05 julho 2015

Fanfic: Bizarre Love traingle – Cap. BLT 37


Vou confessar que levar minha mãe para o aeroporto e vê-la voltar para o Brasil me deu um alívio na alma. Eu amo D. Regina, mas já estou há muito tempo sozinha aqui em Nova Iorque e ela me tira da rotina. Mesmo sabendo que são poucas vezes...

Depois do casamento ficamos só eu e ela, nós duas passeando pela cidade de Nova Iorque. Luana estava de Lua de Mel, sendo assim, tive que apelar para Gill algumas vezes e, devo admitir que, ele e minha mãe se dão muito bem.

Gill, como sempre, foi um anjo, atencioso e prestativo. É o Gill... não tem jeito. E quando Amanda não está por perto, ele é maravilhoso. Aliás, ela ter ido viajar para Austrália para visitar os pais caiu como uma luva nesses dias.

Depois de nos despedir de minha mãe, e de vê-la entrar no avião, eu e Gill voltamos para o carro.

-Triste? -ele me perguntou, me vendo pensativa. Na verdade estava pensando mesmo era no sumiço de Robert. Fazia tempo que ele não respondia minhas mensagens e não atendia meus telefonemas. Eu imaginava-o super atarefado com as filmagens. Mas preferi não arriscar, não falei nada...

-Um pouco... mas confesso que estou aliviada. Não me interprete mal, é que... - ele riu e colocou a mão no meu rosto, sussurrando “eu sei, Linda”.

 No caminho até o carro resolvi parar em uma banca, dessas de revistas e guloseimas. Precisava de algo doce, definitivamente. Porém, ao entrar na tal banca, me dei conta de que meu anjo da guarda queria muito que eu descobrisse e entendesse toda a verdade.

- Flavinha? - Gill falou me vendo parada como uma estátua em frente a uma revista.

“Casamento Twilight: Rob e Kirsten Noivos! Semanas depois de estar morando juntos, Rob propôs casamento a Kirsten no set de Vancouver. Por que eles estão indo tão rápido?”


Foi como se o chão se abrisse em meus pés. Então era por isso que ele não me atendia com tanta frequência no telefone? Era esse o segredo que Taylor deixava parecer? Ahhh!!!!!!!!!!!! Minha cara de louca começava a se formar, eu estava roxa de raiva.

Dentro uma reportagem sobre como os dois estavam mais juntos do que nunca. Tinha até uma parte em que o repórter perguntava a ele sobre o “breve” romance com a atriz brasileira, em que Robert desconversou.

- Morando junto? Breve romance? Como ele pôde? - eu gritava indignada com a revista na mão.
- Por que ele me enganou tanto? Cachorro, nojento... - ele estava com a mesma roupa que usara no casamento de Luana. Minha ira se manifestou e eu comecei a rasgar a revista dentro da banca. Minha pose se foi de vez pro espaço. Gill tentou me acalmar, mas foi em vão. Me abracei a ele e chorei, uma mistura de raiva, desgosto e tristeza.

-Vamos sair daqui, Linda. Já está começando a juntar gente e eu sei que você não está em situação de falar nada. - Gill me tirou da banca, onde já haviam alguns fãs ao nosso redor, assustados com a cena bizarra que eu havia feito.

Entramos no carro e não falamos nada. Gill seguiu até um restaurante que costumávamos ir juntos quando namorávamos. Ali ele tinha esperança de que eu me acalmasse e pudesse reorganizar as ideias.

-Vem. Sente-se aqui que vou pedir alguma coisa pra gente beber. - falou me colocando sentada na mesa. Ameacei falar o que pedir e ele foi mais rápido...

- Já sei, vinho tinto seco.... e água. Conheço você, Linda. - coloquei os óculos escuros e esperei. Estava me sentindo segura com Gill cuidando de mim.

Gill nos serviu de vinho e água e eu fui me acalmando aos poucos. Ele nada dizia, apenas me olhava.


-Como ele pôde, Gill? - perguntei entre um gole e outro. - E ele chegou a me pedir em namoro.... que exposição eu passei!Pra que?- eu me sentia ridícula, usada...

- E Taylor? Eu... eu o afastei e ... - vi Gill se encostar na cadeira e respirar fundo. Acho que para ele ainda era cedo ouvir tantas coisas assim. - Desculpe Gill. - foi o que consegui dizer, em meio as lágrimas.

-Ta tudo bem Flavinha. Eu é que não me acostumei a ter que abrir mão de você. Mas somos amigos, eu sempre estarei aqui pra você, desabafe. - ele falou segurando minha mão.

- Quer saber? Por que não liga pra Luana? Sei que está precisando dela agora...

-Pra Luh? Não... não.... ela está com Tomaz, descansando... - falei, mas no fundo era o que eu queria mesmo, afinal, Luana era meu apoio. Gill pegou o telefone e ligou, ignorando meus pedidos de não.

-What’s up man! E ai? Tudo certo? - percebi que ele havia ligado para Tomaz, afinal eram amigos. - Sabe o que é Tom, estava precisando falar com a Luh, ela está por perto?

Gill falou com Luana enquanto eu ficava olhando, sem condições nenhumas de falar ao telefone. O vinho já estava em seu estágio de “grogue” e eu já estava pronta pra me jogar na mesa e dormir. Vinho + deprê combinam com sono profundo, era assim que eu já estava. Nem lembro como sai do restaurante.

Ainda sonolenta senti Gill me levar no colo até em casa. Ele me colocou na cama, me deu um beijo na testa e me deixou dormir pelo tempo que eu conseguisse.

oOo

-Boa tarde, dorminhoca. Como você está hoje? - ouvi Gill dizer assim que entrei na sala e o vi sentado lendo o jornal. - Fiz café, aliás, comprei pão de queijo também, caso esteja com fome. - ele disse, sem a menor cerimônia, sentado no sofá da minha casa. Parecia como nos velhos tempos...

-Por quanto tempo eu dormi? - perguntei a ele me servindo de café e esquentando uns pães de queijo no forno. Sou louca por café e pão de queijo e Gill sabia disso.

-Não muito, pensei que dormiria muito mais. - Gill se levantou e veio até mim. Eu me enrolei ainda mais em meu roupão e dei um gole no café que eu acabara de colocar na xícara. Gill me olhava com ternura, colocou uma mecha de meu cabelo atrás da orelha e eu me afastei, pigarreando. Não queria que ele pensasse nada errado. Estávamos ali como amigos apenas. Ele entendeu o recado. - Ande logo. Vá se arrumar. - ele disse.

-Como assim? - eu estava confusa.

-Luana e Tomaz estão te esperando. Você vai ficar um tempo com eles. - Gill falou orgulhoso, estava feliz por estar me ajudando.

-Mas... e o espetáculo? Eu não posso sair e... - eu me mexia como doida da cozinha para a sala. Ainda nem tinha processado direito tudo que havia descoberto.

-Já está tudo resolvido. Conversei com os produtores e eles mesmos acharam que seria bom você sair um pouco daqui, devido a toda essa mídia.- ele disse sentando-se no sofá. - Portanto, férias aqui vamos nós.

Eu o olhei incrédula. Podia ter dormido pouco, mas foi tempo suficiente para que Gill, junto com Luana é claro, resolvesse mais uma vez meus problemas.

-Mas vocês me perguntaram se eu queria sair? - o questionei com as mãos na cintura. Não estava feliz com essa história de gente resolvendo as coisas por mim.

-Linda, pense bem. - ele disse com calma, sentando-se na beira do sofá. - Você precisa dar um tempo disso tudo. Vai ser bom. - as palavras dele saíram com tanta certeza que finalmente eu cai em mim e vi que era mesmo o melhor a ser feito.
Arrumei minhas coisas, um pouco de tudo na verdade, e Gill me levou para encontrar Luana e Tomaz.

–Luana te contou onde ela estava, depois de voltar de Cancún? Porque pra mim ela não quis falar nem sob tortura... - eu perguntei no caminho, vendo que Gill sabia exatamente onde estava indo.

-Pra falar a verdade, eu sei porque fui eu quem emprestei a casa para que eles ficassem se curtindo um tempo. - eu o olhei sorrindo, sempre Gill arrumando as coisas. Gill sorriu mais uma vez. Estava feliz, não sei se por estar ajudando ou por me ver separada de Robert.

Viajamos por uma estrada até então desconhecida pra mim. Eu não me sentia muito a vontade para conversar e Gill respeitou isso. Ligou o rádio e deixou que o destino escolhesse a música.

Não poderia ser mais perfeita! Deixei os raios do sol bater em meu rosto através da janela aberta e meu pensamento me levou até ele...Taylor. O que aconteceria agora que não tínhamos nada que nos impedisse?

Depois de um tempo de carro, Gill estacionou em um lugar paradisíaco. Desci e dei de cara com uma casa maravilhosa, próxima à praia e às montanhas. Luana deveria estar radiante, tudo que ela sempre sonhou. - Que lindo Gill! Que lugar é esse?
-Essa casa é dos meus pais. Eles só vêm até aqui quando querem dar um tempo da vida na cidade, mas tem toda infra-estrutura. - ele respondeu se encostando no carro.

-E por que nunca me trouxe aqui? - eu quis saber, já que ficamos um bom tempo juntos e ele nunca me trouxe para conhecer esse paraíso.

-Estava reservando para passar nossa Lua de Mel, mas não deu tempo... - ele disse e os dois abaixaram a cabeça, constrangidos. Um grito me salvou do clima tenso.

-Amigaaaaaaaaa!
Olhei e vi minha amiga Luana correndo em minha direção. Ela me abraçou saudosa. - Agora eles vão ver comigo. Onde já se viu? Vem! Vamos entrar. Tem umas garrafas de vinho nos esperando. Quero saber de tudo! Aquele cachorro!!!! - ela disse indignada.

Olhei para Gill e rimos juntos. Luana era tudo que eu precisava nesse momento e ele sabia.

Luana e eu fomos caminhando até a casa, com Gill logo atrás trazendo a bagagem. Luh falava sem parar, contando as coisas novas, perguntando como eu estava, já estava ficando tonta mas mesmo assim, era ali que eu queria estar.

Chegando na porta, ela olhou Gill e perguntou. - Você vem Gill? Tomaz está te esperando. - um climinha começou a se formar. Gill me olhou serio e esperou que eu me manifestasse.

- Venha Gill. Vai ser bom ter meus amigos comigo nessa hora. -o vi dar um sorriso tímido e se arrumar para entrar junto em casa.
-Faaaaaaala veio! - eu e Luana ouvimos Gill “falar” em português, com aquele sotaque amaricanizado, assim que entramos em casa. Do outro lado surgiu Tomaz, repetindo a mesma expressão e junto com ela um estalar de aperto de mão dos dois. Foi inevitável! Uma gargalhada deliciosa saiu espontânea de nós duas.

Gill e Tomaz reviraram os olhos e riram junto. De repente éramos os quatro de novo, juntos, como antes. - Eu senti falta disso... - disse Tomaz colocando a mão no ombro de Gill e olhando para mim e para Luana.

Gill me olhou um tanto esperançoso e eu abaixei o olhar, sem graça. Por mais que eu adorasse a companhia dele, ainda junto com Luh e Tomaz, nada havia mudado. Ou melhor, tudo estava diferente. Eu amava outro homem.

-Ta certo, ta certo..... – Luana falou quebrando o clima e me salvando dessa saia justa. - Amiga!? Que tal um passeio na praia? Vamos? - e ela já foi me puxando até o quarto me tirando dali.

-Ufa! Você me dá um trabalho, hein? - disse ela entrando no quarto e se jogando na cama. Tive que rir. Realmente estar junto com Luana era a única coisa que me faria esquecer mais rápido tudo isso. Parei ao lado da cama, me encostando na parede e sussurrei “obrigada”, com um sorriso sutil.
-Até parece né? - ela disse me puxando num abraço. - Agora vai, se arrume que nós vamos para a praia. O dia está lindo e você precisa se distrair. Não é nenhuma Copacabana, mas dá pro gasto. – Luana disse e rimos juntas.

Logo chegamos na paia e nos deitamos na areia. Coisa boa poder estar com minha amiga. Me sentia mais forte, mais confiante.
-Agora me conta tudo. Eu sabia que não tinha nada que ter perdoado aquele traste. E ainda se deu ao topete de fazer aquela cena no teatro.... Que safado! - era isso que eu amava em minha amiga, ela me apoiava em tudo.

Começamos a conversar e eu coloquei ela a par de tudo, desde o final de seu casamento, onde a visita inesperada de Taylor ao meu quarto me deixou zonza.

-Assim que eu gosto desse garoto! – ela disse sobre Taylor – Ele tem atitude!

Depois contei toda a parte que tive que ciceronear minha mãe junto com Gill...

-Como assim.... Gill? E a autraliamocréia? - ela perguntou me interrompendo.



-Para minha sorte, viajou. E nem é bom falar muito nela, não é mesmo?- eu disse à ela continuando. Contei como Robert havia sumido, sem responder mensagens ou retornar telefonemas. Tudo muito estranho. -Foi ai que eu vi na banca...

Nessa hora chorei com vontade, estava com muita coisa presa há muito tempo. Luana, como sempre, me deu colo. Deixou que eu me acalmasse e se preparou para falar.

-Está mais calma? - ela perguntou depois que eu me acalmei e sentei novamente na canga. - Pois bem, agora é lavar esse rosto, jogar a tristeza fora e botar uma pedra nesse assunto.

-Falar é fácil, né Luh? - eu disse á ela me levantando e caminhando pela areia, sem saber onde ir. - E tudo que eu abri mão por causa dele?- ela me olhou séria.

-Você está falando de Taylor, não é? - ela caminhou até mim, colocou meu cabelo para trás do ombro, me segurou firme e soltou... - Já ligou para ele?

-Ligar pra ele? - eu perguntei assustada. - Claro que não amiga. Nem sei o que quero ainda... - eu disse me rendendo.

Venha, vamos dar um mergulho. Depois a gente pensa nisso.
E fomos juntas jogar nossas agonias dentro do mar.....

N/A: Fim do mistério minha gente.... Pois é, o safado já estava junto com a outra. Será mesmo? Será que Robert seria assim tão insensível? E vcs, o que fariam numa situação dessas? Hummm... vejo que vcs podem me dar muitas ideias.... Beijossssssssssssss........


Fique por dentro das novidades e atualizações sobre suas fanfics favoritas, siga-nos nas redes sociais do Lautner Fanfics. 

Acesse nossa página no Facebook - clique aqui

Siga nosso Twitter - clique aqui


Em caso de dúvidas, pergunte em nossa Ask - clique aqui

Um comentário:

  1. Taylor!!!!! Ela tem que ficar logo com ele! Please!! Quero saber como seria o namoro dos dois!

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário! A sua opinião sobre as fanfics é muito importante para que os autores continuem escrevendo. Fale sobre o mais gostou, sobre o que espera ler nos capítulos seguintes. Comente sobre seus personagens favoritos e os que mais detesta. Não deixe de comentar, seja mais ativo e evite que as fanfics entrem em hiatos por desmotivação da autora em escrever. Não seja um leitores fantasma. Comente agora mesmo!

DEIXE SEU RECADO!

SITE DE NOTICIAS - TAYLOR LAUTNER MANIA