecia feliz e veio me abraçar, já não tinha mais raiva dele, e como a saudade era enorme, abracei ele com todas as minhas forças.

– Estou feliz em te ver aqui!

– Se eu não venho te visitar, a gente nunca mais iria se ver.

– Você sabe que sua mãe não quer me ver nem pitado de ouro.- riu baixo.

– Ta, mas existe outros lugares, sabia?

– Ah para de drama vai.

– Não é drama. - Falei fazendo biquinho.

De repente ele ficou sério.

– Filha, me desculpa pela aquela noite, não queria ter te batido, eu perdi a cabeça.... Fui um completo idiota.

– É pai, aquela noite foi difícil, mas deixa quieto, já passou. Agora eu só to preocupada com uma coisa, aonde é que você vai morar?


[...]


Fiquei feliz em ver meu pai hoje, não sabia como reagiria a essa situação, mas a saudade dele ganhou de tudo. Agora, que ele vai morar próximo da minha casa, poderei vê-lo semore.

Bom, nem me dei conta do tempo, e quando fui ver, já era umas 18h, comecei a caminhar de volta pra casa.

Fiquei pensando no Ryan, fazia tempo que eu não via ele, estava ausente na minha vida, talvez, ficou sabendo sobre meus pais, já que alguem deve ter contado e acho que ele nem se importou de eu ter passado o fim de semana inteiro ao lado do Taylor.... É, to perdendo o valor pra ele.


Assim que eu cheguei em casa, a primeira coisa que falei foi:

– MÃÃE...TO TRABALHANDO!

Minha mãe saiu da cozinha enquanto secava as mãos, fez cara de espantada e perguntou:

– Por que?

– Ué, já tenho 16 anos, tenho que trabalhar, concorda?

– Concordo, mas por quê você arrumou um emprego sem ninguém mandar? Logo a menina mais preguiçosa do mundo.

– Ah, precisava fazer alguma coisa.

– Então tá né, mas arrumou emprego aonde?

– Na biblioteca.

– E quando você começa?

– Amanhã, só que tenho que chegar um pouco mais cedo, pra aprender os negócios dos registros e tal.

– Atah, entendi. E filha, cadê o Ryan? Ele sumiu né?

– Nem me fale, mãe. Já to cheia de problema e ele parece que ta me evitando.

– Por quê?

– Sei lá, ligo ele não atende e quando atende, diz que ta ocupado e assim vai.

– Já tentou falar com ele?

– Quem disse que ele ta indo pra escola? Hoje mesmo não foi porque tava de ressaca, segundo a Gabi.

– Esse menino não toma jeito viu.

– Não mesmo, mãe. Bom, vou subir e fazer o dever de casa.

– Ta bom e eu vou terminar de preparar o jantar.

Subi a escada com aquela coragem e assim que cheguei no meu quarto, me joguei na cama, fazer lição? Isso é pros fracos.

To meio que anciosa pra começar a trabalhar, mas também to com preguiça, vou ter que ficar lá a tarde inteira....Véi, isso não é bem a minha cara.

Meu celular começou a tocar, peguei ele na bolsa toda esperançosa, ciente de que era o Ryan, mas na verdade era uma mensagem do Taylor.

*Oii, minha linda! Tudo bem? Vamos sair essa noite?*

Velho, ele não desiste mesmo, e cara, é segunda-feira.

*Oii Taylor! Tudo sim e com você? Hum, hoje? Poxa, amanhã temos que acordar cedo*

*To ótimo! Sim, calma, eu prometo que te deixo em casa cedo*

*Sei não*

*Olha pela sua janela*

*O que?*

*Olha*


Fui até a minha janela, e quando tirei a cortina da frente, vi que o Taylor estava na frente da minha casa, junto com seu carro.

Abri a janela e falei:

– Sério mesmo?

– Qual é? Eu disse que eu ia te procurar mais tarde.

– Não pensei que viria até a minha casa.

– Bom, onde mais você estaria? Na casa do Ryan? Acho que não, já que no caminho vindo pra cá, ele estava com aqueles amigos dele.

– Você diz isso só pra me deixar triste, né?

– Não, só pra você ver quem é a melhor opção.

– Taylor, entenda. Eu não vou ficar com você.

– Não vai? Duvido muito.

Ignorei.

– Sério Lisa, bora sair?

– Hoje não dá, Taylor.

– Dá sim, eu te levo pra jantar...Sei lá, você escolhe.

– Eu janto aqui em casa mesmo.

– Ta bom então.

Taylor foi em direção á porta.

– O que você vai fazer?

– Vou jantar com você.

– Mas eu não te convidei.

– Mas acho que sua mãe vai convidar.

–Taylor....Não.


* P.O.V TAYLOR *


Ja que ela não quer jantar comigo, eu vou jantar com ela.

Toquei a campanhia e logo a mãe dela abriu a porta.

– Oi, tudo bem?

– Oi, tudo e com vc Taylor?

– To bem. A Lisa ta aí?

– Ta sim, sobe lá.

– Okay.

Quando entrei no quarto dela, vi que ela não tinha gostado da minha atitude.

– Fala sério, Taylor. Você já ta exagerando.

– Não to nada, qual é? Você não gosta mais de mim, é?

– Nunca gostei.

– Vou fingir que acredito.

– Sério, você é um bom amigo, mas ja ta enxendo o saco com isso.

– Sinto muito, mas não posso fazer nada.

– Pode sim, me deixa em paz.


Me levantei, me aproximei e disse em seu ouvido:


– Sinto muito, mas não sou desses que desisti sem ter o que tanto quer.

– E o que é que você quer?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário! A sua opinião sobre as fanfics é muito importante para que os autores continuem escrevendo. Fale sobre o mais gostou, sobre o que espera ler nos capítulos seguintes. Comente sobre seus personagens favoritos e os que mais detesta. Não deixe de comentar, seja mais ativo e evite que as fanfics entrem em hiatos por desmotivação da autora em escrever. Não seja um leitores fantasma. Comente agora mesmo!

DEIXE SEU RECADO!

SITE DE NOTICIAS - TAYLOR LAUTNER MANIA