12 maio 2015

Fanfiction: Diário de uma paixão – Cap. 6: E no camarote.



Meu coração ia sair pela boca! O que ele estava fazendo lá? Como conseguiu meu celular e como sabia que eu estaria nesse bar? As perguntas me sufocavam, assim como sua beleza. Ele estava particularmente mais lindo e me deixava louca! Eu não podia sentir nada disso!
- Oi! - Cumprimentei-o, sem graça.
- Oi! Então era nessa balada que você disse que viria? - Ele completou.
- Aqui não é exatamente uma balada! Mas, voltando à minha pergunta: como conseguiu meu celular? - Insisti.
- Eu tenho a lista de contato de todos que estão na campanha da Bench.- Ele respondeu com satisfação. 
- Ah… - Foi só o que consegui responder.
- Não posso ligar pra você? - Ele perguntou com um sorriso de canto de boca.
- Não. - Respondi, séria.
- E por que não? - Ele devolveu a pergunta. 
- Porque podemos nos falar pessoalmente, no trabalho. -Expliquei.
- Ok, não vou ligar mais. Desculpe! - Disse.
- Ótimo! Se me der licença, estou com uns amigos… - Finalizei secamente.
- Eu também estou com uns amigos na parte VIP. - Ele disse apontando para um espaço reservado, no alto do bar.
- Ah, legal! Divirta-se! - Eu disse enquanto me virava para sair.
- Espera! Por que você me trata assim? O que eu fiz pra você? -Questionou.
- Não fez nada! E eu não trato você diferente. Só acho que não temos assunto… - Expliquei.
- Acho que temos assunto, sim! Aliás, ainda nem nos conhecemos
direito… poderíamos nos conhecer melhor, afinal, trabalhamos juntos todos os dias. - Insistiu.
- Taylor, não acho que seja uma boa ideia. - Opinei.
A cara dele de frustração era bem perceptível, mas, ele não iria
desistir:
- Vamos até o camarote beber alguma coisa! - Ele continuou.
- Já estou bebendo... - Retruquei.
- Mas lá tem champagne… - Continuou.
- Eu não quero champagne… - Eu recusei e ele riu.
- Você é muito difícil… - Rendeu-se.
- Não sou difícil. Sou realista. - Afirmei.
- Realista? - Questionou.
- Sim… - Repeti.
- Não entendi. Vamos para o  camarote, por favor? - Pediu.
- Por que você quer ir tanto pra lá? - Perguntei.
- Porque é mais reservado. Sem fotos… entendeu? - Explicou.
- Entendi. Você não quer ser fotografado? - Eu perguntei.
- Isso! - Ele confirmou, sem graça.
Respirei fundo. Talvez eu devesse acompanhá-lo para colocar um
ponto final logo nessa história, de uma vez por todas! Por outro lado,  se
eu entrasse naquele camarote, eu poderia fazer alguma besteira…
- Um minuto, então… -  Decidi-me por ir e ele sorriu, satisfeito.
- Por aqui. – Ele me guiou dando espaço para que eu fosse na frente.
Ele fez um sinal com a cabeça para o segurança que estava na entrada do espaço VIP e entramos. Era bem luxuoso e espaçoso. Só havia amigos dele no local. Apesar disso, não fui apresentada à ninguém. Taylor me levou direto para um sofá e chamou o garçom.
- O que quer beber? – Perguntou.
- Nada. Não vou ficar aqui por muito tempo, lembra? - Minimizei.
- Eu sei. Mas, você pode levar a bebida… - Afirmou.
Ops! Ele tinha razão.
- Uma água, por favor. - Pedi.
- Água para nós dois, por favor. - Ele pediu ao garçom.
- Por que você disse que é uma pessoa realista? – Ele sondou.
- Porque somos de mundos diferentes, realidades diferentes… -Tentei explicar.
- Nem tão diferentes assim! Você é modelo e vai ficar bastante
conhecida depois dessa campanha. - Ele disse com convicção.
Fiquei em silêncio. De certa forma, ele tinha razão.
- Você fala como se eu estivesse tentando te agarrar quando só
estou tentando ser seu amigo… - Blefou.
Opa! Palavra “amigo” na área! Como ele era esperto! Sabia se sairbem das situações que pudessem complicá-lo…
- Ótimo! Somos amigos, então! - Respondi com uma ponta de decepção.
- Mas, mesmo para sermos amigos, eu preciso conhecer você melhor… - Ele disse.
Nesse momento lembrei-me dos sonhos que tinha com ele. Era
difícil não querer beijá-lo! Era como um imã... Respirei fundo:
- O que quer saber? - Perguntei.
- O que mais gosta de fazer? Onde você mora? - Disparou.
- Gosto de ler, fotografar. E eu moro em Santa Mônica.
- Também moro lá. - Ele disse e sorriu.
- Legal! - Respondi já sem assunto para continuar.
Ficamos em silêncio enquanto bebíamos nossa água. Nos olhávamos intensamente, como se nada precisasse ser dito. Eu queria
beijá-lo e eu tinha certeza de que ele queria o mesmo, mas, isso não poderia acontecer…
- Taylor, preciso ir. Vou ficar com os meus amigos. - Avisei já me
levantando e quebrando o silêncio.
- Queria muito que você ficasse. Tem mesmo que ir? - Ele perguntou.
Socorro! Eu ia parar de respirar! Como ele era sexy!
- Nos vemos por aí! - Eu disse.
- Nos vemos na segunda. - Ele respondeu.
Segunda? Ou ele não estava interessado em mim ou era um bunda mole mesmo! Mas, porque eu queria que ele se interessasse por mim? A resposta era porque, no fundo, eu queria que ele me agarrasse...
Saí do camarote igual a um foguete. Rose veio em minha direção:
- Carol! Onde estava? - Perguntou.
- No camarote… - Respondi.
- Camarote? Com quem? Como entrou? - Rose continuou.
- Com Taylor Lautner. Estou fotografando com ele para a Bench…
- Expliquei.
- Espera aí! Fotografando? Conseguiu esse trabalho? E com Taylor Lautner? – Ela fez cara de interrogação, como se não o conhecesse.
- Sim, o Jacob! Crepúsculo, lembra? - Falei rindo.
- OMG!!! Meu Deus!!! – Ela gritou.
- Para, Rose! Ele não tem nada de mais… - Menti.
- Como assim nada de mais??? Ele é gostoso! - Ela gritou.
- Fala baixo! Ficou louca?  – Censurei-a quase gargalhando.
- E aí? O que ele queria com você no camarote? - Ela especulou.
- Só falar um oi mesmo. É complicado pra ele ficar aqui no meio
dos pobres mortais. – Eu disse, rindo.
- Entendi. Depois você me apresenta a ele, por favor?
- Se eu o vir de novo, sim…
- Okay! –  Rose respondeu toda feliz.
Ficamos no nosso “espaço não VIP” por um bom tempo. Confesso que eu olhava de vez em quando para o camarote. Eu não conseguia vê-lo pois era muito reservado. Talvez ele já tivesse ido embora. Dane-se! Não é da minha conta! Foi quando avistei-o caminhar em direção ao banheiro, que era depois do espaço onde eu estava. Reuní todas as minhas forças e não olhei. Mas, quando ele passou ao meu lado, não tive como evitar e  olhei. Ele me olhou de volta e, ao passar por mim, roçou o braço no meu… caramba! Ele precisava fazer isso? Fiquei toda arrepiada! É claro que ele fez de propósito!
- Eu o vi passando, Carol! Quando ele voltar, quero que o apresente para mim! – Rose disse, interrompendo meus pensamentos.
- Pode ser outro dia? - Tentei me esquivar.
- Claro que não! - Ela disse.
Revirei os olhos: eu não ia escapar dessa!
Quando ele voltou, eu o segurei pelo braço:
- Taylor? - Chamei.
- Oi… - Ele se virou rapidamente.
- Posso te apresentar à uma amiga? Ela é fã da Saga. - Expliquei,
morrendo de vergonha.
- Claro! Quem é? - Ele perguntou.
- Ela! Rose, este é Taylor Lautner. - Apresentei-a.
Nem preciso dizer que Rose falou pelos cotovelos! Ela se apresentou, disse que era fã e blá, blá, blá…
- Rose, acho que ele precisa ir. - Eu disse, tentando fazê-la parar de tagarelar.
- Não preciso ir. Eu só preciso ficar no camarote. - Ele disse.
- Rose, você não quer ir lá no camarote também? - Ele perguntou.
- Claro que queremos! – Rose respondeu sem pensar duas vezes.
- Rose, melhor não… - Eu a adverti. - Obrigada pelo convite,
Taylor! - Agradeci.
- Por que não??? Vamos sim! Só um pouco! Quero ver como é lá! -
Ela disse, irredutível já andando em direção ao camarote. 
Taylor sorriu e eu revirei os olhos.
Podem ir na minha frente porque eu vou ao toillet. - Eu disse dando meia volta e indo em direção ao banheiro. Precisava respirar!

*** Taylor POV ***

- Rose, sua amiga é sempre assim? – Perguntei.
- Assim como? - Ela especulou.
- Difícil… - Ele explicou.
- Difícil? Está interessado nela? - Perguntou, sem meias
palavras. 
- Você é direta! - Ele afirmou, surpreso.
- É o tipo de pergunta de quem está interessado… - Ela disse.
- Mais ou menos… - Deixou no ar.
- Mais ou menos o quê? - Insistiu.
- Mais ou menos interessado… - Confessei.
-  Jura? Que legal! - Rose comemorou.
- Legal? Ela não parece estar interessada… - Opinou.
- Confesso que não falamos sobre você ainda, mas, posso
perguntar a ela! - Ela disse.
- Pergunte quando estiverem sozinhas, ok? - Ele disse, rindo.
- Tudo bem! Posso ser o cupido? - Ela brincou.
- Pode! Você precisa manter segredo para que isso não vire capa
de revista… - Eu disse, alertando-a. Eu tinha que ser cauteloso.
- Ok! Qual é a sua intenção?  Ficar? Namorar? - Rose disparou.
- Você é direta mesmo! - Observei, rindo.
- Preciso saber! Ela é minha melhor amiga! - Ela insistiu.
- Não sei ainda. Nem a conheço direito… ela é muito interessante
e muito bonita também! - Eu disse.
- Você quer ficar... entendi! - Ela concluiu.
- A princípio, pode-se dizer que sim… - Afirmei.
- Só ficar? - Ela soltou.
Fiz cara de interrogação.
- Você me entendeu! – Ela disse, incisiva.
- Você é louca! - Eu afirmei, às gargalhadas.
- Minha amiga é séria e sentimental… - Alertou-me.
- Entendi. Mas, não vou falar sobre todos os detalhes com você…
já falei demais! Quero me aproximar, mas, ela é um escudo! - Eu disse
- Ok, vou tentar! - Ela finalizou.
- Obrigado! - Agradeceu.
Finalmente Carol voltou. Eu estava sem graça porque a amiga já
sabia que eu queria ficar com ela. Mesmo assim, tentei agir normalmente.
- E aí? Qual é o assunto? – Ela perguntou.
- Nada de mais… Estávamos só esperando por você! - Rose respondeu.
- Estou aqui!- Ela disse.
- Gente, preciso ir ao toillet também. Já volto! – Disse Rose já saindo.
E mais uma vez ficamos sozinhos. Não falávamos nada. Estávamos sem graça. Em outros tempos, eu já teria dito que estava interessado e que queria beijá-la, mas, dessa vez não tinha coragem...
- É legal aqui! O camarote, quero dizer. - Ela disse tentando quebrar o gelo.
- É bem legal! - Concordei.
- Voltei!!! – Rose anunciou.
Nesse momento, o celular da Carol tocou e ela saiu do camarote
para atender. Rose aproveitou a oportunidade para me falar sobre seu
"plano":
- Taylor, tive uma ideia! – Ela disse.
- Diga! - Falei, um pouco empolgado demais.
- Vou chamar a Carol para fora do camarote e dizer que você está
interessado. - Ela explicou.
- Hoje? Aqui? Melhor não... - Eu disse, inseguro.
- Por quê? - Questionou.
- Estou sem jeito! Converse com ela em particular primeiro… - Eu
orientei.
- Vai ser em particular. Ninguém vai ouvir. Você ficaria com ela hoje? Aqui?
Engoli um seco…
- Acho que sim… - Falei sem ter certeza.
- Você acha consegue que beijá-la sem que ninguém tire foto? - Ela
perguntou.
Não acreditava que falava sobre beijar alguém com uma desconhecida!
- Sim. Ali, por exemplo. É bem reservado. – Falei apontando para
um sofá mais escondido.
- Okay! Meu plano é o seguinte: você espera naquele sofá mais
reservado. Se em 10 minutos ela não vier, é porque ela não quis.
Então,  tentamos outro dia. - Ela explicou.
- A ideia é razoável. - Falei, nervoso.
- É uma ótima ideia! Topa?
Eu não poderia perder essa chance! Mesmo parecendo coisa de
adolescente… - Ela disse, rindo.
- Topo! - Falei sem pensar.
- Boa sorte! - Rose disse.
- Obrigado! – Respondi sorrindo.
Fui para o sofá esperá-la. É claro que seriam os 10 minutos mais longos de todos os tempos! Ela não viria mesmo… tinha certeza…

Notas finais:

Comentem!!!

2 comentários:

Deixe seu comentário! A sua opinião sobre as fanfics é muito importante para que os autores continuem escrevendo. Fale sobre o mais gostou, sobre o que espera ler nos capítulos seguintes. Comente sobre seus personagens favoritos e os que mais detesta. Não deixe de comentar, seja mais ativo e evite que as fanfics entrem em hiatos por desmotivação da autora em escrever. Não seja um leitores fantasma. Comente agora mesmo!

DEIXE SEU RECADO!

SITE DE NOTICIAS - TAYLOR LAUTNER MANIA