06 outubro 2018

Fanfiction: Ela é para o meu irmão - Cap 53

 
Capa/Texto Fic: Jessica Keli Tlm


– Fecha os olhos dela – Disse Hanna e Sandra tapou meu olhos.

– Gente, o que é isso?! – perguntei rindo e muito mais muito curiosa.

Ouvi muitos passos, estava na cara que era uma festa surpresa.
Sorri ao ouvir os passos me rodearem de frente para minha casa e ouvi a risada baixa da Makena.
– Makena?! – perguntei.

– já – ouvi Makena dizer e Sandra tirar as mãos dos meus olhos.
Eu estava em choque, muito feliz pelo o que via!
Todas as minhas amigas estavam a minha volta e gritaram – Feliz aniversario!

Fiquei boquiaberta e todas vieram em cima de mim para me abraçar, o que me fez cair em lagrimas.


– Ai meu Deus! Não estou acreditando que vocês vieram! – Senti minhas lagrimas caírem enquanto abraçava desesperadamente cada uma delas.
– Você esta tão diferente! Esta mais bonita! – Disse Val.
– Esse lugar te fez bem Emily – Disse Day.
– obrigada meninas, mais agora não consigo pensar em nada só em abraçar vocês! Ai! – corri para abraça-las novamente.
– BOM! – Disse Makena chamando nossa atenção.
– JÁ QUE ELAS VIERAM PRA CÁ, VOCÊ NÃO PRECISA IR PRA LÁ – piscou varias vezes e ouviu-se um couro de risos.
Sorri pra ela – Own, eu te amo Makena.. – corri para abraça-la.
– que bom que gostou da surpresa, mais ainda tem mais.
– serio? – perguntei surpresa novamente.
– É, licença meninas, já trago a Emily de volta.
– Tá – ouvimos um couro enquanto havia burburinhos de risadas e conversas enquanto Makena me puxava em direção a porta da minha casa.
– Essa surpresa é o que hem? – perguntei e ela riu.
– não é seu irmão não né?
– Ih, esquece meu irmão – riu.
– tá legal – ri enquanto a via abrir a porta.
– Essa surpresa é para fechar com chave de ouro.
Sorri – tá.
– preparada?
Assenti e foi inevitável minha risada.
– vamos entrar, vem! – me puxou e entramos em minha casa.
Ouvi uma gargalhada, daquelas bem espalhafatosas e meu sorriso se abriu.
Não poderia ser ninguém menos que “Jonas!”.
Soltei a mão de Makena e corri em direção a cozinha, que era de onde ouvi aquela voz.
– Jonas?! – sussurrei enquanto caminhava apressada e Makena sorriu.
Não era apenas eu que ficaria feliz, como a minha mãe também ficaria! A quanto tempo não o via? Desde que vim para Los Angeles!
– Ai meu Deus! – parei mais emocionada e abracei Makena antes de entrar na cozinha.
– o que foi garota? – riu.
– Foi a melhor surpresa que você já fez pra mim! Obrigada! – a soltei correndo em direção a cozinha.
Ao chegar na porta estava minha mãe, Jonas e Marli.
A me ver ele sorriu – Emily!
Abriu os braços e minhas lagrimas caíram! – que saudade da minha pequena! – o abracei.
Afastou-se – que não é mais tão pequena assim, você envelheceu – enrugou a testa e me fez rir.
– gostei do seu cabelo assim. – esticou os lábios.
– obrigada – falei secando meu rosto e notava que seus olhos estavam avermelhados mais manteve a pose de durão na frente da Makena.
Olhei Makena ao meu lado e sorri.
– Jonas essa é a minha melhor amiga, Makena!
Ele sorriu – já nos conhecemos, graças a ela consegui uns dias de folga.
Ele a olhou serio e de repente sorriu – você precisa me dizer o que falou para eles para que eu pudesse ficar esses dias em casa, estou tentando isso há anos mocinha.
Ela riu.
– é minha arma secreta. Infelizmente não posso contae – disse rindo.
Ele riu – que menina esperta, esta vendo? Você precisa aprender essas coisas – bateu de leve em meu ombro e sorri.
– Estou feliz de poder ter vindo e a sua irmã nossa! Mudou tanto que.
Makena e eu cortamos o sorriso aos poucos e a olhei.
Makena ainda ficava mais insegura que eu em relação a Adria, mais Jonas também ficava antes e já notou mudanças, Makena era a única que não dava o braço a torcer então para não render comentários negativos, cortei.
– Então, vou falar com as minhas amigas e depois conversamos, tá? – comentei e ele sorriu.
– claro, vai lá, mais olha! Avisa elas para ficarem por aqui, todas estão em minha responsabilidade – riu.
– serio? – perguntei surpresa.
– por que tão surpresa? Esta pensando que não sou um pai responsável? – perguntou rindo.
Ri e ele se corrigiu – tá legal, fora eu tirar fotos que fiz umas colocarem o dedo no nariz da outra enquanto dormião eu pareço um pai responsável.
Makena fez cara de nojo e se lembrou das fotos que mostrei.
– hahaha Então aquelas fotos foram tiradas por ele.
Ele riu – é, sim, sou culpado.
– quando dormi aqui, vou ficar atenta. – piscou.
– Todas disseram isso – brincou fingindo ser misterioso.
– Vamos Makena – ri.
Quando saímos minha mãe sorriu.
– E essa que é irmã do carinha aí da frente? – perguntou ele.
– É e a Emily terminou outra vez com ele – jogou o olhar para o alto e voltou a olha-lo – E ela pensa que não sei.
– Eles não irão terminar de vez até que essa amizade acabe – Disse ele sentando-se ao lado da minha mãe.
– E elas parecem que nunca terminarão essa amizade – disse minha mãe.
– Então essa montanha russa do casal não terminará – riu cruzando os braços e olhou pela janela da cozinha todas nós na frente de casa e se levantou para olhar a casa do Taylor.
– quando ele volta?
– daqui a dois ou três dias, não sei bem, ouvi elas comentarem, porque?
– por que quero conhece-lo, quero saber quem é o homem que fez a Emily esquecer a mala daquele garoto.
Marli e minha mãe trocaram olhares.
Minha mãe pronunciou enquanto Jonas estava pensativo – Sabe que ele é primo do Trevan e
– sim eu sei, mais será que só eu que acho estupido ele viver nessa casa? – descruzou os braços e se virou.
– A Emily provavelmente não esta pensando em reatar esse namoro, já pensaram na segurança dela?
Marli estalou a língua e se preocupou com o pensamento dele.
Marlin interviu – Evan jamais faria alguma coisa para machucar a Emily, isso é loucura.
– aé? A senhora acha? – perguntou refletindo, mais minha mãe o olhou sabendo que Jonas jamais pensaria em coisas assim atoa.
– a senhora nunca pisou no coração de um homem revoltado.
Marli parece não ter gostado do comentário do Jonas, mais minha mãe permaneceu em silencio refletindo em tudo que ele tinha pensado.
- - - - - -
As meninas estavam bobas com Makena por perto, mais em nenhum momento perguntaram sobre seu irmão. Talvez elas entendiam agora. Ela era tão legal, pra que se importar com isso?
Fomos andando a pé até a sorveteria, apresentamos todos os lugares que costumávamos ir durante a semana e elas e Makena ficaram tão próximas que Eu estive com ciúmes.
Meu aniversario seria daqui a dois dias e antes disso estávamos sem ideias do que fazer no dia do meu aniversario já que elas foram pra lá. Fomos nos pontos mais visitados pelos turistas, fomos as praias que nem eu tinha ido depois de tanto tempo em Los Angeles.
Jennifer conseguiu fazer amizade com uns surfistas que emprestaram uma prancha a ela já que sabia surfar muito bem, mais foi um desastre fazer cada uma de nós ficar em pé em cima de uma prancha.
A gente se divertiu durante dois dias e a noite era uma loucura o chão da minha casa.
Eu estava tão feliz de tê-las ali, tão barulhentas e engraçadas..
Na terceira noite enquanto todas se preparavam para dormir, fui à varanda, por que era o único lugar da casa silencioso.
Por um momento pensei no que Taylor estaria fazendo, cruzei meus braços e olhei para os céus. Era ótimo ele não estar em meus pensamentos naqueles dias.
A presença delas me fez esquecer todos os problemas que antes eu pensava.
 Despertei-me com a chegada de um carro em frente a casa e saiu dele, Evan, Adria e Trevan.
Apoiei-me no corrimão da varanda enquanto observava eles se aproximarem.
Trevan sorriu – daqui há um dia alguém fica mais velha!
Estiquei os lábios – por que esse sorriso sem graça? Não tem nada demais ficar mais velho.
Subiram os degraus e Adria ainda receosa – Boa noite Emily.
– Boa noite – respondi e olhei para frente percebendo que ela estava surpresa, não esperava que eu a respondesse.
Mas eu sabia bem o que ela tinha feito e até agora não disse nenhuma palavra do que tinha acontecido.
Eles trocaram olhares e percebi que antes de passar por mim ela sorriu para Trevan.
Trevan beijou minha cabeça e deu as mãos a ela para entrarem em casa e Evan ficou no primeiro degrau se apoiando no corrimão da pequena escada.
Ao ouvir a porta bater o olhei seria.
– daqui há um dia é seu aniversario..
– É.. – comentei ainda olhando para frente.
E ele olhou para o ceu – me lembro primeiro aniversario que passamos juntos.
– passamos um único aniversario junto, antes disso não namorávamos, deixa-me ver se eu me lembro – enruguei a testa e de repente o olhei – me lembro, quando não pensava em namorar; por que queria ficar comigo e com outras.
Sua expressão foi surpresa e de repente sorriu.
– por que esta rindo?
– porque você ainda esta magoada pelo nosso passado..
– talvez ainda esteja um pouco.
– talvez isso não seja ruim.
O olhei torto. – por que acha?
– por que isso é um sinal que você ainda sente algo por mim, sabe que se eu não tivesse vacilado estaríamos juntos.
Suspirei, eu não sabia se era verdade, mas as vezes já não me importava mais o que ele tinha feito e de uma hora pra outra tudo voltava e eu morria de raiva dele por ter feito tudo errado pra nós.
Por um lado agradecia por ter tirado ele do lugar de “homem que amo”, esse lugar só era de uma pessoa e essa pessoa andava me dando muitas dores de cabeça, será que amar é sempre assim?! Se um dia conseguir tirar Taylor da minha cabeça eu juro, juro de verdade que nunca mais vou amar ninguém novamente.
Ele me despertou dizendo – esta tudo bem com você e o cara aí do lado?
O olhei receosa, não queria dizer que as coisas estavam péssimas. Não para ele.
Indaguei, tinha muito medo dele descobrir que não estávamos mas mesmo assim menti.
– Sim. Esta.
– que bom, isso é uma pena para mim – esticou os lábios e eu apertei os meus olhando para o carro deles.
Será que ele tinha acreditado?!
– deve ser esquisito ter que dividir o seu namorado com outras pessoas na frente das câmeras saindo de um lado para o outro, trocando contatos físicos e.
Eu estava me lembrando de tudo e me dava muita raiva, e ouvir isso da boca dele não ajudava e ele não parava de falar.
O cortei – isso não é muito diferente do que passei com você, o dele é trabalho o seu era safadeza.
Ele soltou uma risada inesperada na hora e apertou o lábio inferior com os dentes.
– fiquei sem palavras – riu.
– por que sabe que é verdade – falei sem querer me contagiando com sua risada.
Ele cortou o riso aos poucos e fiz o mesmo olhando para o chão.
– não sei se isso ajuda, mas, me desculpe tudo que lhe causei, eu era tão imaturo naquela epoca que hoje se eu pudesse voltar no tempo como quem eu sou hoje daria uma surra em mim mesmo.
Estiquei os lábios e o olhei e ele insistiu colocando as mãos no bolso.
– me desculpe mesmo é de coração.
– agora eu sei que é.
Me olhou com o olhar amigável, cheio de ternura e eu já não via mas o Evan cafajeste e sim uma pessoa que me fez mais experiente e que tornou minha vida mais importante.
 – por que? – perguntou.
– por que você não disse de forma desesperada como vivia dizendo, parecia mas da boca pra fora só para me levar de volta para o Brasil.
 – olha.. – olhou para o lado e voltou a me olhar rindo – ainda quero te levar mesmo de volta para o Brasil
 Ri – mas esqueça, você não me levará.
Olhou para o céu e sorriu – há.. e eu sei, mas isso é uma pena..
Me olhou novamente – a gente podia voltar para a escola, em breve vamos para o ultimo ano do ensino médio, poderíamos ir e vir juntos para casa, podíamos nos casar antes de nos formarmos aí eu continuava a minha carreira e você tomaria conta de todas as coisas da casa..
Sorri – eu não sei cuidar de uma casa – brinquei – nem sei fazer comida.
– a para, seu miojo deve ser uma delicia.
Ri e levantei a sobrancelha – aham, é sim e minha agua fervida é incrível.
E ele esticou os lábios enquanto ri.
– o que foi? Por que esta me olhando desse jeito? – perguntei o olhando torto.
Negou com a cabeça e sorriu – estou pensando em como seria nossa vida no Brasil nesse momento, se nunca tivéssemos vindo pra cá.
Neguei-me a pensar e olhei para o céu, estava cheio de estrelas e reparei a mais brilhante enquanto o ouvi suspirar.
– você.. – pareceu pensar antes de continuar – você.. ouviu o CD?
– não.
– gostaria muito que ouvisse. não terá muito haver com nós dois mas o que passamos me expirou a compor e uma das minhas expirações era imaginar você as ouvindo, é importante pra mim.
O olhei – tá, irei ouvir.
Senti-me olhar mas continuei olhando para o céu.
– você esta boazinha hoje, merecia um presente de aniversario.
O olhei – bem que poderia me dar um.
Ele riu – só pedir.
O olhei nos olhos, para mostrar o quanto eu estava falando serio.
– Evan, vá embora da minha casa..
Ele olhou para baixo, parecendo se entristecer e continuei.
– você já esta recebendo tão bem que pode ter a sua própria casa e uma vez você disse que só sairia daqui comigo direto para o Brasil e você sabe que não irei voltar pra lá e nem – respirei fundo por que sabia que essas palavras o machucavam, suspirei rapidamente – e nem vou voltar com você.
Ficou um silencio e ele encontrava-se pensativo e me olhou.
– tá, só me dê um tempo, assim que terminar essa agenda de shows com o Trevan nós terminaremos o contrato e passarei a ter uma equipe maior onde o Trevan vai assumir outras bandas e aí estaremos ocupados e não poderei ficar vindo aqui..
– Serio? – perguntei surpresa.
– sim – esticou os lábios – Eu estou realmente surpreendendo, estão me procurando para fazer uma porção de coisas e em breve terei uma Turner.
Fiquei boquiaberta, sabia que era muito por que comentavam, mas as noticias eram muito melhores do que eu espera, e espere aí e ele ainda disse que vai sair da minha casa!
Sorri e contente por tudo de bom que acontecia com ele e por isso também aconteria comigo dei uns pulinhos de felicidade que o fez rir.
– caramba! Que bom que tudo esta dando certo! Eu sabia que você ia se dar bem! – o abracei contente.
Ele retribuiu – você esta feliz por irei sair ou por que estou me tornando o queridinho dos Estados Unidos?
Entre seu ombro ri – as duas coisas.
Nos afastamos e ouvi o barulho da porta ser aberta e todos os burburinhos de gritos e risadas foram para fora então olhamos.
Val estava com os olhos arregalados – Emily, me ajuda, tem uma barata enorma na sala!
– chama o Trevan.
– o problema é esse, ele esta com segurando na antena da barata ameaçando a jogar ela em cima dos nossos cobertores.
Evan e eu rimos, depois de Jonas o palhaço da família era ele.
– só podia ser ele – ri.
– deixa que vou lá pegar ele – riu Evan passando por mim e indo até a porta.
– Evan pega dele! – joga fora! – ouvi os gritos enquanto fechavam a porta.
Ao cruzar os braços novamente sorri por ele esta caçoando delas e olhei para frente e tomando um susto ao ver Taylor do outro lado da rua com sua mochila em um de seus ombros me encarando.
Seu boné escondeu seus olhos enquanto o vi olhar para baixo e pegar algo em seu bolso.
Levantou seu celular digitando algo e o leu ao ouvido.
Continuei parada e ouvi o barulho da porta ser aberta, Alexia trazia meu celular.
– Emily, seu celular esta tocando não atendi por que o nome esta com a frase “Não atender”.
Sem perceber minha voz saiu tremula – Tá, obrigada.
Ela estranhou minha voz e olhou para frente.
Ao avistar do outro lado da rua arregalou os olhos e Sussurrou – O my god!
Olhou-me notando com o celular tocando em minhas mãos e Taylor estar com o celular no ouvido.
– atende garota! – sussurrou quase surtando.
O olhei e voltei a olhar o celular.
Anda! Vai!
Apertei o botão atender e levei ao ouvido.
Sussurrou ela – to saindo.
– Tá – respondi esperando que entrasse, ao ver a porta ser fechada olhei em sua direção.
– Anda se divertindo apertando o botão de recusar chamadas? – perguntou mostrando em seu tom o quanto estava chateado.
– Anda se divertindo me ligando enquanto esta na balada? – revidei.
Suspirou no celular – estávamos tão bem até você estragar tudo.
– não estraguei nada foi você que estragou.
– quem estragou foi você.
Soltei uma risada irônica – tem razão, jamais deveria ter ido até lá e ter te visto com aquela mulher no seu quarto.
Ele estalou a língua e passou sua mão desocupada no rosto.
– Ela estava lá por que precisávamos estar e
– Sim claro, ela quase pelada! – cortei sua frase e ele suspirou novamente.
– Já que a gente vai continuar assim eu tenho que dizer o que estou pensando – comentou.
– nunca te impedi.
– certo – cortou parecendo irritado, mas manteve-se calmo.
– então diz.
– Agora eu entendo porque você não sente tanta raiva desse cara, por que provavelmente ele não tenha errado como você diz, tanto que até você o perdoa e age como se nada tivesse acontecido, talvez no fundo você sabe que a culpa não é dele e sim sua.
– aham, por que talvez eu tenha flagrado ele como fiz com você.
Ele ficou em silencio.
 – então é isso que você pensa de mim? Sou pior que ele?
Achei estranha sua pergunta e agradeci mentalmente por estar longe caso estivesse perto repararia o quanto essa pergunta me deixou desconcertada.
Fiquei em silencio.
Poxa, ele vivia dizendo que me amava, como pode ter um caso com aquela mulher depois de estarmos finalmente bem?!
Respirei fundo pensando em como agora eu estava em um problemão, jamais aceitaria uma traição. Esse foi um dos motivos de ter rompido com o Evan, mas eu gostava tanto do Taylor que parecia que toda a raiva que eu sentia naquele dia passava.
Como era possível?!
Eu não queria viver assim pelo resto da minha vida! Não mesmo!
Ele parecia que morreria mas não admitia que tinha me traído quando as evidencias eram bem claras, e eu não quero viver assim pra sempre.
– por que se importa?
– por que?! Você se esqueceu das coisas boas que estávamos passando de uma hora para a outra? – perguntou alterando a voz.
– não.
– Mas parece! Por que eu volto pra casa maluco pra te ver pra poder conversar com você e encontro você com esse cara, fica cheia de risadinha como se eu não existisse e depois ainda me vê e me olha como se eu fosse um estranho por que nem atravessa a rua pra vir falar comigo!
– Eu não queria te ver..
– Que ótimo, obrigado pela sinceridade, manda um abraço para o seu amiguinho.
– o Evan não é nada meu, para com isso.
– E eu ainda sou?
– Não sei dizer oque você é pra mim, não me pressiona.
– há, eu estou te pressionando? – soltou um ar mostrando que estava chateado e o vi balançar a cabeça descrente.
– Eu sei o que eu sou pra você, eu sou um palhaço idiota que fica correndo atrás de você o tempo todo e eu estou cansado.
– já me disse isso antes.
– É e agora eu estou mais cansado, muito, mais, muito mais cansado.
– o que vai fazer? Vai pra festinhas com a sua amiga de trabalho outra vez? Vai beber todas até cair no chão? Acho que você não esta cansado por minha causa, você se esqueceu que quase não dorme mais? – ironizei e ele bufou.
– não se faça de desentendida, você entendeu perfeitamente o que quis dizer. E tem mais, se fui pra baladas eu fui por que não devo nada a ninguém, você mesmo disse que nem sabe o que eu sou pra você.
– tá, já acabou?
Ignorou-me – Enquanto eu estava lá provavelmente estava aqui bem acompanhada do seu Ex que vive na sua casa!
– E você que deve ter ficado com uma e com outra nessas festas e sem contar a Marie que você arrastava para todo canto!
– Não fiz pra chamar sua atenção, não pedi que seguisse meus passos se seguiu foi por que quis e tudo isso é culpa sua, sai mesmo e vou sai outras vezes por que não tem nenhum motivo que possa me impedir.
– ok, obrigada pelo aviso.
– Ta, ok!
– Ok!
Desligou o celular na minha cara e bufei doida pra ir até lá e continuar discutindo.
Ele deu seus passos para trás ainda me olhando antes de se virar e ir para sua casa.
Ouvi a porta da minha casa se abrir e olhei.
– Emily? – perguntou Val e olhei de volta em direção ao Taylor e vi sua porta ser fechada.
– Esta tudo bem? Estava brigando com alguém pelo telefone? – perguntou soltando um ar de riso a me ver com o celular nas mãos.
Sorri pela sua inocência, se eu dissesse quem estava ali agorinha ela piraria.
– Esta tudo bem?
– Esta..
Coloquei meu celular no bolso e fui até a beira da varanda e me sentei e me seguiu.
– As coisas estão bem mesmo? Por que você parece tensa.
Olhei para os céus e aquela minha pose foi por agua abaixo, mostrei o quanto estava doida e irritada e me agitei fazendo ela rir.
– Aí Val o Taylor me tirou do serio!
Ela riu – É, estou sabendo..
A olhei surpresa – tá?
Assentiu rindo.
– ele saiu muito em Nova York e fiquei sabendo de uma coisa que resolvi manter em segredo por que é um pouco desconfortável dizer pra todo mundo..
– oque? – perguntei sem me importar como ela tinha descoberto.
– Ele conheceu uma fã Brasileira em uma festa daquelas que ele andou saindo.
– ih? – perguntei inocentemente.
– Ih aí que meu colega me disse que ele agarrou a fã e a beijou.
– o que?! – perguntei mais alto me levantando.
– É – disse rindo.
– Eu vou matar ele! – falei ameaçando a ir até lá mais antes que eu desse meus passos ela se pôs na frente e começou a gargalhar.
 Fiquei sem entender enquanto observava sua risada.
– Eu estava brincando. Ele não a agarrou.
Fiquei sem graça voltando a me sentar enquanto ela ria.
– não teve graça.
– há, teve sim – gargalhou.
– você precisava ver a sua cara agora.
Fiquei sem jeito pelo seu comentário e mostrei a língua.
– palhaça.
– há Emily, veja só, esse é um sinal de que você gosta dele, veja como você reagiu.
– é, mas é por isso que eu tenho que deixa-lo, pra ver se consigo me acostumar com essa ideia de ter que ve-lo como se estivesse com uma e com outra atriz e as mulheres são tão bonitas que me deixa aflita.
Ela sorriu – imagino..
Enruguei a testa e a olhei.
– mas como você soube dessa fã? – perguntei e ela deu um sorriso amarelo então comentei – você disse que foi de um colega, que colega estaria tão próximo do Taylor que eu não conheço?
Ela sorriu – É o Chris.
– Chris? – perguntei-me em pensamento e olhei para os Céu tentando me recordar de algum Chris.
A olhei – não me lembro de nenhum Chris.
Ela sorriu – entrei em contato com ele pra saber mas sobre onde o Taylor andava e aí acabamos conversando, ele é bem legal.
A olhei torto.
– olha lá hem, se é amigo do Taylor e que anda nessas festinhas não deve ser um cara legal.
– Eu sei mulher! Só.. só estou conversando pra buscar informações, só isso – riu.
– tá sei – pisquei.
Seu rosto estava corando e aí ela pareceu se lembrar de algo e arregalou os olhos.
– Esqueci de te contar! Temos mais uma surpresa pra você amanhã!
– nossa! Quantas surpresas assim não deixarei vocês voltarem para o Brasil.
Riu.
– Olha, conversei com a sua mãe e ela disse que vai dar uma folga para Marli, vai fazer o Evan, sua irmã e o Trevan dormirem fora e ela e Jonas também para que a gente possa fazer uma festa do pijama amanhã para virarmos a noite do seu aniversario comemorando! O que acha?!
– É uma ótima ideia! Como vocês fizeram para tirar todos eles de casa?
– há, eu aprendi um pouco com a Makena – Falou olhando para a casa dela.
Sorri acompanhando seu olhar.
– Nossa, é surreal o que estamos vivendo.
Estiquei os lábios – daqui há um tempo você se acostuma.
– A Makena é tão maneira, será que toda a família é assim? – perguntou.
– Seus pais são bem legais, seu irmão é do jeito que vocês realmente imaginam, mas nem todos os membros que conheço da família são legais iguais a eles. – Ri me lembrando de Aline, a prima deles.
– por que? Já deu tempo de conhecer todo mundo?
– não, mas já é o suficiente dizer por uma pessoa. – a olhei – tem uma prima dele que é uma cobra, não gosto dela.
– Ah.. me conte mais sobre ela! – se empolgou.
Enquanto conversávamos sobre o que havia acontecido quando conheci sua prima as horas se passaram.. e enquanto ficávamos conversando sempre olhava para a casa de Taylor imaginando se ele já havia ido dormir.
Daqui há um dia seria Tmeu aniversario e estar brigada com ele não era o que estava em meus planos um mês atrás....


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário! A sua opinião sobre as fanfics é muito importante para que os autores continuem escrevendo. Fale sobre o mais gostou, sobre o que espera ler nos capítulos seguintes. Comente sobre seus personagens favoritos e os que mais detesta. Não deixe de comentar, seja mais ativo e evite que as fanfics entrem em hiatos por desmotivação da autora em escrever. Não seja um leitores fantasma. Comente agora mesmo!

DEIXE SEU RECADO!

SITE DE NOTICIAS - TAYLOR LAUTNER MANIA