23 junho 2018

Fanfiction: O Garoto Da Casa Ao Lado - Capítulo 6





Nick


Dois meses, foi o tempo em que eu me minha mãe levamos para nos adaptar a nossa nova vida.

Não que essa seja a primeira vez que nos mudamos. Sempre nos mudamos.

Pra um cara de dezessete anos eu já rodei mais esse mundo que qualquer outro, já fui o novato em cada escola desse pedaço de planeta. Agora entre tantos lugares para irmos, até mesmo para o Japão, minha mãe decide vir se esconder aqui em Lima Ohio. Eu poderia citar as desvantagens de se morar aqui, e são inúmeras. Mas as deixei no momento em que meus olhos encontram com os bisbilhoteiros dela. Minha nova vizinha. Já tive outras, Cat, April, Elizabeth, Olivia, etc. Mas nenhuma delas era ela, nenhuma delas tinha seu sorriso meigo e malicioso, nenhuma delas tinha o seus olhos verde brilhantes, sua pele branca e seus cabelos ruivos esvoaçantes.

Eu tento e luto todos os dias para me distrair dela, não reparar em cada passo dela, não me meter em seu caminho e estrago tudo como sempre faço. Kath parece ser boa demais pra mim. Eu não ha pertenço e ela não me pertence, mas toda vez que tento me manter longe, uma onda magnética me traz para perto dela novamente. Eu me habituei aos seus bons dias, meus ouvidos viciaram-se no som da sua risada, meu corpo precisa das doses diárias da sua energia, todos os dias quando penso em permanecer mais na cama e me deixar levar pelas lembranças, basta o soar de sua voz indo caminhar com seu pai, já me põe em pé, levanto todos os dias à espera de ver seu lindo rosto na janela.

Eu adoro quando ela abre sua janela. O jeito como o vento sopra em seus cabelos, fazendo ela da uma risadinha meiga. O cheiro do seu perfume quando ela passa por mim todos os dias na escola.

Tornei-me depende dela

Eu sou louco por aquela garota... Eu necessito tê-la

Eu preciso dela.

Eu vou tê-la.

Nem que seja a força.





* * *


Kath


Ouço batidas na minha janela, devem ser os passarinhos, cubro meus ouvidos com o travesseiro.

Uma, duas, três... Na quarta já me levanto quando enfim me dou conta de que não são os pássaros e sim pedrinhas. Pego meu taco que Nat me deu três meses atrás quando vence ele no beisebol. Vou a passos curtos ate minha janela, o barulho das pedras pararam, solto um suspiro pesado, porem quando me recomponho, outro barulho fraco invade meus ouvidos. São batidas. Limpo minha garganta e mesmo tremula de medo pergunto quem é.

- Sou eu, Nick. - o baque da sua voz, juntou-se ao do choque.

Mais que diabos ele faz aqui há essa hora?

Olho para meu relógio. 04h30min da manhã, isso é serio?

- o que faz aqui Nick? - pergunto abrindo a janela. Nick aparece na fresta se equilibrando pra não cair.

- Eu... Eu, estava... pensando se você não quer dar uma volta comigo. - Nick sorriu de lado e minhas pernas tornaram-se gelatinas na mesma hora.


Respirei fundo pensando na resposta.


- Eu conheço um lugar onde o pôr do sol é o mais lindo de todos.

Olhei para dentro do meu quarto e depois para o pijama que estava usando. Pedi para que Nick me esperasse lá embaixo e depois fui ate meu guarda roupa e escolhi um vestido azul jeans, calcei minhas sapatilhas e corri para o andar de baixo. Quando me aproximei da porta da entrada, um bile estralou na minha cabeça.

O que eu estou fazendo?
Eu mal o conheço.

Minha mão ainda permanecia segurando a porta, quando o sussurro dele me tirou dos pensamentos.

- Vem comigo. - Nick pediu gentilmente.

Uma aventurazinha não faz mal a ninguém.

Abri a porta e sorri pra ele. Nick me estendeu sua mão e eu a segurei.



* * *



Nick deve ter dirigido por uns vinte quilômetros. Eu apreciava a vista da janela do seu carro. O vento batendo em meus cabelos me dava crises de risos. Sempre gostei.

Entramos em uma estrada de terra e logo avistei o que parecia ser um bairro isolado. Nick estacionou seu carro na entrada e adentramos no condomínio. Nick pegou minha mão e andamos por mais alguns minutos.

- Onde estamos indo? - Nick apontou para uma casa. Na verdade uma mansão enorme. Ele forçou um pouco a maçaneta que logo cedeu.

- Eu sempre gostei de lugares isolados, me acostumei a crescer sozinho, quando nos mudamos pra cá, quis encontra meu lugar isolado, andei por toda a cidade, até que um dia passava de carro aqui e vi duas pessoas fazendo caminhada, me atrevi a segui-los e foi ai que descobri esse condomínio. Essa mansão me chamou atenção e quando eu entrei nela a primeira vez me senti livre de novo. - segui ele até o andar de cima, entramos em um dos quartos e Nick me puxou para sacada.

- Espera? Nós vamos para o telhado? - Nick já subia a escada que dava acesso ao telhado, ele parou e olhou de novo pra mim.

- Não precisa ter medo, você vai gostar, te prometo. - mordi o lábio pensando e quando vi que não tinha mais volta, subi o primeiro degrau e segui-o.

A brisa vinda do norte esvoaçou meus cabelos. A linda vista da minha cidade me encheu os olhos de lágrimas. A vista composta por árvores grandes e a cidade logo atrás me deixou embasbacada. Virei-me para Nick que sorria. Meu sorriso se alastrou, tive que me sentar e apreciar apaixonada a beleza do lugar. Pequenas casas, um parque e sua roda gigante. Um rio no fim. Passarinhos voando por entre as árvores. Limpei algumas lágrimas teimosas.

- Te falei que ia gostar. - Nick chegou mais perto. Perto demais para me fazer sentir o hálito de sua boca. Ele sussurrou em meu ouvido e não pude deixar de olhar instantaneamente para sua boca. Subi meu olhar e encontrei seus pequenos olhos castanhos.

Engoli seco.

Virei quase em câmera lenta para a vista e me deixei espairecer sobre o ocorrido de agora.

Pude sentir o olhar de Nick sobre mim.

Não me atrevi a olhar novamente. Seus olhos cor de castanho me torturaram por meros segundos.

Segundos de traição ao meu namorado.

Não posso fazer isso.

Senti o calor da respiração de Nick em minha nuca.
Um tremor percorrendo meu corpo me deixando paralisada.

Nunca senti isso.

Nick desceu seus dedos pelas minhas costas. Traguei outra vez duro e foi ai que a merda foi feita.

Nossos olhos se encontram, como um imã, nossas bocas se atacaram com urgência. Um vento quente passou por meu ventre indo para minha virilha. Arfei e me irritei quando Nick tirou sua boca da minha, indo para meu pescoço. Meus lábios secos necessitando dos seus. Levei minha boca até a sua e a beijei novamente.

Eu não me importei com as consequências dos meus erros.

Amo meu namorado e tudo que ele representa em mim.
Mas Nick é diferente.

Eu sou o fogo e ele minha brasa ardente. Eu necessito disso agora.
Trair meu namorado foi um erro.

Mas não supri ao que quero agora, seria burrice.
E tudo o que eu quero é beija-lo no pôr do sol.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário! A sua opinião sobre as fanfics é muito importante para que os autores continuem escrevendo. Fale sobre o mais gostou, sobre o que espera ler nos capítulos seguintes. Comente sobre seus personagens favoritos e os que mais detesta. Não deixe de comentar, seja mais ativo e evite que as fanfics entrem em hiatos por desmotivação da autora em escrever. Não seja um leitores fantasma. Comente agora mesmo!

DEIXE SEU RECADO!

SITE DE NOTICIAS - TAYLOR LAUTNER MANIA